segunda-feira, 24 de novembro de 2008

Marc Dutroux




Marc Dutroux é o inimigo público número um da Bélgica.
Os jornais o descrevem como o homem mais odiado do país. Seu nome está gravado na psique belga e, embora todos preferissem esquecê-lo, isso é absolutamente impossível.



Em 13 de agosto de 1996, Dutroux, 39 anos, pederasta e desempregado eletricista, foi preso depois de entregar as autoridades duas garotas famintas, que ele havia mantido em cativeiro especial na Bélgica - vila Sars-la Buissiare. O cativeiro ficava embaixo de sua casa, o acesso era por um túnel, e as meninas ficaram presas numa cela totalmente inacessível. A policia seguiu a pista de Dutroux quando uma pessoa anotou as placas de sua van no desaparecimento de uma menina de 14 anos, quando ela voltava da natação. Na casa dele encontraram esta menina e mais uma, Sabine, 12 anos, desaparecida há 3 meses. As duas haviam sido sexualmente abusadas.




Quatro dias depois a policia descobriu no quintal de Marc os restos mortais de duas meninas de 8 anos, Julie e Melissa, que morreram de fome quando ele foi preso e encarcerado por outra violação da lei. Outro corpo encontrado foi o de Bernard Weinstein, um sócio de Dutroux que, segundo ele, falhou em alimentar as meninas presas. O tribunal de Arlon, na Bélgica, condenou o pedófilo Marc Dutroux a prisão perpétua. O júri atendeu aos pedidos do Ministério Público, condenando também a sua ex-mulher, Michelle Martin, a 30 anos de prisão, ela era o seu braço direito, Michel Lelièvre, a 25 anos, e o empresário Michel Nihoul, a 5 anos.


Michelle Martin



Marc Dutroux (nascido em 6 de novembro de 1956) é um assassino em série e molestador de crianças belga, condenado por ter seqüestrado, torturado e abusado sexualmente de seis meninas nos anos de 1995 a 1996, na faixa etária de 8 a 19, assassinou quatro delas. Ele também foi condenado por ter matado um suposto ex-cúmplice, Bernard Weinstein, mais tarde provou-se que ele era louco. Marc foi preso em 1996, quatro anos após o desaparecimento de suas vítimas, e está na prisão desde então, embora tenha fugido brevemente  em abril de 1998.


Julgamento amplamente divulgado de Dutroux ocorreu em 2004. Uma série de falhas na investigação causou descontentamento generalizado na Bélgica com o sistema de justiça criminal do país, e o escândalo que se seguiu foi uma das razões para a reorganização das agências de aplicação da lei da Bélgica.


Início da vida e tendências anti-sociais:

Nascido em Ixelles, na Bélgica, em 6 de novembro de 1956, Dutroux era o mais velho de cinco filhos. Seus pais, que eram ambos professores, emigraram para o Congo Belga, mas voltaram para a Bélgica quando Dutroux tinha quatro anos. Eles se separaram em 1971 e Dutroux ficou com a mãe. Casou-se com a idade de 19 anos e teve dois filhos, o casamento terminou em divórcio em 1983. Até então, ele já tinha tido um caso com Michelle Martin. Eles teriam, eventualmente, três filhos, e casaram-se em 1989 quando ambos estavam na prisão. Eles se divorciaram em 2003, ainda enquanto estavam na prisão.

Michelle Martin

Eletricista desempregado, Dutroux tinha um histórico criminal de comprimento, incluindo condenações por roubo de carros, assaltos e tráfico de drogas. A carreira criminosa de Dutroux, envolvendo o comércio de carros roubados para a Checoslováquia e a Hungria, tráfico de drogas e também crimes violentos, como assaltos, fez com que ele ganhasse dinheiro suficiente para viver em relativo conforto em Charleroi, uma cidade que estava no alto do desemprego na época.
Ele tem sido descrito pelos especialistas como um psicopata. CLARO.


Ele era dono de sete pequenas casas, a maioria delas alugadas, e usou três delas para a tortura das meninas que ele sequestrou. Ele viveu principalmente em sua casa em Marcinelle, perto de Charleroi (Hainaut), onde ele construiu um calabouço escondido no porão. Escondido atrás de uma porta maciça de concreto disfarçado como uma prateleira, o local era de 2,15 metros (7 pés) de comprimento, menos de um metro (três pés) de largura e 1,64 metros (5 pés) de altura.



Primeira Prisão e falha do sistema.

Em Fevereiro de 1986, Dutroux e Martin foram presos por seqüestrar e estuprar cinco meninas. Em abril de 1989, ele foi condenado a treze anos e meio de prisão. Martin recebeu uma sentença de cinco anos. Mostrando bom comportamento na prisão, Dutroux foi posto em liberdade condicional em abril de 1992, tendo servido apenas três anos, pelo ministro da Justiça Melchior Wathelet. Após a sua libertação, o conselho de liberdade condicional recebeu uma carta da própria mãe de Dutroux com o diretor da prisão, na qual ressaltou a preocupação de que ele estava mantendo as meninas em cativeiro em sua casa -. Que foi essencialmente ignorada.
Após a sua libertação da prisão, Dutroux foi capaz de convencer um psiquiatra que ele tinha problemas mentais, resultando em uma pensão do governo. Ele também recebeu prescrições de pílulas e sedativos, que mais tarde Marc viria a usar em suas vítimas para fazê-las dormir.

Julie Lejeune e Mélissa Russo (ambas com oito) foram seqüestradas em Grâce-Hollogne em 24 de junho de 1995, provavelmente por Dutroux, e presas na adega de Dutroux. Dutroux repetidamente abusou sexualmente das meninas e produziu vídeos dos abusos.

Julie e Mélissa



Em 22 de agosto de 1995, Dutroux seqüestrou uma garota de 17 anos de idade, An Marchal e uma de 19, Eefje Lambrecks que estavam em um acampamento em Ostend. Ele provavelmente foi assistido pelo seu cúmplice Michel Lelièvre, que foi pago com drogas. Já que o calabouço já continha Lejeune e Russo, Dutroux acorrentou as meninas a uma cama em um quarto de sua casa. Sua esposa estava ciente de todas essas atividades. Dutroux matou Marchal e Lambrecks várias semanas mais tarde, drogando-as e enterrando-as vivas em uma de suas propriedades em Jumet.


No final de 1995, Dutroux foi preso pela polícia por envolvimento em um roubo de carro de luxo. Ele foi mantido sob custódia por três meses entre 06 de dezembro de 1995 e 20 de Março de 1996. A polícia revistou a casa de Dutroux em 13 de dezembro de 1995 e, novamente, seis dias depois, em relação à acusação de roubo de carro. Durante este tempo, Julie Lejeune e Mélissa Russo ainda estavam vivas no calabouço no porão, mas, apesar de seus gritos, não puderam ser ouvidas e a polícia não conseguiu descobri-las. Michelle Martin supostamente alimentara os cães pastor alemão do marido, mas não seguiu suas ordens para alimentar as meninas, mais tarde, alegando que ela estava com muito medo de ir para o calabouço. Lejeune e Russo morreram de fome, e mais tarde foram enterradas em sacos de lixo  no jardim dos fundos.
Dois meses após a sua libertação, Dutroux, com a ajuda de Lelièvre, seqüestrou uma menina de 12 anos, Sabine Dardenne, que estava em seu caminho para a escola em 28 de Maio de 1996. Ela foi presa por ele, no calabouço, onde ele mantinha suas vítimas anteriores.

Sabine

A descoberta dos crimes:

Em 9 de agosto de 1996, Dutroux e Lelièvre seqüestraram Laetitia Delhez, 14 anos, quando ela estava voltando para casa de uma piscina pública. Uma testemunha já havia observado a van de Dutroux e foi capaz de descrevê-lo e identificar parte da placa. Dutroux, sua esposa e Lelièvre foram presos em 13 de agosto de 1996. Uma busca inicial em suas casas foi inconclusiva, mas dois dias depois, Dutroux e Lelièvre ambos fizeram confissões. Dutroux levou a polícia para o calabouço onde Dardenne e Delhez foram encontradas vivas em 15 de agosto de 1996. Em uma entrevista realizada alguns anos mais tarde, Dardenne revelou que Dutroux tinha dito a ela que ela tinha sido sequestrada por uma gangue, mas seus pais não quizeram pagar o resgate e a turma estava planejando matá-la. Dutroux disse a ela que ele a salvou, e que ele não era um dos membros da gangue, a quem ela deveria temer. Ele deixou-a escrever cartas para sua família, que ele leu, mas nunca enviou.

Laetitia

Em 17 de agosto de 1996, Dutroux levou a polícia a outra de suas casas em Sars-la-Buissière (Hainaut). Os corpos de Julie Lejeune e Mélissa Russo, bem como o do cúmplice Bernard Weinstein foram encontrados no jardim. Uma autópsia concluiu que as duas meninas tinham morrido de fome. Dutroux disse que ele havia esmagado os testículos de Weinstein, até que ele lhe desse dinheiro, então ele drogou e enterrou-o vivo. Mais tarde Dutroux disse à polícia onde encontrar os corpos de um Lambrecks Marchal e Eefje. Os corpos foram localizados em 3 de Setembro de 1996 em Jumet (Hainaut), enterrados sob um barraco ao lado de uma casa da propriedade de Dutroux. Weinstein vivera naquela casa por três anos.
Centenas de vídeos pornográficos adultos comerciais, juntamente com um grande número de filmes de sexo caseiros que Dutroux tinha feito com sua esposa Michelle Martin foram recuperados a partir de suas propriedades.






Autoridades foram criticadas por vários aspectos do caso. Vários incidentes sugerem que, apesar de vários avisos para as autoridades, as intenções de Dutroux não foram devidamente acompanhadas. Dutroux tinha oferecido dinheiro para um informante da polícia para fornecer-lhe as meninas, e disse-lhe que ele estava construindo uma célula em seu porão. Sua mãe também escreveu uma segunda carta para a polícia, alegando que ele mantinha meninas cativas em suas casas. Enquanto Dutroux estava realmente debaixo de câmaras de vigilância da polícia na noite em que sequestrou Marchal e Lambrecks, a polícia só tinha programado a câmera para operar durante o dia de oito horas - seis horas.

Vários vídeos também foram apreendidos na casa dele, que mostravam Dutroux construindo a entrada secreta e da masmorra, onde ficavam as meninas. As fitas nunca foram vistas pela polícia, que mais tarde afirmou que isso aconteceu  porque eles não tinham um vídeo cassete apropriado para as fitas de video.
A indignação pública reacendeu-se em Abril de 1998. Ao ser transferido para uma casa de tribunal sem algemas, Dutroux dominou um de seus guardas, pegou a arma e fugiu. A polícia em sua terra natal, Bélgica, França, Alemanha e Luxemborg colocaram suas forças policiais em um "Alerta total em todas as fronteiras", juntamente com uma grande caçada humana. Ele foi capturado poucas horas depois. O ministro da Justiça Stefaan De Clerck, o ministro do Interior, Johan Vande Lanotte, e o chefe de polícia foram demitidos como um resultado. Em 2000, Dutroux recebeu uma sentença de cinco anos por ameaçar um policial durante sua fuga. Em 2002, ele recebeu outra sentença de cinco anos por crimes não relacionados.

O Julgamento

O julgamento de Dutroux começou em 1 º de março de 2004, cerca de sete anos e meio depois de sua prisão inicial. Foi um julgamento por júri e até 450 pessoas foram chamadas a depor. O julgamento ocorreu em Arlon, a capital da província belga de Luxemburgo, onde as investigações começaram. Dutroux foi julgado pelo assassinato de An Marchal, Eefje Lambrecks e Bernard Weinstein, e de um cúmplice. Embora admitindo os seqüestros, ele negou todas as três mortes, embora ele já tivesse confessado ter matado Weinstein. Dutroux também foi acusado de uma série de outros crimes: roubo de carros, rapto, tentativa de homicídio e tentativa de rapto, abuso sexual, e três estupros não relacionados de mulheres da Eslováquia.

Martin foi julgada como cúmplice, como Lelièvre e Michel Nihoul. Para proteger o acusado, eles tiveram que se sentar em uma gaiola de vidro durante o julgamento. Na primeira semana do julgamento, fotos do rosto de Dutroux não foram autorizados a ser impressas em jornais belgas por razões de privacidade, esta proibição permaneceu em vigor até 9 de Março; Durante o julgamento, Dutroux continuou a insistir em que ele fazia parte de uma rede de pedofilia em toda a Europa com cúmplices, entre policiais, empresários, médicos e até mesmo políticos belgas de alto nível.
Em um movimento raro, o júri no julgamento  protestou publicamente quanto a condução dos debates e testemunhas das vítimas, o juiz Stéphane do Goux.

Em 14 de junho de 2004, após três meses de julgamento, o júri entrou em reclusão para atingir os seus vereditos sobre Dutroux e os outros três acusados. Vereditos foram ouvidos em 17 de junho de 2004, depois de três dias de deliberação. Dutroux, Martin e Lelièvre foram considerados culpados de todas as acusações, o júri não conseguiu chegar a um veredicto sobre o papel de Michel Nihoul.

Condenação.

Em 22 de junho de Dutroux recebeu a sentença máxima de prisão perpétua, enquanto Martin recebeu 30 anos e LELIEVRE 25 anos. Michel Nihoul mais tarde foi absolvido da acusação de ser um criminoso no seqüestro e assassinato das meninas pelo tribunal. O júri foi convidado a voltar em reclusão para dar resposta à questão de saber se Michel Nihoul foi cúmplice ou não. Em 23 de junho de Dutroux interpôs recurso contra a sentença. Dutroux está sendo mantido em confinamento solitário na prisão de Nivelles.
Embora Michel Nihoul tenha sido absolvido da acusação de seqüestro e conspiração, ele foi condenado por acusações relacionadas a drogas e recebeu cinco anos.
No domingo, 19 de agosto, 2012, cerca de 2.000 manifestantes em Bruxelas, na Bélgica protestaram contra uma possível libertação antecipada de Michelle Martin da prisão. Ainda faltavam 13 anos para o fim de sua sentença.
Em 4 de fevereiro de 2013, Dutroux solicitou a um tribunal em Bruxelas para uma libertação antecipada da prisão (condicional). Ele insistiu que "não era mais perigoso" e queria ser liberado para prisão domiciliar com uma etiqueta eletrônica colocada nele. Em 18 de fevereiro, o tribunal negou o pedido.

Legado.

O caso Dutroux é tão infame que mais de um terço dos belgas com o sobrenome "Dutroux" mudaram seus nomes entre 1996 e 1998.

Marc Dutroux tinha sete casas, quatro das quais ele usou para seus seqüestros:
A casa na Route de Philippeville 128 em Marcinelle é mais citada nos meios de comunicação. Todas as meninas foram mantidas em cativeiro nesta casa, no porão e quarto.
O município de Charleroi apreendeu e tomou posse desta casa, por causa do que aconteceu lá e o mau estado da casa. Há planos para criar um espaço aberto com um memorial ali. No procedimento belga de expropriação, o proprietário tem um último direito de visitar uma casa. Portanto, Dutroux visitou esta casa em 10 de setembro de 2009, sob forte aparato policial.
Uma casa em Jumet, que já foi demolida. Uma onde An e Eefje foram enterradas no jardim. Weinstein viveu nesta casa por um tempo. Um pequeno monumento foi colocado neste local.
Uma casa em Marchienne-au-Pont. Onde Julie e Mélissa foram mantidas em cativeiro por um curto período de tempo após o seqüestro.
Uma casa em Sars-la-Buissière. Julie, Mélissa e Bernard Weinstein foram enterrados ali depois que Dutroux os matou. A casa foi comprada pelo município de Lobbes nos primeiros meses de 2009. Prevê-se para fazer um parque (uma praça) com um monumento em homenagem às vítimas de Dutroux ali.

As sobreviventes hoje em dia:


Sabine

Ela escreveu um livro:

Laetitia
















3D de onde o monstro trancou as meninas.




Não encontrei os documentários legendados, mas segue os sem legenda pra quem fala inglês.
Quando encontrar legendado eu posto.



                                   

Sem comentários: