sábado, 23 de julho de 2011

Wayne Williams




Wayne Bertram Williams (nascido em 27 maio de 1958) é um serial killer (ou não) que cometeu (ou não) a maioria dos assassinatos de crianças em Atlanta que ocorreram de 1979 até 1981. Em janeiro de 1982, Williams foi considerado culpado do assassinato de dois homens adultos. Depois de sua condenação, em Atlanta, Georgia a polícia declarou um adicional de 23 dos 29 assassinatos de crianças que foram resolvidos como Williams sendo o assassino.


Biografia:

Williams nasceu e cresceu no bairro de Atlanta, Hills Dixie, onde muitas das vítimas desapareceram. Ele era bem conhecido na área por músicos locais, particularmente os jovens. Seu único encontro com a lei antes de se tornar um suspeito de assassinato foi em 1976, quando foi preso, mas nunca condenado por se passar por um policial.


Ele se tornou um suspeito no caso dos assassinatos das crianças em maio 1981. Ele foi parado pela polícia e interrogados e alegou que ele estava saindo da cidade para audição de uma jovem cantora. (ele tinha uma estação de rádio) O álibi foi descartado, depois que a polícia descobriu que o endereço e número de telefone que ele passou não existiam.

Dois dias depois, o corpo nu de Nathaniel Cater, 27 anos de idade,  que tinha desaparecido há dias, apareceu no rio. 
O médico legista do caso determinou que ele tinha morrido de asfixia "provável", mas nunca com certeza, disse que ele tinha sido estrangulado. As suspeitas que a polícia tinha sobre Williams aumentou depois que ele falhou em um teste de polígrafo, e os cabelos e fibras em um dos corpos das vítimas foram encontrados batendo com os da casa do carro de Williams, até o pelo do cão dele também.

Durante todo o curso da investigação, a polícia passou a vigiar a casa Williams por várias semanas, enquanto ele, os provocava com insultos e piadas. Durante este tempo, as pessoas que trabalham no estúdio de Williams também disseram à polícia que tinham visto ele com arranhões no rosto e nos braços em torno da época dos assassinatos, que a polícia imaginou terem sido causados pelas vítimas durante uma luta. Williams realizou uma conferência de imprensa em frente à casa de seus pais, proclamando a sua inocência. Ele foi, no entanto, preso em 21 de junho de 1981, pelo assassinato de Cater e Jimmy Payne, 29 anos de idade.

Payne

O julgamento começou em 6 de janeiro de 1982. A acusação baseou-se em uma abundância corroboração de evidências. Durante o julgamento de dois meses, os promotores ligaram 19 diferentes fontes de fibras (pelos) do ambiente de Williams, em sua casa em seu carro: sua colcha, banheira, luvas, roupas, tapetes, cachorro e uma fibra do tapete incomumtri-lobal a um número de vítimas. Houve também testemunhos oculares colocando Williams com vítimas diferentes, manchas de sangue das vítimas correspondiam, no carro de Williams e testemunhas dizendo que ele era um pedófilo que abusava de jovens negros (apesar de nenhuma das vítimas terem sido agredidas sexualmente).

Williams testemunhou, mas ele estava aparentemente alienado ao júri, tornando-se irritado e combativo. Williams nunca se recuperou daquela explosão, e em 27 de fevereiro, o júri deliberou por 12 horas antes de encontrá-lo culpado de assassinar Cater e Payne. Williams foi sentenciado pelo Tribunal a dois mandatos consecutivos de prisão perpétua.

Controvérsia:

A culpa de Williams tem sido contestada por alguns. Mais notavelmente o autor James Baldwin em seu escrito “The Evidence of Things Not Seen “ (a prova das coisas não vistas), têm levantado dúvidas sobre a investigação e julgamento de Williams. Algumas pessoas em sua comunidade, e vários dos pais da vítima, não acreditam que Williams, o filho de dois professores profissionais, poderia ter matado tantas pessoas.

Em 06 de maio de 2005, o chefe da DeKalb County Police, Louis Graham, ordenou a reabertura dos casos de assassinato de quatro meninos mortos no condado  que ocorreram entre fevereiro e maio de 1981, que tinham sido atribuídos a Williams. No entanto, as autoridades legais na vizinha de Fulton County, onde a maioria dos assassinatos ocorreu, não concordaram em reabrir qualquer um dos casos sob sua jurisdição. Williams sempre negou veementemente as acusações, no entanto, é comum que presos neguem que eles fizeram algo errado. DeKalb County finalmente fechou os casos depois de não encontrar nenhuma evidência nova.

O ex-agente do FBI, John E. Douglas, escreveu em seu livro Mindhunter,(caçador de mentes) que, ele acredita que Williams cometeu muitos dos assassinatos, mas ele não acha que ele cometeu todos eles. Douglas acrescentou que ele acredita que as autoridades policiais têm alguma ideia de quem são os assassinos das outras pessoas, e que "não é um criminoso único e a verdade não é agradável." Esta é uma opinião profissional, mas sem fundamento.

O conteúdo abaixo foi retirado e adaptado do livro "501 Crimes mais notórios".

"Dizimou de vez uma geração de negros."

O Crime: Os assassinatos começaram em julho de 1979 em Atlanta, quando os adolescentes Edward Smith e Alfred Evans foram mortos.

Evans.

Em 4 de seembro um terceiro adolescente, Milton Harvey, 14 anos, desapareceu, seguido de yusuf Ali Bell, 9 anos, em 21 de outubro.

Milton Harvey

Yusuf Bell

Yusuf era filho de Camille Belle, líder de luta por direitos civis. Em março de 1980 Angel Lenair, 12 anos, foi estuprada e morta - primeira vítima do sexo feminino - e em maio ocorreu o assassinato de Eric Middlebrooks.

Angel Lenair



O número de mortes começou a crescer - todas as vítimas eram jovens e negros.

Os negros começaram a temer que um racista estivesse matando seus filhos, mas logo essa possibilidade foi eliminada por duas razões. A área na qual as crianças desapareciam era de população eminentemente negra e ali qualquer rosto branco teria se destacado.
Além disso, assassinos em séria tentem a se manter dentro de seu grupo racial - brancos matam brancos, negros matam negros, e assim por diante; há algumas exceções - Depois eles pensaram que, por serem vítimas negras, a polícia não estava se esforçando muito para prender o assassino.

Em maio de 1981 os mortos já somavam 21, e havia mais uma criança na lista de desaparecidos. A conta da investigação desse inquérito chegava a 250 mil dólares por mês, e o presidente Reagan autorizou uma concessão do governo no valor de 1,5 milhões de dólares para impedir que Atranta falisse. Em 22 de maio, um jovem DJ negro chamado Wayne Bertram Williams (nascido em 27 de maio de 1958) foi interrogado por agir de maneira suspeita perto do rio Chattahoochee. Sem provas que o ligassem aos assassinatos, ele foi libertado, mas mantido sob vigilância. Em 24 de maio o corpo nu de Nathaniel Cater, 27 anos, foi encontrado no rio. 

Nathaniel

Um teste da perícia comparou os pelos de cachorro no carro de Nathaniel com aqueles no carro de Wayne Williams.
Quando as pessoas se apresentaram para denunciar que William as molestara, ele foi preso em 21 de junho. 
Wayne Williams foi a julgamento em 6 de janeiro de 1982 por duas acusações de assassinato. As provas eram, em sua maioria, circunstanciais, mas também se notou que, enquanto Williams esteve preso, as mortes entre crianças de Atlanta cessaram. Em 27 de fevereiro de 1982 Williams foi condenado e recebeu duas sentenças de prisão perpétua. Há dúvidas quanto à segurança da condenação de Williams, especialmente depois de Charles T. Saunders, da Ku Klux Klan, dizer ao Georgia Bureau of investigation que o assassino havia "dizimado de vez uma geração de negros". Os pais de algumas vítimas não acreditam que Williams foi o assassino.
Williams continuou se declarando inocente e seus advogados pediram um novo julgamento. A polícia se nega a reabrir o caso.


Mais algumas vítimas (foi um total de 23):
Aaron Wyche (10 anos)

Anthony Carter (9 anos)

Clifford L. Jones (10 anos)

Charles Stephens, Jr (12 anos)

Aaron Jackson, Jr. (16 anos)

Patrick Rogers (16 anos)

Lubie Geter (14 anos)

Terry Pue (15 anos)

Patrick Baltazar (11 anos)

Curtis Walker (15 anos)

Joseph E. Bell (15 anos)

Timothy Hill (13 anos)






Parte 1 do filme (mini serie) baseado nessa história http://www.youtube.com/watch?v=nZbbbYHgRjI





                                    

John Paul Knowles – O assassino de Casanova


 John Paul Knowles (17 de abril de 1946 - 18 de dezembro de 1974), também conhecido como The Casanova Killer , foi um serial killer ligado à morte de 18 pessoas em 1974, apesar de ele ter alegado ter tirado 35 vidas.

Primeiros anos de vida:

Nascido em Orlando, Florida, seu pai o mandou para lares adotivos e reformatórios depois que ele foi condenado por um crime insignificante. Knowles foi encarcerado na idade de 19, e nos anos seguintes ele passou mais tempo na prisão. No início de 1974, Knowles estava cumprindo pena na Prisão Raiford na Flórida (agora conhecida como  Prisão Estadual de Flórida), quando ele começou a se corresponder com uma mulher divorciada, em San Francisco, chamada Angela Covic, que fez uma viagem para a prisão para visitar Knowles. (Juro que não entendo essas mulheres que ficam atrás de homens na cadeia!! Só podem estar no nível HARD do desespero). Após a sua chegada, Knowles propôs casamento a Covic. Depois que ela aceitou a sua proposta, ela se tornou obcecada pela obtenção da libertade de Knowles, pagando por seu advogado. Após a sua libertação, Knowles voou diretamente para a Califórnia para ficar com ela. Depois que uma vidente a "avisou" da entrada de um homem novo e perigoso em sua vida, Covic terminou o relacionamento e cancelou o casamento.

Embora isso nunca tenha sido verificado, Knowles alegou ter assassinado três pessoas nas ruas de San Francisco na noite em que Covic rompeu seu relacionamento. Devastado pela rejeição, Knowles voltou a Jacksonville, Florida. Ele logo foi preso depois de esfaquear um bartender durante uma luta, mas ele conseguiu escapar de sua cela e fugiu em 26 de julho de 1974.



Assassinatos:

Após a sua fuga da prisão, Knowles fez uma farra assassina em todo o país, a partir de Jacksonville na mesma noite de sua fuga. Knowles invadiu a casa de Alice Curtis, de 65 anos de idade. Ele a amarrou e amordaçou, em seguida, procurou por dinheiro e outros bens que ele poderia usar ou vender. Curtis depois a estrangulou até a morte com a própria dentadura dela. Knowles também roubou seu Dodge Dart (carro), mas decidiu despejá-lo menos de uma semana mais tarde, ao perceber que a polícia havia ligado ele ao crime e anunciado-o como um fugitivo procurado. Na rua onde ele pretendia abandonar o carro, viu duas meninas Lillian e Mylette Anderson. Lillian tinha onze anos e sua irmã Mylette tinha apenas sete anos. Com medo de que elas fossem identificá-lo como o homem que jogou o carro, ele sequestrou as duas, estrangulou-las, e enterrou os corpos em um pântano nas proximidades. Seus corpos não foram recuperados até cinco meses depois, em janeiro, depois que Knowles havia confessado o crime.

No dia seguinte, 2 de agosto de 1974, Knowles encontrou Marjorie Howie, 49, em Atlantic Beach, Florida. Ela o levou até seu apartamento, (até hoje não se sabe se foi a força ou se ela o convidou) onde ele a estrangulou com uma meia de nylon. Alega-se que ele roubou-lhe o aparelho de televisão, que mais tarde deu a uma ex-namorada.

Logo após isso, Knowles alegou ter pego uma adolescente que estava pedindo carona e matou-a só por esporte, mas sua identidade permanece desconhecida.
Perto do final de agosto, Knowles apareceu em Musella, Georgia, e invadiu a casa de Kathie Sue Pierce, que estava lá com seu filho de três anos de idade. Knowles usou um fio de telefone cortado para estrangulá-la em seu banheiro, mas deixou seu filho fisicamente ileso.

Em 3 de setembro de 1974, Knowles entrou no Inn Scott, um pub na estrada perto de Lima, Ohioe, conheceu William Bates, um executivo de contas de 32 anos de idade para Ohio Power Company. O barman, que conhecia Bates, lembrou que Bates e um jovem ruivo tinham tomado várias bebidas à noite e foram embora juntos. A esposa de Bates depois informou seu desaparecimento, a polícia percebeu que seu carro estava em falta também. Perto do bar, a polícia encontrou um Dodge Dart abandonado que foi posteriormente descoberto pertencer a Alice Curtis. Em outubro, o corpo nu de Bates foi encontrado. Ele tinha sido estrangulado e jogado na floresta.

Agora dirigindo o carro de Bates, ele se mudou para um acampamento em Ely, Nevada, onde em 18 de setembro de 1974 ele  atirou em dois campistas idosos, Emmett e Lois Johnson. Ele usou seus cartões de crédito por um curto período para pagar suas despesas.

Em 21 de setembro de 1974, a matança de Bates , continuou, desta vez em Seguin, Texas. Lá, ele se deparou com a motociclista Charlynn Hicks, a quem ele sequestrou e estuprou antes de estrangulá-la com sua meia-calça e arrastar seu corpo através de uma cerca de arame farpado. Seu corpo foi encontrado quatro dias depois.

Viajando depois para Birmingham, Alabama, Knowles conheceu a esteticista Ann Dawson em 23 de setembro de 1974. Não está claro se ou não ele a raptou ou se ela viajou com ele por vontade própria, mas ela pagou as contas, enquanto eles viajaram juntos até que ele a matou em 29 de setembro de 1974. Knowles afirma ter despejado o seu corpo no rio Mississippi, mas nunca foi recuperado.

Knowles chegou em Marlborough, Connecticut, em meados de outubro de 1974, onde continuou sua matança viciosa. Ele entrou na casa de Karen Wine e sua filha Dawn de 16 anos de idade em 16 de outubro, onde ele amarrou-as e estuprou-as, antes de matá-las com uma meia de nylon. A única coisa roubada de sua casa foi um gravador.

Em 19 de outubro, Knowles foi para Woodford, Virginia, onde ele invadiu a casa de Doris Hovey, 53 anos, e atirou nela até a morte com a espingarda do marido, então enxugou impressões da arma e colocou-a ao  lado do corpo. 

Ainda dirigindo o carro roubado William Bates, Knowles deu carona para duas em Key West, Florida, com a intenção de matar as duas, mas seu plano deu errado quando um policial o deteve por uma infração de trânsito. Sem saber com quem ele estava lidando, o oficial deixou Knowles ir com um aviso. Abalado pela experiência, Knowles teve misericórdia de suas vítimas e as deixou em Miami, Florida e contatou seu advogado pouco depois. Ele rejeitou a sugestão de seu advogado de rendição, mas marcou um encontro com ele que durou apenas o tempo suficiente para entregar uma confissão gravada. Ele saiu para fora da cidade antes que a polícia fosse informada de sua presença.

Em 6 de novembro, em Macon, Geórgia, Knowles fez amizade com Carswell Carr e foi convidado a ir para a casa de Carr para passar a noite. Depois de beber, ele esfaqueou Carr até a morte e depois estrangulou filha de 15 anos. Depois de assassinar a menina, Knowles tentou envolver-se em necrofilia com o cadáver dela, mas suas tentativas foram infrutíferas. No caminho de sua fuga para Macon, Knowles também foi suspeito no assassinato de 02 de novembro do caroneiro Edward Hilliard, encontrado em um bosque nas proximidades, e sua companheira Debbie Griffin, cujo corpo nunca foi recuperado.

Em Atlanta em 08 de novembro, Knowles conheceu a jornalista britânica Sandy Fawkes, impressionando-a com seu "bom visual" Eles passaram 6 dias juntos, mas, de acordo com Fawkes, ele foi repetidamente incapaz de executar o ato sexual, (sugerindo impotência possível com um companheiro disposto). Eles se separaram em 10 de novembro, mas Knowles no dia seguinte pegou uma conhecida de Fawkes, Susan MacKenzie, e exigiu sexo dela com uma arma. Ela escapou e notificou a polícia, mas quando patrulheiros tentaram detê-lo, Knowles tinha uma escopeta e conseguiu escapar.

Dias mais tarde, em West Palm Beach, Flórida, ele invadiu a casa da senhora Beverly Mabee, inválida, onde raptou sua irmã e roubou também seu carro. De lá, viajou a Fort Pierce, Flórida, chegando na noite seguinte. Por razões desconhecidas, deixou sua refém escapar, sem danos ou incidentes.

Na manhã de 17 de novembro, na Flórida Rodovia Trooper Patrol, Charles Eugene Campbell reconheceu o carro roubado perto de Perry, Florida e tentou fazer uma prisão, mas depois que ele ficou mais perto, Knowles foi capaz de arrancar a pistola do policial. Knowles o fez de refém e foi embora em seu carro patrulha, mais tarde, usando a sirene para parar o motorista James Meyer, a fim de livrar-se do veículo da patrulha na estrada e continuar em um automóvel menos evidente. Agora sobrecarregado com dois prisioneiros, Knowles levou os dois homens em uma área remota, arborizada, na Pulaski County, Georgiae algemando-os a uma árvore antes de atirar em cada um deles na cabeça a curta distância. Pouco tempo depois, Knowles sofreu um acidente através de uma barreira policial, ele perdeu o controle do veículo e bateu em uma árvore. Ele escapou do veículo a pé e disparou contra os agentes perseguidores. A maratona caótica se seguiu com Knowles perseguido por cães e helicópteros. Ele foi finalmente encurralado por um civil armado com uma espingarda, que acompanhou Knowles até uma residência próxima, onde uma chamada para a polícia foi feita. A onda de crimes do maníaco Knowles tinha chegado ao fim.
Quando a polícia o capturou ele disse ser "O único membro bem-sucedido da família".
Uma vez na prisão, Knowles disse ser responsável por 35 assassinatos, mas apenas 18 foram confirmados.

Morte

Em 18 de dezembro de 1974, Earl Sheriff Lee e G.B.I. e o agente Ronnie Angel estavam levando ele para outra prisão, ele estava algemado no banco de trás. Seu destino era Henry County, Georgia, Não havia tela de segurança no carro, e Knowles tinha um clipe de papel escondido, ele usou para abrir suas algemas. (E a gente acha que isso só acontece em filmes, rs) Uma vez livre, Knowles pegou a arma de Lee, descarregando-a através do coldre no processo. Enquanto Lee estava lutando com Knowles e tentando manter o controle do veículo, Angel disparou três tiros no peito de Knowles, matando-o instantaneamente. Ronnie Angel se recusou a falar publicamente sobre o incidente.



                                    

sexta-feira, 15 de julho de 2011

Archibald Hall ou Roy Fontaine - “Um perfeito cavalheiro”


Archibald Thomson Hall


( Roy Fontaine, 17 de junho de 1924 - 16 Setembro 2002) foi um assassino em série britânico e ladrão. Nascido em Glasgow, na Escócia, ele se tornou conhecido como o assassino Butler ou o monstro Butler depois de cometer os crimes, enquanto trabalhava no serviço aos membros da aristocracia britânica. Até sua morte, ele foi a pessoa mais velha que passou uma condenação de vida inteira na prisão.

Crime desde o início:


Hall começou a furtar na idade de 15, e logo avançou para o roubo (uso de violência). Depois de perceber que ele era bissexual, ele se infiltrou na cena gay em Londres, onde ele se mudou com a força de seus lucros criminais. Ele serviu sua primeira sentença de prisão depois de tentar  vender na Escócia, jóias que havia roubado em Londres. Durante a sua extensão, ele aprendeu mais sobre etiqueta e da aristocracia e ao mesmo tempo melhorando seu sotaque escocês com aulas de dicção e estudando antiguidades.

Após a sua libertação, ele começou a usar o nome de Roy Fontaine - como uma homenagem a atriz Joan Fontaine, de quem era fã - e trabalhando como mordomo, ocasionalmente voltando para a prisão por penas incorridas depois de mais furtos de jóias. Ele se casou e divorciou-se durante este tempo.

De ladrão a assassino:


Em 1975, Hall foi libertado da prisão e voltou para a Escócia. Ele começou a trabalhar como mordomo de Margaret Hudson, uma viúva que vivia em Kirtleton House, Dumfriesshire. Hall, inicialmente, tinha idéias de roubar suas coisas de valor, mas ele nunca levou a sério, porque percebeu que gostava muito de seu emprego e empregadora.
Quando David Wright, um conhecido de seu passado na prisão e um ex-amante, também foi trabalhar na propriedade como um segurança, em 1977, os dois tiveram uma briga após Wright roubar algumas das jóias de Lady Hudson e Wright ameaçou contar a ela sobre o passado criminal de Hall, se ele o relatasse.
Hall levou Wright em uma caçada de coelhos em uma tentativa de enganar e vir a uma solução amigável. Uma vez fora dos campos, ele atirou em Wright e sepultou-o ao lado do córrego em Kirtleton House.


Hall decidiu deixar o emprego imediatamente - para decepção aparente de Lady Hudson - e voltou para Londres, onde ele planejava mais roubos e extorsão com o trabalho de mordomo para o Sr.Walter Scott-Elliot de 82 anos, e sua mulher Dorothy de 60 anos. Scott-Elliot, que tinha sido membro do Trabalho do Parlamento Europeu para Accrington, 1945-1950, era rico e um aristocrata escocês. O plano de Hall era roubar-lhes o dinheiro e se aposentar, mas no final ele matou os dois após a Sra. Scott-Elliot ver ele e um cúmplice em uma câmera , Michael Kitto, seu cúmplice e ele, estavam discutindo seus planos. Kitto imediatamente colocou um travesseiro sobre a boca dela e a sufocou.
Eles, então, drogaram o marido dela e levaram-nos para a Escócia, ajudados por uma prostituta local e conhecida, Mary Coggles. Dorothy foi enterrada em Braco, Perthshire, então eles estrangularam o marido (com um lenço) e bateram nele com uma pá e enterraram-no na floresta perto de Tomich, Invernesshire.


Sua próxima vítima foi Coggles, que passara a usar roupas caras e jóias de Dorothy chamando assim, muita atenção para si mesma. Depois que ela recusou-se a se livrar do casaco de pele, que era potencialmente prova incriminatória, Hall e Kitto a mataram com uma barra de corvo (instrumento usado para trocar pneus) e deixaram o corpo dela em um celeiro em Middlebie, Dumfriesshire, onde foi descoberto em 25 de dezembro de 1977, por um pastor.

A última vítima da dupla foi o meio-irmão de Hall, Donald, um pedófilo recém-saído da prisão a quem Hall odiava. Hall e Kitto encontraram-no na casa de férias de Hall em Cumbria, disseram a Donald que seu próximo roubo ia ser um difícil trabalho e enganaram-no convencendo-o a deixa-los praticar nele. Uma vez amarrado, Hall derrubou uma garrafa de clorofórmio para dentro sua garganta antes de afoga-lo em uma banheira (Eu achei foi pouco, pedófilo tem que morrer mesmo, na minha opinião). A tentativa de se livrar do corpo levou a queda de Hall e Kitto.

Prisão:


Hall e Kitto colocaram o corpo no porta-malas do carro e dirigiram novamente para a Escócia para realizar outro "enterro". No entanto, o tempo frio fez a condução perigosa, e assim, chegando a North Berwick em East Lothian, eles decidiram parar em um hotel durante a noite a fim de diminuir suas chances de estar em um acidente.

No entanto, os movimentos de Hall e Kitto fizeram o hoteleiro suspeitar deles e, preocupado se ele seria ou não pago por sua estadia, ele chamou a polícia como uma precaução. Quando eles chegaram, eles revistaram o automóvel de Hall e encontraram o cadáver.

Kitto foi preso, mas escapou através de uma janela no lavatório. Ele foi capturado em uma barreira policial na Haddington.
A polícia rastreou o carro que estava no nome de Scott-Elliot, em Londres, e encontrou o apartamento roubado e sujo de sangue. Perceberam que o crime estava ligado com o assassinato de Coggles, cujo corpo já havia sido encontrado. A polícia tinha evidências de que três homens e uma mulher tinham ficado em um hotel escocês por uma noite, mas na noite seguinte, apenas dois homens - Hall e Kitto - retornaram.

Hall tentou e não conseguiu cometer suicídio enquanto estava sob custódia, antes de revelar o paradeiro das três vítimas enterradas. Na neve profunda, com a observação da mídia, as equipes da polícia desenterraram os corpos de David Wright, Walter e Dorothy Scott-Elliot. Eles acusaram Hall e Kitto de cinco assassinatos.

Prisão e morte:


Hall foi condenado em tribunais de Londres e Edimburgo por quatro assassinatos - e condenado à prisão perpétua. Na Escócia, foi recomendado um mínimo de 15 anos na Inglaterra, o juiz proferiu também uma recomendação que ele nunca fosse solto.
Kitto foi condenado a prisão perpétua por três assassinatos, sem o mínimo recomendado, na Escócia, e um mínimo de 15 anos na Inglaterra. A polícia disse a Kitto, que de uma forma pervertida, teve a sorte de ir a julgamento, porque Hall estava planejando matá-lo também.


Hall fez inúmeras tentativas de suicídio que foram todas sem sucesso.
Hall publicou sua autobiografia, “Um perfeito cavalheiro”, em 1999. Ele morreu de um derrame em Kingston Prison, Portsmouth, em 2002 com a idade de 78. Até esta data, ele foi um dos mais antigos de mais de 70.000 prisioneiros em prisões britânicas, e mais antigo por servir uma pena de vida inteira.

Em 2005, o ator britânico Malcolm McDowell e roteirista de Hollywood Peter Bellwood anunciou que eles estavam procurando um diretor e financiamento para um filme baseado na vida de Hall. Em 2011, Malcolm McDowell afirmou que o filme estava sendo feito e seria nomeado "Monster Butler".




               

Juan Corona - The Machete Murderer


Juan Vallejo Corona (nascido em 1934) é um Serial Killer de origem mexicana nos Estados Unidos.
Ele foi condenado pelos assassinatos de 25 trabalhadores itinerantes em 1971, os homens foram encontrados enterrados em covas rasas em pomares de fazendas de frutas no Condado de Sutter, Califórnia, ao longo do norte do rio de Yuba City, onde faziam temporadas de colheita e raleio de empregos.
Naquela época, esses crimes hediondos representavam os piores e mais conhecidos
assassinatos na história dos EUA. 
Corona foi condenado em 1973 a prisão perpétua. 

Início da vida:

Nascido em Autlán, Jalisco, Corona entrou pela primeira vez nos Estados Unidos em 1950, cruzando a fronteira ilegalmente para a Califórnia. Com 16 anos de idade colhia cenouras e melões no Vale Imperial durante três meses antes de se mudar para o norte no Vale do Sacramento. Seu meio-irmão, Natividad Corona (23 de maio de 1923, 1973), haviam migrado para o estado em 1944 para trabalhar, e se estabeleceram em Marysville, do outro lado do rio de Yuba City.

Corona estava sofrendo de um episódio de esquizofrenia. Em 17 de janeiro de 1956, o pai de Nativi o levou ao DeWitt Hospital Estadual em Auburn, Califórnia, onde ele foi diagnosticado com "reação esquizofrênica, tipo paranóico." Ele recebeu 23 tratamentos de choque, (Os médicos eram mais loucos que ele por achar que tratamento de choque da algum resultado a não ser um pior do que já estava) antes de ser pronunciado recuperado e liberado somente três meses depois.

Depois, Corona foi deportado de volta para o México. Corona, em seguida, retornou para os EUA legalmente, com um green card. Neste momento, ele parou de beber. Além dos episódios de esquizofrenia e temperamento violento, Corona foi considerado como um trabalhador. Em 1962, tornou-se um contratante do trabalho licenciado. Ele foi responsável pela contratação de trabalhadores para o pessoal das fazendas de frutas locais.

Corona se considerava um “machão” e tinha problemas de raiva com homens gays. (me lembrei do Bolsonaro e do Feliciano kkkk) 
Ele é mencionado no post de "Dean Corll - O homem dos doces"

Seu meio-irmão, Natividad, era gay, dono do Café Guadalajara em Marysville. Cedo na manhã de 25 de fevereiro de 1970, um jovem chamado José Romero Raya foi brutalmente agredido com um facão no banheiro do café. Ele foi descoberto por clientes às 01:00 a.m, cortado na cabeça e no rosto, e Natividad chamou a polícia. Raya ajuizou ação contra Natividad, ganhando um julgamento de $ 250.000, o que levou Natividad a vender o seu negócio e voltar para o México ao invés vez de pagar.
Em março de 1970, Corona foi novamente até DeWitt Hospital Estadual para  tratamento. 

Vítimas descobertas:

Em 19 de maio de 1971, um fazendeiro japonês americano chamado Goro Kagehiro estava excursionando seu pomar de pêssego perto de Yuba City, quando viu um buraco escavado recentemente cerca de sete metros de comprimento e três metros e meio de profundidade. Voltando naquela noite, ele encontrou o buraco preenchido. Acreditando que alguém havia enterrado lixo em sua propriedade, Kagehiro chamou a polícia. Na manhã do dia 20 de maio, vários policiais responderam ao chamado e começaram a cavar. Em vez de achar lixo, encontraram o cadáver fresco de uma homem branco americano, com 40 anos, chamado Kenneth Whitacre. Whitacre, que era um vagabundo, tinha sido sodomizado e depois esfaqueados até à morte. Sua cabeça foi cortada e aberta com um facão. Pornografia gay foi encontrada no bolso de trás das calças do cadáver.

Quatro dias depois, os trabalhadores da fazenda de frutas nas proximidades de Jack Sullivan relataram a descoberta de uma área de baixo relevo do solo. Este local continha o corpo de um andarilho de 67 anos de idade, Charles Fleming. Antes de detetives de homicídio conseguirem identificar Charles, outro túmulo foi descoberto, e depois outro. As vítimas foram descobertas em uma taxa surpreendente. Todos eles eram brancos, com exceção de dois. Eram homens que aparentemente ninguém sentiria falta. - De meia-idade ou idosos, alcoólatras e vagabundos.

Todas as vítimas tinham sido esfaqueadas e mutiladas cruelmente sobre a cabeça com um facão. Um homem foi baleado. Todos eles tinham uma perfuração profunda no peito seguido por duas facadas em toda a parte de trás da cabeça em forma de cruz. Eles foram enterrados com os braços esticados acima da cabeça e a camisa sobre o rosto. Alguns tinham as calças puxadas para baixo.

Os assassinatos ocorreram durante um período de seis semanas, uma média de um assassinato a cada 40 horas. Os documentos foram encontrados em alguns dos túmulos, que apontaram o nome de Juan Corona. 

Provas

Juan Corona escolhia os trabalhadores para as fazendas onde as vítimas foram descobertas. Ele abrigava um monte de homens que trabalhavam para ele em um barracão na fazenda Sullivan, onde a maioria das vítimas foram descobertas.
Em um túmulo, os deputados encontraram duas receitas de carne com a assinatura da Corona. Em outros dois túmulos, havia dois extratos de Banco amassados de depósito América o impresso continha o nome e endereço da Corona. Esta evidência circunstancial deu um novo impulso ao processo.





Mais tarde, testemunhas disseram à polícia que algumas das vítimas tinham sido vistas pela última vez montando no caminhão coletor de Corona.
Na madrugada de 26 de maio de 1971, aconteceu um estouro da polícia na casa de Corona em Yuba City com um mandado de busca e prenderam-no. Contundentes evidências de sua culpa foram descobertas e apreendidas, como duas facas manchadas de sangue, um facão, uma pistola e roupas manchadas de sangue. Havia também uma lista de trabalhadores que continha 34 nomes e datas, incluindo sete das vítimas conhecidas. A lista passou a ser referida como uma "lista de morte" pela promotoria, que alegou que continha o registro das datas, em que os homens foram assassinados.


Procedimentos Legais:

Corona foi defendido pelo defensor público, Roy van den Heuvel,
que contratou muitos psiquiatras para realizar uma avaliação psicológica. 
Corona foi transferido para a cadeia do condado em
Marysville, em 30 de maio de 1971, por "razões de segurança."

Em 02 de junho, Corona foi devolvido ao Condado de Sutter para a acusação, que foi fechado à mídia e público. Um apelo de não culpado foi inscrito e uma data foi estabelecida para audiência preliminar de Corona.
Foi encerrada em 04 de junho, um total de 25 vítimas do sexo masculino
foram descobertas. Quatro deles foram identificados. Whiteaker disse acreditar que
ainda mais poderiam ter sido enterrados na região.

Em 14 de junho, Van den Heuvel, foi substituído por Ricardo Falcão, um advogado de defesa privada. Em troca de sua representação legal, foi feito um acordo de concessão de direitos exclusivos de propriedade literária e dramática a história da vida do réu, incluindo o processo contra ele. Pelo acordo, Corona renunciou ao privilégio de advogado-cliente. Pouco depois de assumir a defesa, e mesmo antes de ver o prontuário de Corona ou ler qualquer um dos relatórios, Falcão decidiu não alegar inocência por insanidade e despediu os psiquiatras.

Corona se queixou de dor no peito em sua cela em Yuba City, em 18 de junho, e foi levado para o hospital, onde foi diagnosticado com um leve ataque cardíaco. O júri retornou uma acusação de 25 assassinatos contra ele em 12 de julho. No início de agosto, Corona foi hospitalizado novamente depois de reclamar de dores no peito e dizendo que não tinha conseguido dormir por causa disso.
Corona velho

Julgamento:

Demorou mais de um ano após os assassinatos serem descobertos para o processo contra Corona chegarem a julgamento. A Suprema Corte da Califórnia anulou a pena de morte no estado em 18 de fevereiro de 1972, governando-a inconstitucional, cruel e incomum. Por conseguinte, não seria um caso de capital. Falcão conseguiu obter uma mudança de local do condado de Sutter, Solano County.
O julgamento começou em 11 de setembro de 1972, no tribunal em Fairfield, Califórnia, mais de uma hora de Yuba City. A seleção do júri levou várias semanas, e o julgamento em si mais três meses.
Corona


Embora Corona tenha negado culpa, ele não foi chamado para testemunhar em sua própria defesa e nenhuma testemunha de defesa foi chamada. O júri deliberou por 45 horas e retornou a um veredicto, em 18 de janeiro de 1973, julgando Corona culpado de assassinato em primeiro grau em todas as 25 acusações. O juiz, Richard Patton, condenou Corona a 25 penas de prisão perpétua, sem possibilidade de liberdade condicional. A Secretaria da Administração Penitenciária afirmou que Corona seria elegível para liberdade condicional em sete anos, citando a seção 669 do código penal, que determina que quando um crime é punido com prisão perpétua, com ou sem possibilidade de liberdade condicional, depois de todas as condenações de outros devem ser reunidos e executados simultaneamente.

Segundo Julgamento:

Em 18 de maio de 1978, a convicção de Corona foi derrubada por um tribunal de apelação que manteve uma petição por seu advogado de defesa, Terence Hallinan, alegando que sua equipe jurídica original tinha sido incompetente. Eles não tinham colocado a esquizofrenia a frente como um fator atenuante a defesa alegou insanidade. Um novo julgamento foi ordenado.

O segundo julgamento começou em 22 de fevereiro de 1982, em Hayward, Califórnia. A defesa de Corona postulou que o verdadeiro assassino dos trabalhadores da fazenda mais provável era Corona Natividad, um homossexual conhecido que foi acusado de atacar Romero Raya em seu café em Marysville, e depois de perder o processo arquivado Raya fugira de volta para seu México. Romero morreu oito anos antes, em Guadalajara.

Desta vez, mais de 50 testemunhas de defesa foram chamadas para o julgamento. Corona foi chamado em sua própria defesa. Ele respondeu apenas duas perguntas, através de um intérprete, tendo apenas dois minutos. "Você entende o Estado tê-lo acusou de matar 25 homens?" "Sim", respondeu Corona, quase inaudível. "Você tem algo a ver com a morte daqueles homens?" "Não", respondeu Corona.  Advogados de acusação solicitaram um breve recesso para reunir sua inteligência e preparar algumas das mais de 630 exposições para condena-lo. Mais tarde, questionaram Fahey Corona sobre várias vans e carros que ele usou na fazenda onde ele trabalhava e onde morava, em que algumas armas foram encontradas.

O julgamento durou sete meses. Corona foi novamente condenado por crimes em 23 de setembro de 1982, e voltou para a prisão depois que a estratégia não conseguiu convencer o júri, que deliberou por 54 horas durante um período de duas semanas, de sua inocência. Depois, o capataz da fazenda disse à imprensa que a peça mais incriminadoras de provas contra Corona era seu livro de trabalho, para o qual o contratante do trabalho não tinha "nenhuma explicação razoável."  Ele disse que o júri rejeitou o argumento de defesa que Natividad havia cometido os assassinatos .
"Ele não estava em Marysville o suficiente para ter cometido a maior parte dos assassinatos", disse ele.
Juan Corona foi transferido de CTF em Soledad para Corcoran Estado Prison, Corcoran, na Califórnia, em 1992, onde ele está cumprindo uma sentença de prisão perpétua na Unidade de Habitação de Segurança (SHU).



Não é pra enganar nem fazer maldade com as moças hein.