domingo, 23 de agosto de 2015

Robert Chambers - "Coroinha Playboy".


"Você foi o primeiro homem que conheço que foi violentado no Central Park."

Número de vítimas: 1
Data do assassinato: 26 de agosto de 1986
Data de nascimento: 25 setembro de 1966
Vítima: Jennifer Levin, 18 anos.
Método de assassinato: Estrangulamento
Localização: New York City, New York, EUA
Status: Declarou-se culpado de homicídio culposo. Condenado a 5 a 15 anos de prisão em 22 de março de 1988. Foi solto em 14 de fevereiro de 2003. Em 11 de agosto de 2008, se declara culpado de vender drogas. Condenado a 19 anos em 02 de setembro de 2008. 

Infância

Robert Chambers foi criado por sua mãe, Phyllis née Shanley, uma enfermeira que emigrou de County Leitrim na Irlanda para Nova York. Ele atuou como coroinha e participou de uma série de escolas preparatórias como bolsista, já que sua mãe não tinha dinheiro para pagar a matrícula da escola particular. Chambers não prosperou em um ambiente em que muitos de seus colegas de classe eram consideravelmente melhores do que ele, e teve problemas com notas baixas e comportamento anti-social, incluindo roubo e abuso de drogas. Entre as escolas que estudou estão: Escola de Saint David (New York City), Choate Rosemary-Hall, A Escola Browning e, finalmente Escola Preparatória Iorque . Chambers também pestudou em Wilbraham Junior High em Massachusetts durante o ensino médio.



Chambers foi aceito pela Universidade de Boston, onde completou um semestre, mas foi "convidado a se retirar" por causa de alguns eventos, um deles envolvendo um cartão de crédito roubado. Em seguida, ele cometeu outros pequenos furtos e assaltos em conexão com o seu abuso de drogas e álcool.

Incapaz de manter um emprego, ele recebeu uma intimação por conduta desordeira  certa noite após sair do bar Upper East Side bar Dorrian's Red Hand, localizado na 300 East 84th Street em Manhattan. Chambers destruiu a intimação da polícia e enquanto estava deixando a cena, gritou: "Malditos covardes, você devem ir atrás de negros!"

Mais tarde, ele entrou e recebeu alta da Clínica Hazelden, em Minnesota, um centro de tratamento de toxicodependência. Ele morava com a mãe em um apartamento na 11 East 90th Street.

A morte de Levin

A namorada de Chambers, Alex Kapp, rompeu publicamente com ele no bar "Mão Vermelha de Dorrian" (já citado em inglês), na noite da morte de Levin. Kapp foi ouvida por todos ao expressar ciúme em relação à presença de Jennifer Levin, amante secreta de Chambers, jogando um saco de preservativos para ele e gritando "Você pode pegar isso de volta, porque você não os está usando comigo!" e foi assim que ela terminou o relacionamento. Chambers, posteriormente, deixou o bar com Levin.

O cadáver seminu de Levin, mostrou marcas de estrangulamento, estava coberto de hematomas, marcas de mordida, e cortes, o corpo foi encontrado por um ciclista sob um olmo (tipo de árvore) em uma colina gramada perto da Quinta Avenida e Rua 83, atrás do Museu Metropolitano de Arte. Seu sutiã e camisa foram empurrados até o pescoço, e sua saia estava em torno de sua cintura. O médico legista disse que Levin morreu de "asfixia por estrangulamento", e oficiais da polícia haviam dito que havia inúmeros hematomas no pescoço dela, ambos do estrangulamento e de suas próprias unhas enquanto ela agarrou as mãos de seu assassino e tentou remove-las. Mais tarde, Chambers assistiu de perto os policiais investigando a cena. Os investigadores tinham encontrado a calcinha da Levin cerca de 46m de distância.


A prisão

A polícia ouviu o nome de Chambers de clientes do bar, que o tinham visto saindo com Levin. Quando as autoridades chegaram a interrogá-lo em sua casa, ele tinha arranhões recentes no rosto e nos braços, que ele inicialmente disse que eram "arranhões de gato". Ele foi, então, levado para interrogatório.



Chambers mudou sua história várias vezes: "'seu gato tinha as unhas cortadas"; ele "se separar de Levin imediatamente após sair do bar"; "ele se separar dela para comprar cigarros". (Foi descoberto mais tarde que Levin não fumava.) Na versão final de sua confissão, ele alegou que algum tempo depois que ele e Levin haviam deixado o bar, ela lhe pediu por "sexo violento", amarrou as mãos Chambers com a calcinha, e feriu seus órgãos genitais com a forma como estimulou-o, e que ela havia sido morta acidentalmente quando ele libertou as mãos e a empurrou para longe dele.



Confrontado com esta explicação, a examinar a assistente da promotoria Saracco disse: "Você foi o primeiro homem que conheço que foi violentado no Central Park."

Antes da sentença, Chambers foi autorizado a ver seu pai, a quem ele disse: "Que puta, por que ela não me deixa em paz?"




Julgamento e mídia


Os meios de comunicação haviam o apelidado "The Preppie Murder" (Assassino Playboyzinho). Algumas das fontes de mídia de Nova York haviam relatado oo crime em aspectos chocantes, por exemplo, o New York Daily News escreveu: "Como Jennifer cortejou a morte" e "Jogo sexual ficou brutal". A reputação de Levin foi atacada, enquanto Chambers foi retratado como um Kennedy,"coroinha playboy" com um "futuro promissor".


O arcebispo Theodore Edgar McCarrick de Newark, New Jersey, mais tarde arcebispo de Washington, escreveu uma carta de apoio ao pedido de fiança de Chambers. Ele havia conhecido Chambers e sua mãe porque Phyllis Chambers tinha sido empregada como uma enfermeira pelo cardeal Terence Cooke. McCarrick, era próximo da família Chambers e foi padrinho de Robert em seu batismo.


(foto:Local do crime)

Chambers teve fiança garantida através de sua família e do proprietário do bar, Jack Dorrian.
Sendo assim, ele permaneceu em liberdade sob fiança durante os dois anos de seu julgamento.

(foto: O Bar)


A defesa procurou retratar Levin como uma mulher promíscua que manteve um "diário sexual"; no entanto, nenhum tal diário existia. Levin, em vez disso, manteve um pequeno caderno que continha os nomes e números de telefone dos seus amigos e notações de compromissos comuns. Tais táticas foram recebidas com indignação pública, com os manifestantes (alguns chamar-se "Justiça para Jennifer") demonstrando fora do tribunal.

Jennifer Levin tinha acabado de se formar na escola Baldwin High School, em Nova York e iria fazer faculdade na Chamberlayne College, em Boston. Chambers chegou a descrever
Levin como a "garota mais bonita do mundo."


Com o júri num impasse durante nove dias, foi feito um acordo em que Chambers se declarou culpado do menor crime de homicídio em primeiro grau (um crime de classe B), e de uma acusação de roubo (um crime de Classe C) para seus roubos em 1986. Ele foi condenado a servir de 5 a 15 anos.

Resultado

Em abril de 1988, o programa de televisão, de tabloide, "A Current Affair" transmitido um vídeo caseiro mostrando Chambers em uma festa quando ele estava em liberdade sob fiança. Ele foi mostrado no vídeo com quatro meninas vestidas de lingerie, sufocando-se com as mãos enquanto fazia barulhos de engasgos altos, e torcendo a cabeça de uma boneca Barbie, dizendo em falsete: "Meu nome é ... Oops eu acho que eu matei ela!. "



Chambers serviu maior parte de sua sentença de 15 anos em Auburn State Prison, mas foi mais tarde transferido para Clinton Correctional Facility, devido às suas infrações. Ele agrediu um agente penitenciário e foi citado repetidamente por portar armas brancas e drogas, o que resultou em acusações criminais adicionais. Ellen Levin, mãe de Jennifer Levin, também foi invocada perante o conselho de liberdade condicional de New York para negar-lhe a liberdade condicional. Quase cinco anos de seu mandato foram servidos em confinamento solitário.

Phyllis Chambers, a mãe de Robert, à esquerda com Robert em 1988, tinha sido uma enfermeira na Irlanda, mas se mudou para Nova York, onde ela se tornou uma cuidadora para famílias ricas de Nova York. Phyllis esperava que Robert se tornasse um empresário bem sucedido. No entanto, suas expulsões de uma série de escolas preparatórias e admissão ao centro de tratamento para abuso de substâncias Hazeldon minou suas aspirações.
(Mark Lennihan / AP Photo)

Chambers foi libertado da prisão de Auburn em 14 de Fevereiro de 2003, após ter cumprido a totalidade de sua pena, devido a suas numerosas infrações. Sua soltura foi um circo da mídia, eles chegaram em frente à prisão tão cedo 13 horas antes de seu tempo de liberação 07h30.





Chambers saindo da prisão.


Ellen Levin, com um retrato de sua filha Jennifer, esteve presente em cada dia do julgamento, de janeiro a março de 1988. Levin incansavelmente lutou contra a acusação, e contra a mídia de Nova York, qie retratavam sua filha como uma menina promíscua que "colheu o que plantou".

Quando a tática da acusação de "culpar a vítima" finalmente se desfez a barganha aceita por Chambers, Ellen dedicou sua vida a argumentar contra esta tática em casos criminais. Ela tem trabalhado para mudar as leis que enfatizam o direito de criminosos e tem usado sua experiência para ajudar a aconselhar os outros pais que perderam filhos por assassinatos.
(© 2007 by Daily News LP)

No mesmo dia, um documentário foi exibido em Dateline, entrevistando Chambers. Chambers, continuou a afirmar que ele estrangulou a vítima Jennifer Levin acidentalmente em uma tentativa desesperada para impedi-la de machucá-lo durante o sexo forte, no Central Park de Nova York. Ele também negou que tivesse tido problemas disciplinares na prisão. No entanto, ele teve inúmeras infrações, inclusive agredir um membro da equipe e foi pego com heroína em sua cela.

Foto tirada em 2002 (Daily News LP)

Depois de sair da prisão, Chambers se estabeleceu em Dalton, Georgia com sua namorada, Shawn Kovell, que tinha aparecido no vídeo infame, em que ele "brinca" com uma boneca Barbie, feito antes de sua sentença. Os dois viveram lá por oito a nove meses. Ele encontrou um emprego na fábrica de corantes Pentafab. Chambers e Kovell mudaram-se para um apartamento, deixado pela mãe de Kovell, em Manhattan na rua 57th do leste de Sutton Place, em Nova York, a mãe de Kovell faleceu no Outono de 2003. Chambers encontrou um emprego em uma empresa de limousine no Queens, e mais tarde para um fabricante de troféus de esportes em New Jersey.

Robert Chambers, e sua namorada Shawn Kovell se declararam inocentes para a acusação de venda de drogas e acusações de porte de armas em uma audiência de acusação, 25 de outubro de 2007. Chambers, como mostrado à esquerda em seu caminho para a audição da acusação, disse nada mais do que "não culpado". Seu advogado, Valerie Van Leer Greenberg, se recusou a comentar
após a audiência no tribunal.
(ABC)


Porte de drogas


Pouco antes do dia de Ação de Graças de 2004, Chambers foi parado em seu Saab por dirigir com a carteira de motorista suspensa em Manhattan na Rua 139. Foram encontrados envelopes contendo drogas no carro de Chambers. Chambers foi acusado em 29 de novembro de 2004, com a posse de heroína e cocaína, e por dirigir com a carteira suspensa, e, também, dirigindo um carro sem um selo de vistoria válido.

Chambers declarou-se culpado em julho de 2005, e em 29 de agosto, ele foi condenado a uma sentença reduzida de 90 dias de prisão e multa de US $ 200.
O promotor divulgou fotos encontradas no apartamento do casal. Uma mostra Robert Chambers segurando um saco de cocaína. Os sinais de abuso de drogas eram evidentes no desgrenhado apartamento de Manhattan, incluindo um almofariz e pilão usado para moer a cocaína, e resíduo em pó, de acordo com
o Daily News. (ABC)
Outra mostra Shawn Kovell, olhando para Chambers. Kovell foi presa junto com ele. (ABC)


Em 22 de outubro de 2007 Chambers foi preso novamente, desta vez em seu próprio apartamento, e acusado de três acusações de venda criminosa de substância controlada em primeiro grau, três acusações de venda criminosa de substância controlada no segundo grau e uma por resistir à prisão. Kovell também foi presa sob acusação de venda criminosa de substância controlada em segundo grau. O New York Daily News informou:

Policiais disseram que Chambers, 41, lutou com os oficiais que tentaram algemá-lo sobre as acusações criminais. Um detetive teve um polegar quebrado na briga.



Comentando sobre sua nova prisão, a ex-assistente da promotoria Linda Fairstein, que tinha processado Chambers pelo assassinato de Levin, disse:

"Isso não me surpreende. Eu sempre acreditei que seu problema com drogas e álcool iriam colocá-lo em apuros novamente. Ele teve a oportunidade de desintoxicação e de fazer cursos universitários, para endireitar a sua vida, mas isso claramente não é de interesse dele. Ele não aprendeu nada nos últimos 20 anos."



Chambers e Kovell foram acusados por tráfico de drogas. A defesa alegou que Chambers havia se tornado um viciado com a idade de 14 e usava em torno de 10 a 12 sacos de heroína por dia. Também foi relatado que ele também fumava maconha e tomava medicamentos prescritos. Chambers havia planejado alegar insanidade. A promotoria argumentou que Chambers era um traficante de drogas e tinha vendido $ 2.800 em heroína em um momento de paisana da polícia. Chambers enfrentaria prisão perpétua pelas acusações de drogas.

Em 11 de agosto de 2008, o gabinete do Manhattan DA anunciou que Chambers tinha se declarado culpado de vender drogas. Em 2 de setembro de 2008, ele foi condenado a 19 anos de prisão




Parte 1 do filme baseado na história de Chambers. (Sandra Bullock está no elenco)


Retirado, traduzido e adaptado de http://murderpedia.org/male.C/c/chambers-robert.htm
501 Crimes mais notórios.

terça-feira, 18 de agosto de 2015

Presente da Editora DARKSIDE BOOKS

Nossos sinceros agradecimentos à Editora DarkSide Books​ por presentear o Blog e a Pagina "Psicopatas Notórios" com estes maravilhosos presentes!!! Nós admiramos vocês! 

- Livro: "Social Killers.com - Amigos Virtuais. Assassinos Reais"
- Chaveiro e mini canivete com o logo da Darkside




Curtam a pagina no face: Psicopatas Notórios



#SemMedoDeLer #Darkside #Livro #SocialKillers #Blog #Pasdemasque #Psicopatas #Notórios #Presente


quinta-feira, 13 de agosto de 2015

Pamela Smart "Não sou uma criatura fria, cruel."

O primeiro julgamento a ser exibido ao vivo na tv para todo o país.

Pamela Smart e seu marido, Gregg, no dia do casamento.

O Crime: Pamela Ann Smart (nascida em Wojas) se envolveu com um rapaz de 15 anos que acabou matando o marido de Pamela. Nascida em 16 de agosto de 1967 em Coral Gables, Flórida, a loira e linda Pamela se casou com Gregg Smart, (nascido em 4 de setembro de 1965) em 7 de maio de 1989, e menos de um ano depois ele estava morto aos 24 anos de idade. 
Smart, convenceu o amante, Billy Flynn, e seus três amigos a matar Gregg, alegando que ele era um marido abusivo. Ela havia seduzido o menino depois de conhecê-lo no Projeto Autoestima no Winnacunnet High School em Hampton, New Hampshire.

foto recente de Pamela.


Às 20;30h de 1º de maio de 1990 Gregg levou um tiro na cabeça em sua casa depois de a esposa ter deixado aberta a porta da adega para permitir a entrada dos assassinos. Enquanto Pete Randall segurava uma faca contra seu pescoço, Gregg implorava pela vida. Depois de pedir perdão a Deus, Flynn atirou, e os rapazes fugiram em um carro dirigido por Vance Lattime. Smart chegou em casa às 22:00h em seu Honda CRX prata 1987 e entrou para encontrar o corpo do marido. Ela correu às casas vizinhas para pedir ajuda gritando: Meu marido está ferido! Ele está caído. Não sei o que aconteceu com ele!" 

Os vizinhos chamaram a policia, que encontrou o corpo. Smart foi presa às 13h05 de 1º de agosto de 1990. O policial que efetuou a prisão, detetive Daniel Pelletier, disse: "Tenho notícias boas e má. A boa é que resolvemos o caso do assassinato de seu marido. A má é que você está presa".


Smart foi condenada em 22 de março de 1991 por cumplicidade em homicídio doloso, conspiração para cometer homicídio e intimidação de testemunha, principalmente com relação ao testemunho de Flynn e conversas gravadas em sigilo que contradiziam suas declarações.
Ela foi sentenciada a prisão perpétua sem possibilidade de condicional, Smart alegava, e ainda alega, que não tinha nada a ver com o assassinato de Gregg, e que foi ideia de Flynn, porque ela queria encerrar o relacionamento. 

O adolescente Flynn no julgamento.

"Passei dez anos na prisão por um crime no qual não tive nenhum envolvimento. Fui terrivelmente punida por ter tido um envolvimento. A sentença que me impuseram foi, na verdade, uma pena de morte". 

Pamela e Flynn

Flynn pedindo por condicional. Ele conseguiu após cumprir 25 anos de cadeia.

Em outubro de 1996 na Hills Correction Facility for Women em Nova Iorque, Smart foi espancada tão severamente pelas detentas Mona Graves e Ghania Miller que sofreu um fratura na cavidade ocular esquerda, e teve de receber implante de uma placa de metal do lado esquerdo do rosto. Ela perdeu a sensibilidade na região. O ataque não a impediu de posar para fotos atrevidas, que foram publicadas no National Enquirier em 2003, um ato que a levou ao confinamento na solitária.



Em uma entrevista em 2000 ela disse: "Sou muito diferente do que a mídia me faz parecer. Não sou uma pessoa fria, cruel". 

Flynn foi sentenciado a 28 anos por homicídio. Se casou ainda na prisão.

Pamela Smart disse aos assassinos do marido que levassem o cachorro Shih-tsu do marido ao porão, de forma que ele não ficasse traumatizado, e ordenou que eles usassem uma arma de fogo, porque uma faca faria muita sujeira e poderia sujar o sofá de couro branco.





Dizem por ai que este filme foi baseado na história.



Este é de fato baseado na história.








Este documentário super premiado diz que este foi o primeiro julgamento a ser exibido ao vivo para todo o país na tv.




terça-feira, 14 de julho de 2015

Thelma Todd - Lucky Luciano



Thelma Todd


O CRIME:

A loira Thelma Todd ganhou o concurso de beleza de Miss Massachusetts em 1925, o que a levou a ser convidada a ir para Hollywood, onde fez sua estreia no cinema em "Fascinating Youth" no ano de 1926. Com isso ela iniciou uma carreira de atriz de grande sucesso, atuando como coadjuvante em praticamente todos os filmes de comédia. 
Em 1934, depois de divorciar-se, abriu o Thelma Todd's Sidewalk Cafe, no número 17575 da Pacific Coast Highway, ao norte de Santa Monica, com o produtor de cinema Roland West. Naquele ano Thelma envolveu-se em um caso com o gângster "Lucky" Luciano (Postarei o caso dele em breve), que "deu uma mãozinha" para que ela se tornasse viciada em pílulas de emagrecer. Luciano começou a pressionar Thelma para que o deixasse usar um cômodo do Sidewalk Cafe como casa de apostas, mas ela não cedeu.


No dia 14 de dezembro de 1935, Thelma foi a uma festa no Cafe Trocadero em Hollywood. Quando estava saindo, às 2h45 da manhã, um garçom lhe disse que havia um homem esperando para vê-la. Tratava-se de um assistente de Lucky Luciano, e Thelma rejeitou seu "convite".
Ela foi levada para o Sidewalk Cafe por seu chofer, Ernest Peters, tendo chegado ao seu destino às 3h30 da manhã. Outro carro estacionou e Thelma entrou nele, sentando-se ao lado de Luciano. Às 10h30 da manhã de 16 de dezembro o corpo de Thelma foi encontrado pela sua governanta, Mary Whitehead, curvado no banco da frente do seu Packard conversível na garagem, com as portas deslizantes levemente abertas. De acordo com o Dr. A. F. Wagner, médico-legista do Condado de Los Angeles, Thelma morreu de envenenamento por monóxido de carbono.

O legista emitiu um laudo de suicídio, que foi rejeitado, tendo sido convocada uma audiência com um grande júri. O representante dos jurados, George Rochester, disse: "Eu e outros membros do júri acreditamos que há uma trama para provar que Thelma Todd tinha tendencias suicidas, mesmo ela sendo jovem, saudável, famosa. admirada, amada e tendo boas perspectivas. Parece que estão tentando montar esse caso como suicídio, mas, analisando as provas, não encontrei nada que pudesse comprovar essa teoria. Acredito que haja uma grande possibilidade de este ter sido um assassinato com monóxido!"

Onde: 
Posetano Road, 17531, Pacific Palisades, Califórnia, Estados Unidos.

Quando:
10h30, segunda-feira, 16 de dezembro de 1935.

As consequências:
Em 21 de dezembro de 1935, o Departamento de Polícia de Los Angeles abandonou oficialmente a investigação da morte de Thelma. Eles concordaram com o laudo do médico-legista do condado e com sua suposição de que a atriz morreu "aparentemente por acidente". É provável que depois que Luciano a deixou no Cafe, dois homens a tenham agarrado e colocado-a em seu carro, ligado a ignição e fechado a porta da garagem.


Videos:







Lucky Luciano

O fundador da máfia nos Estados Unidos nasceu Salvatore Lucania em Lercara Friddi, Sicília, no dia 11 de novembro de 1897. A família chegou à América em 1906, e, dez anos depois, em junho de 1916. 
Luciano foi sentenciado a um ano de prisão por tráfico de ópio. Ao ser solto, ele juntou-se à gangue de Giuseppe "Joe the Boss" Masseria. Durante um conflito entre a máfia de Masseria e uma gangue rival, liderada por Salvatore Maranzano, Luciano foi atacado com uma picareta de gelo, tendo a garganta cortada e sido abandonado como morto na praia de Staten Island. Milagrosamente, Luciano sobreviveu e recebeu o apelido de "Lucky". 

Em 15 de abril de 1931, Luciano acompanhou Masseria a um almoço em Coney Island. Ele pediu licença para ir ao banheiro e, enquanto estava ausente, Masseria foi morto a tiros por um grupo de quatro homens - Joe Adonis, Buggy Siegel, Albert Anastasia e Vito Genovese (Qualquer hora posto sobre eles). Luciano recompensou a lealdade de Anastasia tornando-o o chefe do departamento de coerção da Murder Inc. Depois, tomou conhecimento de que o Capo dei Capi Salvatore Maranzano queria ele, Al Capone e Genovese mortos. 

Luciano foi mais rápido, e no dia 10 de setembro de 1931 Maranzano foi morto a tiros e facadas em seu escritório de Manhattan. Luciano dividiu a cidade em áreas separadas, cada uma controlada por uma família diferente, mas todas respondiam a ele.

Em 1936, Luciano foi condenado a 30-50 anos de prisão por administrar negócios de prostituição. Durante a Segunda Guerra Mundial, enquanto encarcerado, ajudou as autoridades, embora isso tenha sido negado por motivos políticos. Ele saiu da prisão em liberdade condicional depois que a guerra acabou, mas, como condição para isso, Luciano - que nunca se tornou cidadão americano - foi deportado para a Itália no dia 10 de fevereiro de 1946 a bordo do Liberty Ship Laura Keane.

Em fevereiro de 1947, ele fugiu para Havana, onde encontrou antigos camaradas, incluindo Meyer Lansky, Frank Costello e Bugsy Siegel. Luciano e Siegel entraram em conflito pelo envolvimento do último com Las Vegas, e Luciano ordenou seu assassinato quatro meses depois. 
Ao tomar conhecimento da presença de Luciano em Havana, o ditador cubano Fulgencio Batista deportou-o para a Itália, onde ele foi proibido de deixar Nápoles.

As consequências:
Luciano passou sua aposentadoria compulsória lendo jornais e fazendo longas caminhadas. Ele começou a dar entrevistas a jornalistas e considerou a possibilidade de escrever sua autobiografia.
Certa vez, disse: "Qualquer coisa que eu tenha feito na minha vida, senti que tinha razão para fazer. Nunca prejudiquei ninguém na vida, se as pessoas me prejudicam eu as prejudico também, isso não é prejudicar". 

No dia 26 de janeiro de 1962, ele viajou para o aeroporto de Capodichino a fim de conhecer um produtor de Hollywood que tinha uma ideia para um filme sobre a sua vida. Quando caminhava em direção ao produtor para cumprimentá-lo, Luciano teve um ataque cardíaco e morreu instantaneamente. 




FONTES:

- Retirado e adaptado do livro "501 Crimes mais notórios".

_____________________________________________________________________________

Agradecemos as doações. Precisamos delas para manter o blog na ativa. 
Voltamos com tudo graças à vocês. Fãs da página. Continuem doando.

O doador do mês será agradecido na página do FACEBOOK. 
Caso permita, postaremos a foto escolhida pelo ganhador em um álbum que criaremos.


domingo, 4 de agosto de 2013

O assassinato de Laurie Show


Laurie Show


O assassinato de Laurie Show ocorreu em 21 de dezembro de 1991. Show, 16 anos, foi uma estudante na Conestoga Valley High School. O corpo de Show foi descoberto em Lancaster, Pensilvânia, em sua casa, em 21 de dezembro de 1991 por sua mãe Hazel Show, com um corte na garganta.
Os colegas de sala dela, Lisa Michelle Lambert, Tabitha Buck, e Lawrence "Butch" Yunkin, foram acusados ​​de seu assassinato.

Perseguição e assassinato:


Lisa Lambert

Lambert começou inicialmente o assédio a Show, em 1991, depois de descobrir que ela teve um breve relacionamento com Yunkin durante o verão. Lambert e Yunkin tinham tido um relacionamento anterior um com o outro, mas não tinham alegadamente terminado durante o tempo em que Yunkin estava saindo com Show. Show e Yunkin tinha ido em alguns encontros, Show contou para sua mãe que tinha sido estuprada por Yunkin. Mas decidiu não prestar queixas com medo de irritar mais ainda a namorada dele, Lambert. Pouco depois de seu encontro final com Show, Yunkin retomou o namoro com Lambert, que estava grávida de seu filho. (Aliás, filha, a menina nasceu na cadeia e foi criada pelos pais de Lambert) Ela se tornou "obsessivamente ciumenta" e tinha ódio de Show, Lambert começou a assediar Show, em várias formas, como aparecendo no trabalho de Show e a agredindo verbalmente. Testemunhas relataram que Lambert havia manifestado a intenção de "assustar Laurie Show, então machucá-la, em seguida, cortar sua garganta ".

Lisa Michelle Lambert

Em 21 de dezembro de 1991, o corpo de Show foi descoberto em sua casa por sua mãe, com o corpo apresentando vários ferimentos. 



A polícia registrou mais tarde que Show tinha recebido "um corte de orelha a orelha na garganta, uma facada que perfurou um pulmão e outro que roçou sua espinha; vários ferimentos na cabeça, e uma série de feridas defensivas". Hazel Show não estava em casa, como ela tinha ido participar de uma reunião com um conselheiro da escola. 

Mãe de Laurie

Pai e Laurie


A mãe de Show relatou à polícia que sua filha mesmo gravemente ferida conseguiu dizer a ela "Foi a Michelle" antes de morrer.

Yunkin
A polícia prendeu Yunkin, Lambert e a amiga Tabitha Buck em uma pista de boliche local, mais tarde naquele dia, pelo assassinato de Show. Inicialmente os testemunhos dos três mostraram que Yunkin deixou Lambert e Buck na casa de Show, onde as duas meninas a mataram. Yunkin afirmou que ele não tinha participado no assassinato. Também afirmou que, ele estava sob a impressão de que Lambert e Buck estavam indo cortar o cabelo do Show com a faca como uma brincadeira, (superrrrr legal da parte dele né?) mas ele ajudou a fornecer um álibi e ajudou-as a se livrarem das provas. Este testemunho viria a mudar à medida que Lambert e Buck deram seus depoimentos iniciais, com Lambert afirmando que Yunkin era abusivo e tinha a encorajado a perseguir e atacar Show. 

Yunkin

Buck

Julgamentos de 1992:

Lambert, Buck, e Yunkin foram julgados pelo assassinato de Laurie Show. Yunkin concordou em testemunhar contra Lambert, afirmando que ela e Buck que cortaram a garganta de Show depois que elas haviam perfurado um dos pulmões dela. Um par de calças de moletom que Lambert tinha usado durante o crime foram apresentados, com os advogados afirmando que um pouco do sangue de Show estava presente neles; uma carta de Lambert para Yunkin também foi mostrada, nela Lambert declara: "Eu sei que não sou um anjo, mas [Lawrence S. Yunkin], eu nunca fiquei brava o suficiente para matar ". 

Lisa Lambert
Tabitha Buck

Vereditos:

Lambert foi condenado em 20 julho de 1992, para as acusações de assassinato em primeiro grau e conspiração criminosa na morte do Show. Buck também foi condenada por acusações semelhantes, ambas receberam a sentença de prisão perpétua sem liberdade condicional. Lambert foi inicialmente condenada à Cambridge Springs State Correctional Institution e Buck foi condenada à Muncy State Correctional Institution. 
Yunkin recebeu uma pena menor pelo seu depoimento e foi concedida a ele a liberdade condicional em 2003. 
Laurie Show

Buck, após o assassinato tinha um machucado (arranhão) na bochecha, indicando que Show tentou se defender. Quando a policia perguntou como aconteceu, Lambert disse que elas haviam entrado numa briga com alguns hispânicos.





Apelação de 1997:

Lambert recorreu da condenação de 1992 e em 1997, apareceu no tribunal para uma audiência dehabeas corpus federal. O Juiz Distrital dos EUA, Stewart Dalzell, presidiu o julgamento. 

Yunkin e Lambert

Os advogados de Lambert afirmaram que havia várias inconsistências com as provas e depoimento prestado no julgamento anterior e que Lambert era inocente. Lambert também alegou que ela havia sido enquadrado por policiais, a fim de impedi-la de avançar com as acusações de que eles a tinham estuprado. Evidências fornecidas no re-estudo incluíram o moletom mostrado na audição de 1992, bem como a correspondência entre Yunkin e Lambert. Dalzell anulou a condenação por homicídio, em 15 de abril de 1997, citando que "a conduta do Ministério Público" resultou em uma decisão incorreta. A decisão de Dalzell foi posteriormente anulada em janeiro 1998 por um painel de apelações federais que afirmaram que Lambert "ainda não havia esgotado seus recursos no tribunal estadual" e Lambert foi levada de volta para a prisão.

Lambert
Laurie Show



Apelação de 1998:

Após a decisão de Dalzell ter sido derrubada, o sistema de tribunal federal debateu sobre se deveria ou não manter Lambert na cadeia ou manter o veredicto de Dalzell. Lambert entrou com um recurso para uma audiência, mas foi negado. Em fevereiro de 1998, o Supremo Tribunal da Pensilvânia devolveu o caso ao sistema de Lancaster County Court, afirmando que Lambert "deve primeiro assumir suas reivindicações [lá]". O terceiro julgamento ocorreu em maio de 1998, com um apelo ao Tribunal Federal libertando temporariamente Lambert sob a crença de que ela iria ganhar o seu caso. O juiz Lawrence F. Stengel acompanhou o julgamento. Várias testemunhas foram chamadas a depor contra Lambert, incluindo o detetive que tinha supervisionado o caso do assassinato de 1991, bem como os cúmplices Buck e Yunkin. O detetive testemunhou contra as alegações de que as provas tinham sido adulteradas.

Yunkin
Lambert dessa vez testemunhou que Yunkin tinha participado nos assassinatos, sufocando Show. Ela também afirmou que ela tentou ajudar a vítima, a defender ela contra os outros dois cúmplices, e que ela tentou puxar a vítima para fora do apartamento. (aham, senta lá Michelle) 

Yunkin

Evidências de do julgamento de 1997  foram apresentadas novamente. A defesa argumentou que Lambert não tinha participado no ato, que Yunkin era o assassino, e que Lambert havia obedecido tudo Yunkin havia ordenado dela devido à sua gravidez. Um namorado anterior de Lambert confirmou que ele havia testemunhado Yunkin "puxando [Lambert] em uma sala", e que Yunkin começou a gritar com ela. Ele também testemunhou que ele tinha visto um policial correspondente a uma das descrições que Lambert deu de seus supostos estupradores ameaçando-a em um festival local. Advogados também forneceram correspondências entre Lambert e Yunkin que, segundo eles, provavam que Lambert não havia sido envolvida no assassinato e que Yunkin lhe pediu para mentir para ele. Eles também questionaram se ou não Show teria sido capaz de falar com sua mãe antes de sua morte, pois sua garganta tinha sido cortada, e alegaram que Show realmente tinha falado as iniciais de seus assassinos, Buck e Yunkin. 


Yunkin

Buck

Lambert

Buck negou estas alegações, atestando que Lambert tinha participado ativamente no assassinato e que ela tinha dito a Buck para "usar o cabelo amarrado e não usar maquiagem ou unha pintada". Yunkin mais tarde foi acusado de ser o dono das calças de moletom que tinham sido re-introduzidas no julgamento de 1997. Yunkin foi obrigado a segurar as calças de moletom contra o seu corpo, que se mostraram muito curtas para serem dele.Outra evidência e testemunho foi movido contra Lambert, um parente de Yunkin proporcionou um poema que Lambert havia escrito na prisão, que descreveu o assassinato. Especialistas da cena do crime também testemunharam que evidências de que Show escreveu todas as iniciais de quem a atacou em seu sangue foram encontradas e que outras evidências descobertas na cena do crime não corroboravam com a história de Lambert.

Laurie Show


Lisa M. Lambert
Tabitha Buck
Lawrence Yunkin

Em agosto de 1998 o juiz Stengel anunciou seu veredito, afirmando que ele iria defender o veredito original contra Lambert e que "mesmo se ele acreditasse na versão dela da história ... ela ainda seria culpada de assassinato em primeiro grau como cúmplice". A juiza federal Anita Brody mais tarde confirmou este veredito. Lambert tentou recorrer da decisão de 1998 em 2003 e para levar o caso à Suprema Corte dos Estados Unidos, mas foi rejeitada duas vezes. 


No primeiro julgamento, todos achavam que ela deveria pegar pena de morte, mas o Juiz não deu essa pena por ela ser jovem, não ter antecedentes criminais e porque de dentro da cadeia ela poderia contribuir para a vida da sua filhinha.

O filme "The Stalking of Laurie Show" também de título "Rivals" de 2000 é baseado na história, não consegui encontrar esse filme ainda. Gostaria de assistir. 



O documentário abaixo é muito, mas muito bom mesmo, só que não está legendado. 






Uma curiosidade: 

Eles (Lawrence e Lisa) foram colegas de trabalho de Charles Carl Roberts IV, o Atirador que matou crianças da comunidade Amish, vide post:

Página do blog no FACEBOOK