quinta-feira, 26 de julho de 2012

Joseph Mengele : MONSTRO que se refugiou no Brasil !!!!


Tenho especial afeto pelas vítimas da segunda guerra, já li, assisti, estudei muito sobre essa guerra e ainda me é tão inacreditável, parece até mentira, se eu expuser muito a minha opinião, perdoem-me. É que não pude conter a raiva que tenho desse monstro.

As crianças gostavam dele, ele trazia-lhes doces e até mesmo lhes dava carona para o lugar onde elas seriam exterminadas.

 Josef Mengele (Günzburg, 16 de março de 1911 — Bertioga, 7 de fevereiro de 1979) foi um médico alemão que se tornou conhecido por ter atuado durante o regime nazista. O apelido de Mengele era Beppo, mas ele era conhecido como Todesengel, "O Anjo da Morte", no campo de concentração.
Mengele foi oficial médico chefe da principal enfermaria do campo de Birkenau, que era parte do complexo Auschwitz-Birkenau. No entanto, não foi o oficial médico chefe de Auschwitz; acima na hierarquia encontravam-se os médicos Eduard Wirths e Hilario Hubrichzeinen . No fim da Segunda Guerra Josef Mengele fugiu da Alemanha passando por alguns países, incluindo o Brasil, onde morreu.
Um líder na visão biomédica nazista, ele teve sucesso em experiências com anomalias genéticas. Até mesmo superando Hitler nas maldades, depende do ponto de vista, talvez porque Mengele chegou a encarnar o arquétipo do mal absoluto, sendo que ele tão flagrantemente violou seu juramento profissional de honrar e preservar a vida.

Mengele chegou a Auschwitz em 30 de maio de 1943. Ele tinha 32 anos, de uma família católica, tinha sido entusiasta do nazismo. Na escola, sua especialidade era a antropologia física e genética, e ele foi totalmente comprometido a trazer a ciência até o serviço da empresa nazista. Na verdade, ele especificamente pediu para ser enviado para Auschwitz por causa das oportunidades como um lugar como esse poderia oferecer para a sua pesquisa.

Responsável pelas "seleções" do processo, ele aparecia para os prisioneiros vestido de forma muito elegante, e decidiria num relance o destino de cada pessoa. Se alguém começasse a dar problemas quanto a separar-se de um parente, ele poderia bater ou atirar em ambos. Ele parecia não ter consciência, e enviava pessoas com qualquer imperfeição (incluindo a altura imperfeita) direito à câmara de gás. No entanto, ele mantinha os gêmeos, quantos ele pudesse encontrar. Eles eram destinados aos seus laboratórios.




As experiências de Mengele
Em suas experiências com seres humanos em Auschwitz, ele injetou tinta azul em olhos de crianças, uniu as veias de gêmeos, deixou pessoas em tanques de água gelada para testar suas resistências, amputou membros de prisioneiros e coletou milhares de órgãos em seu laboratório. Chegou a costurar gatos na barriga de mulheres grávidas, após remover o feto.

Mengele gostava de sua posição de poder e estava completamente em casa com suas tarefas. Defender o ideal nazista de purificação racial era a sua motivação. No entanto, não se sabia bem o que esperar. Mesmo quando ele separou famílias e matou com impunidade, ele podia assumir o papel de médico preocupado e caprichosamente permitir que algumas pessoas vivessem. O poder da vida e da morte nele residia.
Em seu desejo de melhorar a eficiência do campo como uma máquina de matar, ele ensinou outros médicos como dar injeções de fenol para uma longa fila de prisioneiros e rapidamente terminar suas vidas. Ele também filmou as pessoas, e atirou bebes vivos no crematório. Ao longo de tudo isso, ele manteve uma atitude, individual e eficiente e via a si mesmo como um cientista estritamente.

A grande paixão de Mengele foi sua pesquisa sobre gêmeos. Eles foram pesados, medidos, e comparados em todos os sentidos. O sangue foi retirado sem parar e eles foram questionados sobre suas histórias de família. Alguns ele mataria para exames patológicos, dissecando um pouco e mantendo algumas partes preservadas. Outros ele operava sem anestesia, removendo membros ou órgãos sexuais. Ele até fez algumas operações de mudança de sexo. Se um gêmeo morresse durante estes experimentos, o outro não tinha mais uso, por isso ele ou ela era simplesmente gaseado.

A partir de 1943, os gêmeos eram selecionados e colocados em barracões especiais. Quando na rampa de seleção localizava gêmeos, os irmãos eram colocados num recinto especial e eram tratados melhor que os restantes internos. Praticamente todas as experiências de Mengele careciam de valor científico, mas foram financiadas pelo governo nazista. Incluíam, por exemplo, tentativas de mudar a cor dos olhos para azul mediante injeções de substâncias químicas nos olhos de crianças, o que causava imensa dor e até mesmo cegueira; amputações diversas e outras cirurgias brutais e, também estudava anões, pelo menos numa ocasião, uma tentativa de criar siameses artificialmente mediante a união de veias de irmãos gêmeos (a operação foi um fracasso e o único resultado foi que as mãos dos pacientes se infectaram gravemente). As pessoas objeto de experiências de Mengele, no caso de sobreviverem, foram quase todas assassinadas depois para dissecação. Aqueles que trabalharam com ele o achavam cientificamente irresponsável. 

Lá vou eu com expressão pessoal: Eu o mataria sem pensar duas vezes, se tivesse a chance.




Mengele fez numa ocasião carregar um vagão de trem com caixões que os prisioneiros notaram "demasiado pesados para o seu volume". Os caixões iam com destino a Günzburg e alguns prisioneiros deduziram corretamente que continham lingotes de ouro, provenientes das extrações dentárias das vítimas do campo. Este foi um dos primeiros indícios de que Mengele tinha pressentido o fim da Alemanha Nazista.


A evasão:

Em 26 de Novembro de 1944, Richard Baer, comandante de Auschwitz, recebeu uma estranha ordem para desmantelar a instalação, decaindo o ritmo de extermínio do campo. A ordem provinha diretamente de Adolf Hitler, e a muitos causou surpresa a situação.

Apenas 23 dias antes Mengele tinha estado na seleção de prisioneiros para enviar às câmaras de gás. Para ele a ordem não causou estranheza, pois estava convencido que a Alemanha Nazi perderia a guerra.
Mengele abandonou de forma encoberta o campo em 17 de Janeiro de 1945, e 10 dias depois o Exército Vermelho chegou ao campo e libertou os poucos sobreviventes.
Josef Mengele abandonou Auschwitz e foi para o antigo campo de concentração de Gross-Rosen. Em Agosto de 1944 este campo fora encerrado. Em Abril de 1945 fugiu para o oeste disfarçado como membro da infantaria regular alemã, com identidade falsa, mas foi capturado.
Como prisioneiro de guerra, cumpriu pena de prisão perto de Nuremberg. Foi libertado depois, quando se desconhecia a sua identidade. Durante os julgamentos de Nuremberg não se mencionou Josef Mengele como genocida. (Recomendo o filme: O Julgamento de Nuremberg)
Sabe-se que fugiu para a Argentina, provavelmente ainda na década de 1940.

Todavia, com a captura de Adolf Eichmann por agentes do Mossad, em Buenos Aires, Mengele decidiu fugir da Argentina e se escondeu no Paraguai para depois passar para o Brasil, onde teria vivido em Mamborê, Estado do Paraná. Lá, exercera ilegalmente a medicina, recebendo pacientes e prescrevendo medicamentos, sempre com identidade falsa. A Polícia Civil recebera a notícia do exercício ilegal da profissão, e por conta da investigação, Mengele fugiu antes da ação penal ter sido ajuizada. Prescrito esse crime, o delegado de polícia requereu o arquivamento do inquérito policial, e o Poder Judiciário assim declarou, já nos anos 80.

Ato contínuo à fuga de Mamborê, Mengele continuou seu périplo pelo Brasil, tendo residido clandestinamente em diversas localidades: Serra Negra, Assis, Marília, Nova Europa, Mogi das Cruzes e Bertioga, no estado de São Paulo, até a sua morte.
Inacreditavelmente, nem a Mossad nem o Centro Simon Wiesenthal conseguiram localizá-lo apesar de o seu filho Rolf o ter visitado duas vezes e com ele trocar correspondência.

(Recomendo o filme: Rua Alguém, 5555) segue o link para quem quiser assistir DUBLADO: http://tvi.com.br/player-filme?idfilme=66&idioma=0&fatia=1 postarei o trailer em inglês no final da postagem, juntamente com outros videos.

Sabe-se hoje que no Brasil viveu num sítio em Caieiras de propriedade de um casal de austríacos, Wolfram e Liselotte Bossert, sob o nome falso de Pedro Gerhard. Quando lhe perguntavam o passado, afirmava que como oficial alemão se limitava a selecionar as pessoas aptas para o trabalho e que nunca matara ninguém.
Em 1979, o seu estado de saúde estava em franca deterioração e a família austríaca que o assistia convidou-o a refrescar-se numa praia calma em Bertioga, no litoral paulista, Mengele aceitou. Quando alguns membros se introduziram na água, Mengele seguiu-os até alcançar uma distância de 100 m, mais a escassa profundidade. Então, por motivos confusos e nunca esclarecidos, afogou-se, apesar de um dos amigos que o acompanhava ter imediatamente dado auxílio (supôs-de cãibras, ataque cardíaco, etc., ou mesmo suicídio).

A versão oficial é que se feriu, talvez acidentalmente, com um pedaço de madeira quando nadava em Bertioga, e isso provocou a sua morte por afogamento. Causa estranheza o fato de que Mengele não sabia nadar. Os seus ossos foram exumados em 1985, no cemitério de Rosário, na cidade de Embu das Artes, na grande São Paulo. A perícia, conduzida por especialistas do IML e da FOUSP, determinou que a ossada era do médico nazista: um defeito que tinha nos dentes superiores anteriores foi comprovado, além de coincidir em idade e estatura. Em 1992, uma análise de ADN confirmou finalmente a sua identidade. Mengele nunca foi punido pelas suas atitudes, falecendo praticamente sozinho no litoral paulista.
Ele morreu em 1979 e seus restos mortais foram identificados por uma equipe de antropólogos forenses. Mesmo assim, seu mal ainda vive nas ficções e fantasias de um médico cruel que matou sem consciência e foi responsável pela destruição de milhares de pessoas inocentes.



Mengele na ficção

A divulgação das atrocidades de Mengele levou à criação de um mito popular em volta da sua figura semi-lendária. Várias representações ficcionais de Mengele surgiram desde a Segunda Guerra Mundial.
Uma famosa versão literária ficcional de Mengele foi criada por Ira Levin, em seu livro Os meninos do Brasil (The Boys from Brazil), em que o médico consegue clonar Adolf Hitler. Em 1978, foi lançado o filme baseado no livro com Gregory Peck como Mengele.

Também tem um filme baseado nesse livro, eu assisti e gostei, não é lá dos melhores, mas gostei.
Mengele foi base para uma série de médicos nazistas imaginários. Entre eles o Dr. Khristian Szell (Laurence Olivier) do filme Maratona da morte (Marathon Man, 1976), também um livro de William Goldman. Há vários personagens baseados em Mengele nos quadrinhos e obras populares infanto-juvenis, e é a provável inspiração para o Doctor Schabbs, personagem do jogo de computador Wolfenstein 3D, um cientista louco que criava zumbis.

Mais recentemente serviu como base à personagem Dieter Vogel (interpretada pelo Dinamarquês Jesper Christensen) no filme A Dívida(2010) de John Madden. Neste filme a personagem tem um fim muito semelhante à de muitos lideres nazis (Como, por exemplo, Adolf Eichmann), tendo sido capturado por uma força especial da Mossad, com o intuito de o julgar em Israel, mas diferente do fim de Mengele.
Foi tema da música "Angel of Death" da banda de Thrash Metal Slayer lançada no Cd Reign in Blood em 1986. Mais recentemente, foi tema da música "Carbonized" da banda de Death Metal Impiety lançada em 2004 no Cd Paramount Evil e também da banda brasileira Dorsal Atlântica com a faixa "Joseph Mengele".
Algumas de suas experiências envolvendo judeus anões, foram tema do espetáculo de teatro A-5087, de Ronaldo Ventura.
Existem vários filmes baseados na segunda guerra onde “ele” geralmente é mencionado ou aparece.

Trailer do filme : Rua Alguém, 5555

Documentário completo 

                                     



Documentário em inglês, sem legenda


Linha Direta:






há muitos videos sobre ele, é só procurar.


Grata pelas visualizações, passem bem queridos leitores.


Alfred (Alferd) Parker



Alfred G. "Alferd" Packer (21 de janeiro, algumas notas históricas dizem que foi em 21 de novembro, 1842 - 23 de abril de 1907) foi um garimpeiro americano que foi acusado de canibalismo durante o inverno de 1873-1874. Primeiro julgado por assassinato, Packer foi finalmente condenado a 40 anos de prisão após ser condenado por homicídio culposo. A cinebiografia da Sua Vida, The Legend of Alfred Packer, foi feita em 1980.

A Vida de Packer

Alfred Packer nasceu em Allegheny County Griner, Pensilvânia, um dos três filhos de James Packer e sua esposa Esther Griner.  Ao início de 1850, a família de Packer teve que se mudar para Lagrange County, Indiana, onde o pai dele arrumou um trabalho de marceneiro.
Alfred Packer serviu no Exército da União na Guerra Civil Americana, alistando-se em 22 de abril, 1862 em Winona, Minnesota na 16º Infantaria dos EUA, a sua ocupação era sapateiro. No entanto, ele recebeu alta por motivo de epilepsia, oito meses mais tarde em Fort Ontario, Nova Iorque. Ele voltou para o oeste e se alistou no 8º Regimento de Cavalaria em Ottumwa, Iowa em 25 de junho de 1863, mas foi dispensado em Cleveland, Tennessee em 22 de abril de 1864 pela mesma razão. Ele finalmente decidiu tentar a sua sorte na prospecção de metais preciosos.

Em novembro de 1873, Packer com 21 homens que saíram de Provo, Utah, par Breckenridge Colorado a procura de ouro. Em 21 de janeiro de 1874 ele conheceu o índio Chefe Ouray, conhecido como amigo do Homem Branco, perto de Montrose, Colorado. Chefe Ouray recomendou que adiassem  a sua expedição até a primavera, já que o inverno perigoso nas montanhas.
Ignorando o conselho de Ouray, Packer e outros cinco partiram para Gunnison, Colorado, em 9 de fevereiro. Além de Packer, o grupo incluiu: Wilson Shannon Bell, James Humphrey, Frank "Reddy" Miller, George "California" Noon, e Israel Swan.

A caminhada ficou pesada e eles se perderam e ficaram sem água, comida ou quaisquer provisões. Eles foram até snowbound nas Montanhas Rochosas. Packer fez três confissões que diferiam consideravelmente sobre o que ocorreu. Packer afirmou que ele foi procurar comida e  voltou, segundo ele, Shannon Bell estava assando carne humana. Bell veio às pressas com um machado  para cima dele (Packer) que atirou e matou em legítima defesa. Packer insistiu que Bell tinha enlouquecido e assassinado todos os outros.
Em 16 de abril de 1874, Packer chegou sozinho em Los Pinos, Agência indiana perto de Gunnison. Ele passou algum tempo em um Saguache, Colorado,  encontrando vários dos seus companheiros de viagem que haviam escolhido seguir o conselho do Chefe Índio. Ele alegou legítima defesa, mas sua história não foi acreditada. Durante o julgamento, o juiz presidente, M.B. Gerry, disse:
"Feche os ouvidos às lisonjas de esperança. Não ouça suas promessas esvoaçantes de vida. Mas prepare-se para satisfazer os espíritos das tuas vítimas assassinadas. Prepare-se para a certeza de pavor da morte."

Packer assinou uma confissão em 05 de agosto de 1874. Ele foi preso em Saguache, mas escapou logo em seguida.

O Memorial às vítimas alegadas de Packer fica na cena do crime, a sudeste de Lake City, Colorado.
Em 11 de março de 1883, Packer foi descoberto em Cheyenne, Wyoming, vivendo sob o pseudônimo de "João Schwartze." Em 16 de março, ele assinou outra confissão. Em 6 de abril, um julgamento começou em Lake City, Colorado. Em 13 de abril, ele foi considerado culpado de homicídio culposo e condenado à morte. Em outubro de 1885, a sentença foi anulada pelo Supremo Tribunal de Colorado como sendo baseado em uma lei: ex post facto. Em 8 de junho de 1886, Packer foi condenado a 40 anos em outro julgamento em Gunnison. Na época, esta foi a maior pena da história dos EUA.

Em 19 de junho de 1899, a sentença Packer foi confirmada pelo Supremo Tribunal Colorado. No entanto, ele foi libertado em 8 de fevereiro de 1901, e foi trabalhar como guarda no Denver Post. Ele morreu em Deer Creek, no condado de Jefferson, Colorado, supostamente de "Senilidade, problemas e preocupações" com a idade de 65 anos. Há rumores de que teria se tornar um vegetariano antes de sua morte. Ele foi enterrado em Littleton, Colorado. Seu túmulo é marcado com uma lápide de veterano listando seu regimento original em 1862.

                                                                 Foto tirada em 1901

Investigações recentes
Em 17 de julho de 1989, 115 anos após Packer supostamente ter comido seus companheiros, uma exumação dos cinco corpos foi realizada por James E. Starrs, então professor de direito especializado em ciência forense da Universidade George Washington. Após uma exaustiva pesquisa para a localização exata dos restos de Plateau Cannibal em Lake City, Colorado, Starrs e seu colega Walter H. Birkby concluiram: "Eu não acho que jamais existirá alguma maneira de demonstrar cientificamente canibalismo. Canibalismo, por si só é a ingestão de carne humana. Então você teria que ter uma foto do cara realmente comendo. "
Em 1994, David P. Bailey, curador da História no Museu de Colorado ocidental, empreendeu uma investigação para conseguir resultados mais conclusivos do que os de Starrs '. Na coleção Thrailkill Audrey de armas de fogo de propriedade do museu está um revólver Colt, que teria sido encontrado no local do suposto crime de Packer. Durante a investigação exaustiva sobre a pistola, apareceram documentos do momento do julgamento: "Um veterano da Guerra Civil, que visitou a cena do crime afirmou que Shannon Bell havia sido baleado duas vezes e as outras vítimas foram mortas com um machado. Após cuidadoso estudo, ele notou um ferimento de bala grave na região pélvica de Bell e que a carteira dele tinha um buraco de bala. Para ele: "Isso parece corroborar afirmação de Packer que Bell havia matado as outras vítimas e que atirou em Bell em autodefesa.
Em 2000 Bailey ainda não tinha provado uma ligação entre a pistola antiga e Packer Alferd; mas ele descobriu que as amostras forenses, a partir da exumação 1989, tinham sido arquivadas, e a análise em 2001 com um microscópio eletrônico pelo Dr. Richard Dujay no Mesa State College, mostrou fragmentos de chumbo microscópicos no solo retirado sob os restos de Shannon Bell, que foram pareados por espectrógrafo com as balas restantes, isso confirmou que foi realmente a pistola de Packer. Embora pareça certo que Bell foi morto por um tiro, a questão do assassinato em si permanece.

Não recomento o filme, achei meio nada a ver.

Trailer do Filme
                                   


Este é um comercial do museu da cidade, eu quase morri de rir. rs Eles fazer um "RE-Julgamento" do caso, onde as pessoas decidem se ele foi ou não culpado. Bem legal né?

                                  




                                   



                                     

segunda-feira, 23 de abril de 2012

Shriya Biman Patel - Massagem relaxante?



Em 19 de abril de 2012, Shriya Biman Patel, 25 anos, casada há um ano com Patel, um homem de 29 anos de idade de Austin, Texas.  Shriya, uma semana após ter discutido com o marido, ofereceu-lhe uma massagem relaxante com óleo à luz de velas.


O Sargento Christine Chomout, da policia de Austin disse que: "Ela preparou uma massagem para o marido na banheira e que uma vez que ele estava na banheira, ela derramou óleo sobre ele e ateou fogo." 

Equipes de emergência chegaram no local e encontraram a vítima gravemente queimada, ainda saindo fumaça, os alarmes de incêndio estavam desativados e os extintores de incêndio cobertos com lenços. 

Enquanto ele estava sendo levado para o helicóptero, supostamente gritou: "Por que ela iria me queimar? Tudo o que eu estava tentando fazer era amá-la."


Mais tarde, Patel disse à polícia que pôs fogo em si mesmo. A investigação, no entanto, revelou o impressionante nível de premeditação, incluindo a compra que Shriya fez no Walmart, gravada em vídeo de vigilância, onde comprou os itens usados no ataque, incluindo os lenços. O Capitão Andy Reardon, do corpo de bombeiros de Austin, disse aos jornalistas: "Em 17 anos no corpo de bombeiros, eu nunca vi queimaduras como esta, e nada que tenha sido premeditado assim." A vítima foi estabilizado e colocada em coma induzido. Shriya foi presa sob a acusação de incêndio criminoso e agressão agravada e a fiança foi estabelecida em US $ 500.000.





Corredor da Morte










Olá leitores,

A vida está meio corrida para mim no momento. Mas assim que possível postarei mais casos.

Hoje vim postar um link para quem sabe ler inglês e tem curiosidade de saber sobre pessoas que se encontram no corredor da morte no Texas, EUA.

Eu já li o perfil de vários deles, um caso mais interessante que o outro. Há muitos casos para postar aqui ainda, aquele caso recente que ocorreu no Recife por exemplo, todos sabem do caso, pois houve uma repercussão muito grande na mídia, assim que fecharem o caso, vou postar o máximo de informações que puder.

Continuem comentando e divulgando o blog.

Muito obrigada pessoal.

Segue o link:

http://www.tdcj.state.tx.us/index.html



quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

Alyssa Bustamante








08/02/2012 15h06 - Atualizado em 08/02/2012 15h06
Adolescente é condenada a prisão perpétua por morte de criança.

Alyssa Bustamante, de 18 anos, confessou ter matado menina de 9 anos.
Segundo testemunha, ela queria saber como se sentiria matando alguém.
Uma adolescente do estado do Missouri, nos Estados Unidos, que confessou ter estrangulado, cortado a garganta e esfaqueado uma menina de 9 anos porque “queria saber como se sentiria matando alguém” foi condenada nesta quarta-feira (8) a prisão perpétua com possibilidade de liberdade condicional.

Alyssa Bustamante, de 18 anos, foi considerada culpada em janeiro de assassinato em segundo grau e à mão armada de Elizabeth Olten, em outubro de 2009, numa pequena cidade rural a oeste de Jefferson City.

Bustamante tinha 15 anos quando confessou ter estrangulado Elizabeth, ter dado várias vezes a menina no peito e cortado sua garganta. Ela levou a polícia à cova rasa onde havia enterrado o corpo da criança, sob um monte de folhas em uma floresta perto do seu bairro.

“Eu sei que palavras nunca vão ser suficientes e nunca vão conseguir descrever exatamente quanto me sinto horrível por tudo isso”, disse a adolescente diante dos pais e irmãos de Elizabeth. “Se eu pudesse dar minha vida para ter ela de volta, eu daria. Desculpa”, completou.

A mãe da criança, Patty Preiss, que no primeiro dia de julgamento classificou Bustamante de
“monstro” e disse que “odeia” a adolescente, ouviu em silêncio o pedido de desculpas. A família Olten se negou a comentar com a imprensa, assim como a família da adolescente.

Por ter confessado o crime, Bustamante, que havia sido acusada de assassinato em primeiro grau, evitou uma possível pena de prisão perpétua em uma presídio adulto sem possibilidade de redução da pena.

Os advogados da adolescente haviam pedido uma pena menor que a prisão perpétua argumentando que o uso do antidepressivo Prozac havia tornado ela mais propensa à violência. Eles disseram ainda que ela sofreu anos com depressão e já havia tentado suicídio por overdose de analgésicos.

Mas os promotores pediam uma sentença ainda maior. Segundo eles, a adolescente havia cavado duas covas dias antes do crime e teria mandado sua irmã menor atrair Elizabeth ao local com um convite para brincar.

Uma das testemunha, m sargento da polícia do Missouri, disse que a adolescente contou a ele que “queria saber como se sentia” quem matava alguém. A acusação também citou jornais locais, aos quais Bustamante teria descrito a “alegria” de matar Elizabeth.

“Eu a estrangulei, cortei a gargante e a esfaqueei, então agora ela está morta”, escreveu Bustamante em seu diário, lido no julgamento por um especialista em caligrafia. “Eu não sei como estou me sentindo. Foi incrível. Logo que passa a sensação de ‘oh, meu Deus, eu não posso fazer isso’, é realmente prazeroso. Agora estou tipo nervosa e tremendo. Tenho que ir para a igreja agora... (risos).”

Após isso, segundo a investigação, a garota foi a uma aula de dança em sua igreja, enquanto iniciavam as buscas pela criança desaparecida.