segunda-feira, 15 de fevereiro de 2010

Robert Steinhauser


Robert Steinhauser

O massacre de Erfurt foi um massacre escolar que ocorreu em 26 de abril de 2002, no Gutenberg-Gymnasium, em Erfurt, na Alemanha. O atirador, de 19 anos foi o aluno expulso Robert Steinhauser, atirou e matou 16 pessoas, incluindo 13 membros da faculdade, 2 estudantes e um policial, antes de cometer suicídio. Um adicional de sete pessoas ficaram feridas, direta ou indiretamente no massacre.

Robert Steinhauser quando criança.



O massacre



No dia do tiroteio, Steinhäuser armou-se com uma bomba de 12-gauge, uma arma Glock 17 e uma 9mm, antes de deixar sua residência em seu horário habitual. Quando ele entrou no campus, ele foi para os lavatórios para mudar de roupa, e depois vestiu uma roupa preta estilo ninja.



O tiroteio começou às 11:05 aproximadamente Steinhauser passou de sala em sala, parando por breves instantes na porta para disparar no professor, depois de passar para a próxima sala. Segundo os estudantes, ele estava atirando somente em professores, apesar de dois estudantes serem mortos por tiros disparados por uma porta trancada.

Hilf (SOCORRO em alemão)


Cinco minutos após o início do tiroteio, a polícia chegou do lado de fora da escola. Logo depois, Steinhäuser apareceu em uma janela e baleou um policial mortalmente na cabeça. Antes que ele comete-se o suicídio, ele foi confrontado por um de seus professores, Rainer Heise que tentou tirar sua mascara. Houve uma pausa, tendo estabelecido contato profundo com os olhos de Steinhäuser, disse ele, "Du erschießen jetzt kannst mich." ( "Você pode atirar em mim agora."), Steinhäuser teria respondido, "Herr Heise, reicht heute für's ("Mr. Heise, é o suficiente para hoje"). Segundo Heise, então ele conversou com Steinhäuser por um curto período de tempo, atraindo-o para a porta de uma sala vazia. Quando Steinhäuser estava na porta, Heise o empurrou na sala e rapidamente trancou a porta. Steinhäuser se suicidou pouco depois e seu corpo foi encontrado pela polícia algumas horas depois do tiroteio. 71 balas foram disparadas durante toda a série de tiroteios.
 
Mr. Heise e alguns alunos.

As últimas palavras de Steinhäuser - Für heute reicht's ( "isto é o suficiente por hoje") - foi também o título de um livro muito polêmico sobre o massacre, escrito por Ines Geipel, que alegou que houve vários erros cometidos pela polícia no caso. Geipel, e parentes de algumas das vítimas, criticaram a polícia pela velocidade inicial de sua resposta. A polícia tinha inicialmente acreditado que havia um segundo atirador, levando-os a retomar o espaço escolar por sala, ao invés de invadir o prédio inteiro.



Heise era considerado um herói por alguns por trancar Steinhäuser em uma sala e parar a matança, mas depois começou a receber algumas reações contrárias do público.

Heise

Reações:

Coincidentemente, no dia do massacre, o governo alemão estava a discutir o aumento do nível da idade legal sobre a propriedade de arma de fogo de 18 para 21.

Na verdade, exceto para os caçadores, a idade legal para a posse de arma de fogo acima de calibre .22 LR (Joule e 200) foi aumentada para 21, com um teste adicional médico e psicológico. Além disso, bombas, espingardas e pistola automática foram proibidos.

A família de Steinhäuser emitiu um comunicado a fontes de informação e disse: "será sempre muito dolorido para nós saber que o nosso filho e irmão trouxe esse sofrimento terrível, para as vítimas e seus parentes, as pessoas de Erfurt, na Turíngia, e de toda a Alemanha."

A Secretaria de Educação dos Estados Unidos, Rod Paige, ofereceu suas condolências ao povo alemão.
 
Memorial


Parents speak about school shooter Robert Steinhäuser [eng sub]



Sem comentários: