segunda-feira, 8 de fevereiro de 2010

Andrea Yates - A mãe que matou os 5 filhos.




Andrea Pia Yates 



(nascida em 2 de julho de 1964) em Houston, residente em Texas, é conhecida por ter matado seus cinco filhos em 20 de junho de 2001 por afogamento na banheira de sua casa. Ela vinha sofrendo muito, há anos com grave depressão pós-parto e psicose. Seu caso colocou a M'Naghten rule, um teste legal para a sanidade, sob o escrutínio público perto dos Estados Unidos. A Condenação de Yates em 2002, de homicídio foi de prisão perpétua, com possibilidade de liberdade condicional após 40 anos, mais tarde foi derrubada em sede de recurso. Em 26 de julho de 2006, um júri do Texas decidiu que Yates não podia ser culpada por razões de insanidade. Ela foi, portanto, condenada pelo tribunal a internação no  North Texas State Hospital, de alta segurança, em Vernon, Texas, onde recebeu tratamento médico e foi companheira de quarto de Dena Schlosser  uma outra mulher que cometeu filicídio, arrancando os bracinhos de sua filha de 11 meses, também dizendo que foi Deus que mandou. Em janeiro de 2007, Yates foi transferida para um hospital mental de baixa segurança do estado em Kerrville, Texas.



Andrea Yates nasceu Andrea Kennedy, em Houston, Texas, filha de Jutta Karin Koehler, uma imigrante alemã, e Andrew Emmett Kennedy, cujos pais nasceram na Irlanda. Andrea tem um irmão mais velho. Andrea estudou em Milby High School, onde se graduou como oradora da turma, em 1982. Ela conheceu Russell "Rusty" Yates, um programador de computador para a NASA, da Universidade de Auburn, em 1984, casou com ele em 17 de abril de 1993, e mudou-se para a comunidade de Clear Lake City, no sudoeste de Houston sudeste.



Apesar de Andrea ter sido inicialmente Católica Romana, ela e Rusty anunciaram seu casamento em 1993, e que "pretendiam ter tantos bebês quanto a natureza permitisse", uma das doutrinas de sua recém-compartilhada crença religiosa, que foram formadas pelo pregador itinerante Michael Peter Woroniecki. Em 1998, depois de três filhos e um aborto, Andrea começou a mostrar sinais exteriores de exaustão.

Michael Peter Woroniecki - 1984


Em maio de 1998, os Yates foram para Flórida com a família do seu pastor. Woroniecki que repreendeu verbalmente Andrea e seu marido, dizendo-lhes que, apesar de muitos anos de conselho em seu ministério, eles ainda estavam "indo a caminho do inferno". Russell logo teria uma discussão com Woroniecki sobre o ônibus quebrado que tinha comprado do pregador enquanto na Flórida, mas Andrea iria continuar a corresponder com o Woronieckis até à primavera de 1999, quando recebeu várias cartas condenando e pressionando eles.

Michael Peter Woroniecki - 2008

Em julho de 1999, Yates sucumbiu a um colapso nervoso, que culminou em duas tentativas de suicídio e duas internações psiquiátricas no verão. Ela foi diagnosticada com a psicose pós-parto. E, segundo os médicos, foi tratada com sucesso e recebeu alta em janeiro de 2000.

Seu primeiro psiquiatra, a Dra. Eileen Starbranch, testemunhou que ela pediu ao casal para não ter mais filhos, pois iria "garantir a volta da depressão psicótica".
Os Yates conceberam seu quinto filho  e último cerca de 7 semanas após a sua alta.



A doença mental de Yates ressurgiu em março de 2001, mesmo mês que seu pai morreu. Yates tornou-se tão incapacitada que necessitou de internação imediata.
Em 1 de abril de 2001, ficou sob os cuidados do Dr. Mohammed Saeed.
Ela foi tratada e liberada. Em 3 de maio de 2001, ela volta em um estado degenerado "catatônico" e dormiu no banho no meio do dia; Andrea viria a confessar à polícia que ela havia planejado afogar os filhos naquele dia, mas decidiu não fazê-lo. Andrea foi hospitalizada no dia seguinte depois de uma visita médica agendada; seu psiquiatra determinou que ela era provavelmente suicida e encheu a banheira para afogar-se.



Yates continuou sob os cuidados do Dr. Saeed até 20 de junho de 2001, quando o marido saiu para o trabalho, deixando Andrea sozinha para cuidar  dos seus cinco filhos contra as instruções do Dr. Saaed que disse para supervisioná-la o tempo todo. A mãe de Yates, Dora Yates, tinha sido chamada por Russell mas ela chegou uma hora mais tarde. No espaço de tempo que Russel atrasou, Andrea Yates afogou os cinco filhos.

Os afogamentos :

Em 20 de junho de 2001, depois que o marido saiu para trabalhar às 9h00, Yates encheu a banheira da família e afogou seus três filhos mais jovens, Lucas, Paul e John. Ela colocou seus corpos ao lado um do outro em uma cama, colocando um braço de cada um sobre o outro. A criança, Maria, estava em seu berço, chorando. Quando o filho mais velho, Noé entrou na sala, o corpo de Maria ainda estava na banheira, depois de perguntar a sua mãe o que estava errado com Maria, ele tentou fugir. Yates o pegou e o afogou ao lado de Maria. Yates levou Maria para o quarto e a deitou ao lado dos três primeiros, e cobriu os quatro com um lençol. Yates deixou Noé na banheira.

Yates chamou o 9-1-1 e calmamente pediu para um policial por uma ambulância. Ela então chamou o marido no trabalho, ordenando-lhe que fosse para casa. Russell pressionou-a até que ela dizer que tinha ferido as crianças. Quando Russell correu para casa, encontrou a polícia e a equipe médica que já haviam cercado a casa dele.

Autoridades que responderam à cena descreveram Yates como insensível, despenteada,
e encharcada. Um policial testemunhou que ela parecia "desgastada" dos afogamentos de  Noah, 7, John, 5, Paul, 3, Lucas, 2, e Maria, de 6 meses.


Russell ficou esperando fora da casa por cinco horas, pelo médico legista que estava analisando os corpos das crianças.
Yates recebeu os policiais na porta, dizendo que ela havia acabado de matar seus filhos.
Ela os levou para o quarto principal, onde eles encontraram os quatro filhos menores cobertos com um lençol, deitados de costas na cama, os olhos ainda estavam abertos. Noé foi descoberto por um outro oficial chamado Down na banheira. Yates, calmamente explicou o que ela tinha feito, e não ofereceu resistência aos agentes para ser levada.
Todos os cinco filhos foram sepultados em 28 de junho de 2001.





Julgamento

Andrea Yates chega à Delegacia de Polícia na cidade, depois de ter afogado seus cinco filhos em sua casa.
Andrea Yates, 36 anos, tomou medicação para depressão desde o nascimento de seu filho de 2 anos. 20 junho de 2001

Embora o depoimento do perito da defesa concordou que Yates era psicótica, a lei do Texas exige que, para ter sucesso em fazer valer a insanidade de defesa, o réu deverá provar que ele ou ela não conseguia discernir o certo do errado, na hora do crime.
Em março de 2002, um júri rejeitou a defesa de insanidade e considerou Yates culpada.




Embora a promotoria tenha pedido pela pena de morte, o júri recusou essa opção.
O tribunal do julgamento de Yates condenou ela a prisão perpétua, com possibilidade de liberdade condicional em 40 anos.
Em 6 de janeiro de 2005, o Tribunal de Apelações do Texas reverteu a condenação, porque a psiquiatra e testemunha Dr. Park Dietz admitiu que havia dado materialmente falso testemunho durante o julgamento.



Dietz disse que, pouco antes das mortes, um episódio de Law & Order tinha exibido uma mulher que afogou seus filhos e Yates foi absolvida do assassinato por razões de insanidade.
A autora Suzanne O'Malley, que estava cobrindo o ensaio para a revista de Oprah e tinha sido escritora de Law & Order, (super indico esse seriado) imediatamente comunicou que o episódio não existiu, o Tribunal de Apelação decidiu que o júri pode ter sido influenciado por seu falso testemunho e que, assim, um novo julgamento seria necessário. (Mais tarde, em 2004, Law&Order: Criminal Intent, pois ao ar o episódio "Magnificat", baseado, em partes, no caso de Yates).



Em 9 de janeiro de 2006, Yates entrou em processo novamente por não ser culpada do crime por razões de insanidade. Em 1 de fevereiro de 2006, foi concedida liberdade sob fiança, na condição de ela se admitir em uma instalação de tratamento de saúde mental.



Em 26 de julho de 2006, após três dias de deliberações, Yates não foi considerada culpada por razões de insanidade, como definido pelo estado do Texas. Ela foi, então encaminhada para North Texas State Hospital - Vernon Campus.
Em janeiro de 2007, Yates foi transferida para um hospital mental de baixa segurança do estado em Kerrville, Texas.


Rusty e Andrea se divorciaram em março de 2005. Rusty se casou com Laura Arnold, uma mulher que conheceu na igreja, em março 2006. Yates diz que continua a estar ao lado de sua ex-esposa e a visita regularmente na prisão. Ele diz que sua nova esposa é favorável à sua relação com Yates. Amigos de Yates disseram que ela ficou magoada e ferida pela decisão do ex-marido de se casar de novo.


Responsabilidades pelas mortes das crianças:



Russell Yates 

Segundo o testemunho de Dr. Saeed no julgamento, em 2006, Russell Yates foi aconselhado a deixar não deixar a paciente sozinha. Sem consultar o médico sobre seus planos, e contra o aconselhamento médico, o Sr. Yates começou a deixar sua esposa sozinha com as crianças nas semanas que antecederam os afogamentos. Russell havia anunciado em uma reunião familiar para o fim de semana antes dos afogamentos, que tinha decidido sair de casa por uma hora cada manhã e à noite, de modo que  Andrea não iria ficar totalmente dependente dele e de sua mãe para suas responsabilidades maternas.



O irmão de Andrea Yates, Brian Kennedy, disse para Larry King em uma transmissão da CNN Larry King Live que Russell manifestou a ele em 2001 ao transportar ela para Devereux, instalação de tratamento, que todas as pessoas deprimidas precisavam era de um "chute rápido na bunda" para mantê-los motivados.

A mãe da Sra. Yates, Jutta Karin Kennedy, expressou seu choque quando soube da opinião de Russell, enquanto estava numa reunião de jantar com eles, dizendo que ela não era estável o suficiente para cuidar dos filhos. Ela observou que sua filha demonstrou que não estava em seu juízo perfeito, quando Mary, ainda sem dentes, quase engasgou após Andrea tentar alimentar-lhe com alimentos sólidos. Segundo os autores Suzy Spencer e Suzanne O'Malley, que investigaram a história de Yates em grande detalhe, foi durante uma ligação telefônica feita para o Dr. Saeed por Russell Yates dando a notícia de última hora dos assassinatos que ele primeiro percebeu que Andrea não estava sendo supervisionada por completo.



"Durante o julgamento, o Sr. Yates conseguiu manter a posição de que Andrea seria declarada inocente. Tinha fantasias de ter mais filhos com ela depois que ela fosse tratada com sucesso em um estabelecimento de saúde mental e tomasse a medicação adequada. Trabalhou a sua maneira através da várias correções para as suas vidas danificadas, tais como a maternidade de substituição e a adoção (horripilante), antes de ceder à realidade."

O pai das crianças (na minha opinião, O MAIOR CULPADO, juntamente com o pastor Woronieckis)


Também foi introduzido no novo julgamento um vídeo produzido por Woronieckis em 1996. Neste vídeo, o pregador expressa sua preocupação com o lar, estilos de vida cristãs e as crenças dos pais com a disciplina. Russell continuou a trabalhar na NASA contrariando às instruções de Woroniecki.



Comunidade médica :

Russell Yates alegou que, como um psiquiatra, Dr. Saeed foi responsável por reconhecer e tratar adequadamente a psicose de sua esposa, não uma pessoa medicamente inexperiente como ele. Ele também alegou que, apesar de suas exortações para verificar seu prontuário médico para um tratamento prévio, Dr. Saeed se recusou a continuar o seu esquema do antipsicótico Haldol, o tratamento que havia trabalhado para ela durante o seu primeiro colapso, em 1999.

O Sr. Yates acrescentou que sua esposa estava doente demais para ser liberada de sua última estadia no hospital em maio de 2001. Ele disse que notou o pessoal abaixar sua cabeça como se de vergonha e embaraço, afastando-se sem dizer uma palavra.
O hospital não tinha outra escolha, devido às restrições de dez dias de internação psiquiátrica do convênio médico de Yates, Blue Cross-Blue Shield, subcontratada pela Magellan Health Services.


O ex-marido de Andrea e sua família de nascimento, com a entrada de cidadãos, a Comissão de Direitos Humanos (um grupo de vigilância de saúde mental criado em 1969 pela Igreja da Cientologia) chegou a acreditar que a combinação de antidepressivos foram impropriamente prescritos pelo Dr. Saeed e que no dias antes da tragédia eram responsáveis pelo comportamento violento e psicótico de Andrea.

Segundo a Dr. Moira Dolan, diretora-executiva da Rede de Responsabilidade Médica, a "ideação homicida" foi acrescentada ao rótulo de advertência do medicamento antidepressivo Effexor como um evento adverso raro, em 2005.
Yates, disse ela, estava tomando 450 mg, duas vezes a dose máxima recomendada, por um mês antes de matar seus filhos. Dr. Dolan revisou os prontuários de Yates, a pedido de seu então marido, Russell Yates.

Dra. Lucy Puyear, uma perita contratada pela equipe de defesa de Yates, rebateu a tese da família quanto à administração de seus antidepressivos, dizendo que as doses prescritas por Saeed não são incomuns na prática e não tinha nada a ver com a sua psicose reemergente. Ela sugeriu que a psicose de Yates retornou como um resultado da interrupção do remédio Haldol, tendo sido interrompido pelo seu médico, duas semanas antes. A forma oral de haloperidol (Haldol) leva 4-6 dias após a interrupção para atingir um nível de plasma em terminais de 1,5% - a "eliminação" por completo da droga do corpo.

Ministro Religioso

Numerosos pontos de mídia alegaram que o ministro Michael Peter Woroniecki, tem alguma responsabilidade pela morte, relatando que ele e sua esposa construíram um quadro de delírios homicidas e suicidas na mente doente de Yates através de "melancolia implacável e sermões".

Ela passou a acreditar que ela era uma mãe "má", que estava espiritualmente e comportamentalmente prejudicando seus filhos, e que era melhor para ela matar sua prole, em vez de permitir-lhes continuar a "tropeçar" e ir para o inferno - um vídeo de 1996 mostra o modo do ministro "ensinar" os pais , "ensinamento" que os Yates ambos receberam dele. Depois de ver este vídeo, a Dra. Lucy Puryear disse a KTRK Houston-13 News e para o Good Morning America que, apesar de Andrea ainda estar doente mental, ela não acreditava que Yates nunca teria afogado seus filhos se não tivesse sido pelas influências religiosas de Woroniecki's.
 
Andrea Yates



Enquanto estava na prisão, Andrea afirmou que ela havia considerado matar as crianças, acrescentando que "eles" achavam que ela não era uma boa mãe e reivindicou que os seus filhos estavam se desenvolvendo de forma incorreta. Yates disse a seu psiquiatra na prisão, "Foi o sétimo pecado mortal. Meus filhos não foram justos. Tropeçaram porque eu estava mal. Do jeito que eu estava criando, eles nunca poderiam ser salvos. Eles foram condenados a perecer no fogo do inferno".
 
O filme de 2008 Baby Blues é baseado no assassinato, Embora a história é em grande parte mudada a partir dos acontecimentos verdadeiros.´( É MEDONHOOOO esse filme !!! ) Veja o Trailer:



Em sua canção "World Gone Crazy" Aaron Yates (Tech N9ne) faz referências sobre seus sobrenomes serem o mesmo, e também faz referência a ela nas letras: "mães doentes afogando seus bebês" e "Por que eu tenho o mesmo sobrenome que Andrea?"





Fontes: Wikipedia e murderpedia

6 comentários:

Anónimo disse...

o marido dela também devia tá preso... são dois malucos!

Anónimo disse...

No youtube tem uma entrevista da Dra Ana Beatriz Barbosa sobre a diferença entre psicopata e doente mental (e é bem diferente, acredite!)

Anne disse...

Sim, eu acredito. No caso dela o culpado foi o marido, tenho para mim que ele sim é um psicopata, eles são capazes de deixar pessoas doentes, nem todo psicopata mata. Não os julgo aqui, só coloco casos chocantes e marcantes.

Obrigada pelos comentários.

camila disse...

se alguém merece estar atrás das grades e o tal ministro e o marido dela, sabendo os dois que ela estava doente, ainda a forçaram a ter mais filhos, quando eu falo que para religiosos radiciais mulher não é gente, é chocadeira, passo por intolerante...

Paulo Vargas da Silva disse...

Num condomino em Itaquera, atras da arena corinthians aconteceu uma tragédia parecida, um marido matou a esposa e os filhos e horas depois se matou em outro lugar, eles frequentavam uma igreja evangélica do bairro e por causa do pregador acreditava estar possuído, foi na Rua Padre André Frazão, maior tragedia do bairro depois daquele acidente de trem proximo da estação itaquera nos anos 80.

Paty Vascaína de Coração disse...

Que chocante