quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

Charles Carl Roberts IV


Charles Carl Roberts IV


(7 de dezembro de 1973 - 2 de outubro de 2006) foi um motorista de caminhão de leite, doente mental, americano, que assassinou cinco meninas amish antes de se suicidar em uma escola amish na vila de Nickel Mines, de Bart Township, Condado de Lancaster, Pensilvânia em 2 de outubro de 2006.

(Amish para quem não sabe é um grupo religioso cristão. São conhecidos por seus costumes conservadores, como o uso restrito de equipamentos eletrônicos, inclusive telefones e automóveis.)

Vida pessoal:

Charles Carl Roberts IV, nasceu em Lancaster, Pensilvânia. Seu pai é aposentado da polícia local. Em 2004, seu pai aplicou para o estado uma licença especial para fornecer o serviço de lotação para os Amish. Charles recebeu um diploma por meio de uma associação escolar, e nem ele nem sua família eram Amish. Em 1990, Roberts trabalhou como lavador de pratos no Good 'N Plenty Restaurante em Smoketown, PA. Dois de seus colegas de trabalho foram Lawrence Yunkin e Lisa Michelle Lambert, ambos seriam condenados no dia 20 de dezembro de 1991 pelo assassinato de Laurie Show, 16 anos, em Lancaster, Pensilvânia. Roberts foi um piloto comercial de tanque de leite, empregado por North West Foods.

Link do post sobre o caso Laurie Show: http://pasdemasque.blogspot.com.br/2013/08/o-assassinato-de-laurie-show.html

Tiroteio na escola Amish.

Em 2 de outubro de 2006, Roberts entrou na sala da escola West Nickel Mines, por cerca das 9h51 com uma pistola 9 mm, espingarda calibre 12, 30-06 bolt-espingarda, cerca de 600 cartuchos de munição, uma arma de choque, duas facas, uma muda de roupa, uma placa de treliça aparente e uma caixa contendo um martelo, serrote, alicate, arame, parafusos, e fita adesiva. ( Tipo Ele ia PRA ALGUMA GUERRA?!! ) Ele usou laços flex e parafusos para a barricada nas portas da escola antes de amarrar os braços e pernas dos reféns. Ele ordenou que os reféns se alinhassem contra o quadro negro e libertou 15 estudantes do sexo masculino, junto com uma mulher grávida e três pais com crianças. Os restantes, dez estudantes do sexo feminino, foram mantidas dentro da escola. O professor da escola contatou a polícia após a fuga em aproximadamente 10:36 A polícia chegou cerca de nove minutos depois e tentou (sem sucesso) se comunicar com Roberts usando as emissoras PA em seus carros.


A polícia teve de quebrar as janelas quando os tiros foram ouvidos. O atirador aparentemente se matou depois de atirar em cinco meninas da escola. Três das meninas morreram no local, com mais duas morrendo na manhã seguinte no hospital. Cinco meninas estavam no hospital em estado crítico. Os relatórios indicaram que as meninas foram baleadas em estilo de execução, na cabeça. A idade das vítimas variou de 6 a 13. Roberts dispararou pelo menos 13 rodadas de sua pistola automática 9 milímetros.

Roberts foi visto pela última vez por sua esposa às 8:45 a.m. quando andaram com seus filhos até o ponto de ônibus para ir para a escola Bart Township. Quando a mulher voltou para casa às 11:00 horas, ela descobriu quatro notas que ele havia deixado para ela e seus filhos. Roberts teria contatado a esposa, ainda na escola e afirmou que havia molestado duas parentes jovens do sexo feminino (com idades entre três e cinco), vinte anos atrás (quando ele tinha 12), e tinha sonhado acordado sobre molestar novamente. Ambas as parentes em questão têm negado essas alegações. Entre os itens que ele trouxe para a escola estava um tubo de KY (lubrificante), fazendo com que os investigadores suspeitassem que ele poderia ter a intenção de usar como um lubrificante sexual. Suas notas de suicídio afirmaram que ele ainda estava zangado com Deus pela morte de um bebê prematuro nove anos antes.


Resposta Amish ao crime:

Embora a comunidade Amish tenha se entristecido profundamente pelo incidente terrível e certamente estavam muito chocados com a tragédia, mas eles também acreditavam no perdão. A Schenck Rev. mostrou relatórios de um avô de uma das meninas assassinadas e disse do assassino no dia do crime: "Não devemos pensar mal deste homem". (Isso sim é atitude Cristã, não acham?)

Jack Meyer, um membro da comunidade dos Amish em Lancaster County, explicou à CNN: "Eu não acho que há aqui alguém que quer fazer qualquer coisa, além de perdoar e não só estender a mão para aqueles que sofreram uma perda em que caminho, mas para chegar à família do homem que cometeu esses atos. "
Dwight Lefever, um porta-voz da família de Roberts, disse que um Amish confortou a família de Roberts horas depois do tiroteio e os perdoou.
Dezenas de pessoas Amish, compareceram ao funeral de Charles Roberts, em 7 de outubro de 2006. Ele foi enterrado em uma cova anônima atrás da Georgetown, Igreja Metodista Unida, a poucos quilômetros da escola West Nickel Mines. Um enlutado declarou que a esposa de Roberts, ficou tocada pelo gesto de perdão por parte da comunidade Amish. A escola foi demolida onze dias após a tragédia.

Nickel Mines return to innocence after amish school shooting


school shootings victims tribute


amish school shooting


The Amish School Shooting

2 comentários:

Maristela reis disse...

se todas as pessoas vivessem como os amishs acho que este mundo não estaria tão perdido.....Deus abençõe sempre os anjinhos que se foram naquele triste 2 de outubro de 2006

Thamires disse...

Concerteza tudo que o mundo precisa hoje é da graça e perdão de todas as pessoas,e só assim é possível que uma dor terrrível como essa seja cicatrizada.Deus nunca desampara um filho,ele conhece as nossas dores...
Perdoe pois você é perdoado!!!