segunda-feira, 8 de fevereiro de 2010

Dena Schlosser



Dena Schlosser

Nascida em 1969 em Dallas, Texas, matou sua filha Margaret Schlosser de 11 meses de idade em 2004, amputando os braços do bebê com uma faca e, supostamente, acreditando que ela estava oferecendo-lhe a Deus.



Em 22 de novembro de 2004, a polícia do Texas chegou ao apartamento Schlosser para encontrar a mãe de três, sentada calmamente em sua sala de estar, ouvindo hinos religiosos. Ela estava coberta de sangue e segurando uma faca. Os policiais estavam respondendo a uma chamada 9-1-1 feita pelos trabalhadores do day care center local, que tinham falado com Schlosser mais cedo naquele dia. O operador do 911 posteriormente telefonou para Schlosser, que euforicamente confessou que ela tinha cortado os braços de seu bebe de 11 meses de idade fora, com a canção "He Touched Me" tocada ao fundo. A criança morreu mais tarde no hospital.




O psiquiatra David Self disse mais tarde ao tribunal que Schlosser tinha tomado uma reportagem de televisão sobre um menino sendo atacado por um leão como um sinal do apocalipse. Avaliaram Schlosser nos meses após sua prisão, Schlosser disse que tinha ouvido Deus falar ordenando-lhe para remover o braço de seu bebê. O ataque foi mais tarde descrito como "loucura religiosa".




Schlosser não foi considerada culpado por razões de insanidade e foi enviada para o North Texas State Hospital até que ela já não fosse considerada uma ameaça para si mesma e para outros. Ela compartilhou um quarto com Andrea Yates  que afogou seus cinco filhos na banheira, a fim de protegê-los de Satanás.

Schlosser sofria de psicose pós-parto e foi investigada no início desse ano pelo Serviço de Proteção Infantil do Texas, que havia decidido que ela não representava mais um risco para seus filhos. Seu marido, John Schlosser, depois pediu o divórcio. Como parte do acordo de divórcio, Dena Schlosser foi proibida de ter qualquer contato com seu ex-marido e suas duas filhas sobreviventes.

Em 6 de novembro de 2008, foi anunciado que Schlosser em breve será liberada em atendimento ambulatorial. A decisão exige que ela veja um psiquiatra, uma vez por semana, tome medicação, veja um médico para não ter mais filhos e não tenha qualquer contato não supervisionado com crianças.



O documentário de 2005, The God Who Wasn't There (O Deus que não estava lá) brevemente caracterísa Schlosser, juntamente com Charles Manson e Pat Robertson, em uma lista de pessoas que usaram o cristianismo como uma justificativa para realização ou incitar outras pessoas para realizar atividades criminosas.



When Mothers Kill: America's Serotonin Nightmare (SSRIs)


Fontes: Wikipedia e murderpedia.

Sem comentários: