quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

Dorothea Helen Puente


Dorothea Helen Puente

( AI GENTE , Desculpa mas vou ter que comentar srsrsr : Olha que vovózinha mais bunitinha ownn kkkk olhando pra ela jamais imaginamos ser uma serial killer né? srs )




(nascida em 9 de janeiro de 1929 - 27 de março de 2011) foi uma serial killer condenada. Na década de 1980, Puente tinha uma pensão em Sacramento, Califórnia, e descontava os pagamentos dos seus inquilinos idosos e deficientes mentais. Aqueles que reclamaram foram mortos e enterrados em seu quintal.

Passado :



Puente nasceu como Dorothea Helen Gray, no Condado de San Bernardino, Califórnia. Seus pais - Trudy Mae Yates e Jesse James Gray - eram um casal pobre, ambos alcoólatras, trabalhavam como catadores de algodão. O pai morreu quando ela tinha quatro anos, e sua mãe morreu quando ela tinha seis anos de idade. Ela foi enviada para um orfanato até parentes de Fresno, Califórnia a levarem. Na vida adulta, ela mentiu sobre sua infância, dizendo que ela era uma de três filhos e que todos nasceram e foram criados no México.




Em 1945, ela se casou pela primeira vez na idade de 16, com um soldado chamado Fred McFaul, que tinha acabado de voltar do Pacífico. Dorothea teve duas filhas, entre 1946 e 1948, mas ela enviou uma a um de seus parentes em Sacramento, e deu a outra para adoção. Dorothea engravidou novamente, em 1948, mas sofreu um aborto espontâneo. Em 1948 , McFaul tornou-se farto e a deixou. Humilhada por ter sido abandonada, Dorothea iria mentir sobre esse casamento, e alegava que seu marido havia morrido de um ataque cardíaco. Em uma tentativa de ganhar uma renda, ela tentou forjar cheques, mas ela acabou por ser capturada e condenada a um ano de prisão, ela estava em liberdade condicional depois de seis meses. Logo após sua libertação, ela foi impregnada (engravidou) por um homem que ela mal conhecia e deu à luz uma filha, a quem ela deu para adoção. Em 1952, ela casou com um sueco chamado Axel Johanson, e teve um turbulento casamento de 14 anos.



Em 1960, ela foi presa por posse e gestão de um bordel e foi condenada a 90 dias na cadeia do condado de Sacramento. Após sua liberação, ela foi presa novamente, desta vez por a vadiagem, e condenada a mais 90 dias na cadeia. Depois disso, ela começou uma carreira criminosa que ao longo do tempo tornou-se mais grave. Ela encontrou trabalho como auxiliar de enfermagem, cuidou de pessoas com deficiência e idosos em casas particulares. Em pouco tempo, ela começou a administrar pensões.



Se divorciou de Johansen em 1966 e se casou com Roberto Puente, um homem 19 anos mais novo que ela, na Cidade do México. O casamento durou apenas dois anos. Pouco tempo depois ele terminou, Dorothea Puente assumiu uma casa de assistência de 3 andares em 2100 F Street , em Sacramento, Califórnia com 16 quartos. Lá, ela "cuidava" e dava conforto para os desabrigados e miseráveis da região.



Puente casou pela quarta vez em 1976, com Pedro Montalvo, que era um alcoólatra violento. O casamento durou apenas alguns meses, e Puente começou a gastar o tempo em bares locais à procura de homens mais velhos que estavam recebendo benefícios. Ela forjou a sua assinatura para roubar seu dinheiro, mas ela finalmente foi presa e acusada de 34 crimes de fraude em tesouraria. Enquanto em liberdade condicional, ela continuou a cometer as mesmas fraudes.



Segundo os registros da Corte de Recursos da Califórnia, em 1981, Puente começou a alugar um apartamento no andar de cima em 1426 F Street, no centro de Sacramento. Os nove assassinatos com o qual ela foi acusada em 1988 (mas foi condenada, em 1993) foram associados com esse apartamento.

Assassinatos :

A reputação na casa Dorothea foi mista. Alguns moradores ressentiam sua mesquinhez e reclamaram que ela se recusou a dar-lhes suas correspondências ou dinheiro, outros elogiaram por pequenos atos de bondade ou por suas refeições generosas. Os motivos de Puentes para matar os inquilinos eram financeiros, sua renda mal começou e já totalizava mais de $ 5000/mês. Quando apreendida, Dorothea estava na posse de perfume caro e vestidos de seda.

Os assassinatos parecem ter começado logo após que Ponte começou alugando um espaço em casa na Rua F 1426. Em abril de 1982, uma velha amiga e parceira de negócios Ruth Monroe, 61 anos, começou a viver com Puente em seu apartamento no andar de cima, mas logo morreu de uma overdose de codeína e Tylenol. Puente disse à polícia que a mulher estava muito deprimida porque seu marido era doente terminal. Eles acreditaram nela e julgaram o incidente como sendo suicídio.

Ruth Munroe


Poucas semanas depois, a polícia estava de volta depois que um pensionista de 74 anos de idade chamado Malcolm McKenzie, acusou Puente de drogar e roubar dele. Ela foi condenada por três acusações de roubo em 18 de agosto de 1982, e condenada a cinco anos de prisão. Enquanto estava na prisão, ela começou a se corresponder com um aposentado em Oregon, chamado Everson Gillmouth, de 77 anos. A amizade foi se desenvolvendo, e quando Puente foi liberta em 1985, depois de cumprir apenas três anos de sua sentença, ele estava esperando por ela em um picape Ford 1980 vermelho. Sua relação desenvolveu-se rapidamente, e o casal foi logo fazendo planos de casamento. Eles abriram uma conta bancária conjunta e pagavam US $ 600-por-mês para alugar o apartamento em 1426 F Street, em Sacramento.

Em novembro de 1985, Puente contratou um "faz-tudo", Ismael Florez, para instalar alguns painéis de madeira em seu apartamento. Por seu trabalho deu um adicional de US $ 800, Puente deu-lhe uma picape Ford 1980 vermelha em bom estado, afirmou que ela pertencia a seu namorado em Los Angeles, que já não precisava mais do carro, então ele podia ficar com ele. Dorothea Puente então pediu para Florez fazer mais uma coisa: construir uma caixa de 6 metros por 3 metros por 2 metros para armazenar livros e outros itens. Então colocou algo na caixa e pediu para ele ajudar ela a transportar a caixa. Florez concordou, e Puente se juntou a ele. No caminho, porém, ela disse-lhe para parar quando estavam no Jardim Highway, no Condado de Sutter e despejar a caixa no rio. Puente disse-lhe que o conteúdo da caixa era apena lixo.

Em 1 de janeiro de 1986, um pescador avistou a caixa a cerca de três metros da margem do rio e informou a polícia. Os investigadores encontraram um corpo em decomposição e não identificaram o homem idoso dentro. Enquanto isso, Puente continuou a cobrar a pensão de Everson Gillmouth e escreveu cartas para sua família, explicando que o motivo pelo qual ele não tinha contato com eles era porque estava doente. Ela também manteve uma sala "e" placa de negócios, tendo em média 40 novos inquilinos (a maioria dos quais eram alcoólatras e toxicodependentes). Embora ela estivesse fazendo um bom lucro com isso, ela queria mais dinheiro e, portanto, começou a frequentar bares procurando por novos clientes. O corpo não identificado de Gillmouth permaneceu sem identificação por três anos.

Everson Gillmouth


Puente continuou a aceitar inquilinos idosos, e ficou popular com os assistentes sociais locais, porque ela aceitava "casos difíceis", incluindo os toxicodependentes e os inquilinos abusivos.
Durante este período, os agentes da condicional visitaram Puente, que havia sido condenada a ficar longe das pessoas idosas e abster-se de manipulação de controlo do governo, um mínimo de quinze vezes na residência. Nenhuma violação nunca foi notada.

A suspeita foi despertada quando os vizinhos notaram as atividades estranhas de um morador de rua alcoólatra conhecido apenas como "Chefe", a quem Puente declarou que tinha "adotado" e fez dele seu "faz-tudo" pessoal. Puente fez Chefe escavar no subsolo e no solo e carregar cestos de lixo para fora em um carrinho de mão. Ao mesmo tempo, a cova estava coberta com uma laje de concreto. Chefe depois derrubou uma garagem no quintal e instalou uma laje de betão fresco lá também. Logo depois, o chefe desapareceu.


Prisão

Em 11 de novembro de 1988, a polícia abriu um inquérito após o desaparecimento do arrendatário Alvaro Montoya, um esquizofrênico trabalhador social. Após notar o solo perturbado na propriedade, descobriram o corpo da inquilina Leona Carpenter, 78. Sete corpos foram finalmente encontrados, e Puente foi acusada de um total de nove assassinatos condenada por três, e recebeu duas penas de prisão perpétua, morreu de causas naturais em 27 de março de 2011, aos 82 anos.



Durante a investigação inicial, Puente não foi imediatamente suspeita (CLARO COM A CARINHA DE VOVÓZINHA do desenho Piu Piu QUE ELA TINHA!! SRSR), e foi autorizada a deixar a propriedade, brevemente para comprar uma xícara de café em um hotel nas proximidades. Em vez disso, ela fugiu para Los Angeles, onde ela imediatamente fez amizade com um idoso, que reconheceu ela a partir de relatórios da polícia e chamou as autoridades, mas não antes de pagar algumas de suas despesas e se divertir com sua sugestão de coabitação.
Puente ficou presa na unidade central Califórnia da Mulher (CCWF) em Madera, na Califórnia. Ela manteve a sua alegação de inocência e insistiu que todos os inquilinos morreram de causas naturais.


Curiosidades

Em 1998, Dorothea começou a se corresponder com Shane Bugbee, que realizou uma extensa entrevista com ela ao longo de vários anos. Ela começou a enviar-lhe várias receitas, e em 2004 o livro "Cozinhando com uma serial killer" foi lançado. Ela incluiu uma entrevista longa, quase 50 receitas, e várias peças de arte.

Fotos de vítimas.     Fotos das buscas. 



Sem comentários: