quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010

Larry Eyler - Highway Killer


Larry Eyler


Eyler era o caçula da família de três filhos. Na maior parte de sua vida, tinha conflitos com sua sexualidade, até que percebeu que era gay. Mas essa percepção criou danos à sua psique que tirou qualquer possibilidade de vínculo com os outros por medo de rejeição e repulsa por quem ele era. (PALMAS PRA SOCIEDADE! PALMAS PARA FELICIANO e seus seguidores. O preconceito o transformou em um monstro)

Eyler abandonou a escola, como a obtenção de GED ( educação em casa ) em sua tentativa de obter uma educação universitária, mas sem sucesso. Eyler encontrou a única coisa que poderia satisfazê-lo, múltiplos assassinatos. Eyler não apenas matava, ele mutilava e degradava suas vítimas, também. Eyler estava envergonhado de sua sexualidade e nunca foi capaz de aceitar que ele era gay, por isso a única maneira de provar a si mesmo que ele era uma pessoa digna, era matar os outros e tirar o seu orgulho. (Homofobia é desejo reprimido, ou simples e pura ignorância de mentes alienadas, manipuladas por líderes religiosos, na minha opinião)

Eyler com 11 anos de idade.


O caso "Murders Highway" foi o pesadelo dos investigadores. Um assassino brutal percorria à vontade em todo o Meio-Oeste americano, visando garotos de programa e caronistas, cortando-os à morte e descartando seus corpos mutilados em localidades rurais. Pelo menos dez vítimas foram mortas antes de membros de várias agências policiais perceberam que os casos envolviam um único predador. Mesmo assim, os anos de desconfiança e perseguição policial na comunidade gay impediram testemunhas e traumatizados sobreviventes da onda de crimes de se comunicar com as autoridades.

Os assassinatos de estrada aconteceram em quatro estados e 14 municípios, do sudeste do Wisconsin para centro-norte de Kentucky. Na pior das hipóteses, o caso destacou falhas na comunicação entre as cidades, municípios, estadual e federal, enquanto o assassino - ou assassinos - estava livre para transitar e caçar nas ruas de Chicago em bares gays de Indianápolis e pequenas comunidades agrícolas. Mesmo depois de uma força-tarefa ter sido formada e um suspeito identificado, os assassinatos continuaram - 13 na verdade, para assombrar a polícia.


Por um tempo, parecia que o perseguidor era imparavel - até sua própria arrogância desastrada o levou ao tribunal e, finalmente, mandou-o para o corredor da morte.
Mas, mesmo assim, o caso tinha mais surpresas. Eles pensavam que o assassino enjaulado poderia ter um cúmplice - um respeitado acadêmico de uma universidade reconhecida em  Indiana - e ele concordou em testemunhar contra o homem que dizia ser tanto o mentor quanto o exultante testemunho de seus crimes cruéis. O julgamento e seu resultado surpresa acrescentaram outra reviravolta para um dos casos de assassinatos em série mais complicados da América e deixou a conclusão em dúvida - talvez para sempre.


Crimes

Steven Crockett, 19 anos, foi a primeira vítima conhecida do assassino Highway, morto a facadas e descartado em um milharal em Kankakee, Illinois, a 40 km ao sul de Chicago e de 15 milhas a leste da linha do estado de Indiana.  A descoberta de seu cadáver mutilado em 23 de out de 1982 não levantou alarmes fora da área imediata de Kankakee County.


Steven Crockett

A vítima de número dois, embora não reconhecido como tal por quase sete meses, foi John R. Johnson, 25 anos. Ele desapareceu do distrito de Chicago, num bairro de andarilhos sem raízes e transplantados Apalaches "caipiras", uma semana depois do dia o corpo de Steve Crockett foi encontrado. Faltando dois meses, ele foi encontrado perto de Lowell, Indiana - cerca de 35 km a nordeste de onde Crockett foi encontrado - no dia de Natal.

John Johnson

A polícia de Illinois e Indiana não tinha nenhuma razão para suspeitar que os dois crimes eram relacionados e, o Centro Nacional do FBI para Análise de Crimes Violentos não iria começar a informatizar os registros de assassinatos não resolvidos até junho de 1984, não havia nenhum método prático para verificar crimes semelhantes em estados diferentes. O assassino da estrada era um predador ocupado, no entanto, ele logo forneceria às autoridades, evidências de sua existência. Mas infelizmente, eles escolheram ignorá-las.

Mais dois corpos mutilados foram encontrados pela polícia de Indiana em 28 de dezembro de 1982. Primeira vítima do dia,  Steven Agan, 23 anos, tinha saído da casa de sua mãe em Terre Haute para pegar um filme com "os meninos" e nunca mais voltou. Encontrado em uma área arborizada perto de Newport, em Vermillion County, Agan tinha sido cortado em toda a garganta e esfaqueado repetidamente sobre o abdome, deixando-o estripado. Parentes chamados para identificar o corpo insistiram que as meias tube encontradas em seus pés na morte não eram uma parte do guarda-roupa de Agan.

Steve Agan

A vítima número dois do dia 28 de dezembro foi John Roach, um residente de Indianapolis, 21 anos, morto a facadas em um frenesi maníaco antes que seu corpo fosse jogado ao longo da Interstate Highway 70 em Putnam County, cerca de trinta quilômetros ao sudoeste de sua casa. Mais uma vez, a ligação em dois casos separados - elaborados a partir de jurisdições distintas, quarenta quilômetros de distância e separadas umas das outras por Parke County - poderia ter sido perdida, exceto por um capricho do destino.

Uma vez que nem Vermillion nem Putnam tinham seus próprios patologistas forenses, as vítimas foram encaminhadas ao Hospital Bloomington, para exame pelo Dr. John Pless. Os crimes, embora não idênticos, eram semelhantes o suficiente para que Dr. Pless suspeitasse de um serial killer. Antes do final do dia, Pless relatou suas suspeitas para a Polícia do Estado de Indiana - que por sua vez rejeitou-o como um alarmista.

A Próxima vítima do assassino pode ter sido David Block, 22 anos, um recém-graduado de Yale, que desapareceu em 30 de dezembro de 1982, enquanto visitava seus pais em Highland Park afluente subúrbio de Chicago. O Volkswagen novo de Block foi recuperado do Tollway Tri-State perto de Deerfield, norte de Chicago, e enquanto ele continuava desaparecido, as autoridades observaram que Deerfield fica em Lake County, Illinois - 60 milhas ao norte de Lake County, Indiana e da cena da morte de John Johnson. Quando os restos mortais de Block foram encontrados perto de Zionsville, Illinois em 07 de maio de 1984, a decomposição avançada impossibilitou que descobrissem a causa exata da morte.

David Block

Os membros das comunidades gays de Chicago e Indianápolis já reconheciam o que a polícia estava relutante em admitir: a um serial killer de gays estava atuando em todo o Centro-Oeste. Os crimes reviveram lembranças feias de John Wayne Gacy  então no corredor da morte em Menard, Illinois - mas Gacy tinha escondido suas vítimas, enquanto o assassino da estrada parecia exibir seus crimes. Em janeiro de 1983, a um jornal gay em Indianapolis tinha estabelecido uma linha telefônica para obter dicas sobre o caso e perfil do assassino como um homossexual que sentia auto-aversão, e que matava seus parceiros de uma noite para refutar desejos que ele considerava indesejáveis. A polícia local, por sua vez, ainda se recusava a ligar os crimes.

A próxima vítima da estrada verificada foi de 27 anos de idade, Edgar Underkofler, encontrado morto a facadas perto de Danville, Illinois em 4 de março de 1983. Como no caso de Steven Agan, o assassino tinha tirado os sapatos e as meias de Underkofler, substituindo-los com meias tube que a vítima não possuía.

Jay Reynolds foi o sexto a morrer, o jogador de 26 anos, proprietário de uma sorveteria em Lexington, Kentucky. Reynolds saiu de casa para fechar o seu negócio, na noite de 21 de março e nunca mais voltou. Seu cadáver mutilado foi encontrado no dia seguinte, descartado na EUA Highway 25 na zona rural de Fayette County, ao sul da cidade.


A primeira vítima de abril - e número sete do assassino  foi Gustavo Herrera, 28 anos, encontrado por trabalhadores da construção civil em Lake County, Illinois, perto da fronteira com Wisconsin. Um morador do distrito de Uptown, em Chicago, Herrera era um pai de dois filhos, mas ele também frequentava bares gays locais. Além de várias facadas, o assassino tinha cortado a mão direita de Herrera e removido do local onde ele foi encontrada em 8 de abril de 1983.

Gustavo Herrera

Outra vítima foi descoberta em Lake County, uma semana depois, no dia 15 de abril. O mais jovem até a data, ele tinha 16 anos de idade, Ervin Gibson, encontrado em Lake Forest. O corpo de Gibson havia sido grosseiramente camuflado com folhas, e ele foi encontrado estendido ao lado do corpo sem vida de um cão. Detetives observaram que ambas as vítimas tinham sido jogadas perto rampas de saída para a Interstate Highway 94.

A primeira vítima negra do assassino, de 18 anos de idade, Jimmy T. Roberts, foi encontrado no Condado de Cook, Illinois, Indiana, perto da fronteira, em 9 de maio de 1983. Um nativo de Chicago, Roberts havia sido esfaqueado mais de trinta vezes, depois que o assassino puxou as calças dele para baixo e virou seu corpo em um riacho. A água tinha retirado todos os sinais de agressão sexual, mas um motivo sádico era claro, como nos oito crimes anteriores.

O caso mudou para sempre quando outra vítima foi descoberta em 9 de maio de 1983. Descoberto em um campo ao lado de Indiana State Road 39, no Condado de Henderson, Daniel McNeive, 21 anos, foi um batalhador em algum momento numa rua de Indianapolis. Ele havia sido esfaqueado 27 vezes, com um dos cortes abdominais deixando suas entranhas expostas. Porque Henderson County não tinha médico legista, o cadáver foi enviado para Bloomington Hospital - e Dr. John Pless mais uma vez viu marcas de uma mão familiar no trabalho. Perturbado, Pless alertou a polícia estadual pela segunda vez. Desta vez eles não só o ouviram como acreditaram nele.

Daniel McNeive

O suspeito

Seis dias depois que cadáver de McNeive foi descoberto - 15 de maio de 1983 - os membros de diversas agências policiais de Indiana se reuniram para discutir os assassinatos nas rodovias. Fizeram uma reunião em Indianapolis, e organizaram uma força-tarefa, formalmente batizado de Indiana Multi-Agência Equipe de Investigação Central. O tenente Jerry Campbell, do Departamento de Polícia de Indianapolis, foi designado para liderar a equipe, auxiliado pelo sargento Frank Love da polícia estadual. Um mês depois, em 14 de junho, cinquenta funcionários de oito jurisdições se reuniram para rever a pontuação de assassinatos não resolvidos, todos envolvendo homens jovens ou adolescentes que foram esfaqueados ou estrangulados até a morte, seus corpos foram despejados ao longo de rodovias em todo o estado.
Até o momento dessa segunda reunião, a força-tarefa já tinha um principal suspeito. Em 06 de junho receberam um telefonema de Indianapolis, nomeando Larry Eyler, 31 anos, como o assassino da estrada. A pessoa que ligou não tinha nenhuma evidência direta de assassinato, mas fez alusão a um incidente a partir de agosto de 1978, quando Eyler atacou o caroneiro Mark Henry em Terre Haute. Eyler tinha dado Henry uma carona em 03 de agosto, em seguida, puxou uma faca de açougueiro quando Henry rejeitou suas propostas sexuais, desviando para uma rua lateral escura, onde ele forçou Henry a deitar no banco de sua caminhonete, despiu e algemou os pés da vítima, então Eyler começou a acariciar seu corpo com a faca. Aterrorizado, Henry conseguiu se soltar e saiu mancando do caminhão, Eyler persegui-o e esfaque-o uma vez, com força suficiente para perfurar um pulmão. Henry se fingiu morto, e Eyler rapidamente deixou cena do crime. Deixado sozinho, Henry cambaleou até um trailer ali perto e despertou um inquilino, que o levou para o hospital.

Eyler, por sua vez, também tinha parado nas proximidades, em uma casa ao acaso para confessar seu crime e entregar a chave da algema. A polícia encontrou-o esperando em sua picape e o prenderam, confiscando uma espada, três facas, um chicote e uma lata de gás lacrimogêneo. A fiança foi inicialmente fixada em US $ 50.000, reduzida para US $ 10.000 em 04 de agosto por um juiz simpático, ao que um dos amigos de Eyler postou 1,000 dólares como garantia para a sua libertação. Acusado de tentativa de homicídio, Eyler “meteu o louco” em 23 de agosto, depois que seu advogado deu um cheque de US $ 2.500 para Henry que, consequentemente, se recusou a prestar queixa. O juiz Harold Bitzegaio tinha encerrado o caso em 13 de novembro de 1978.

Em 6 de Fevereiro de 1984. Com o advogado e mãe. 


O esfaqueamento de Henry não era o único contato de Eyler com a polícia. Três anos após esse incidente, em 1981, ele foi preso por drogar um menino de 14 anos e jogá-lo inconsciente no bosque perto de Greencastle, Indiana. Essa vítima também tinha sobrevivido, seus pais retiraram as acusações, quando ele deixou o hospital sem danos permanentes.

Larry Eyler parecia levar uma vida chique, mas ele veio de origem humilde. O caçula de quatro filhos, nascidos em Crawfordsville, Indiana, em dezembro de 1952, viu o divórcio dos pais, quando ele ainda era uma criança. Abandonou a escola em seu último ano, Eyler mais tarde ganhou seu GED e tentou cursar novamente a faculdade, participando esporadicamente de 1974 até 1978, até que desistiu de ter um diploma. Ele gostava de camisetas e uniformes militares, mas nunca serviu de uniforme. Mais tarde, ele viveu em Terre Haute com Robert David Little, professor de ciência da biblioteca em Indiana State University. Eyler trabalhou meio período em uma loja de bebidas em Greencastle e muitas vezes, dirigia a Chicago para  negócios desconhecidos.

Em julho de 1983 os membros da força-tarefa se concentraram em Eyler como seu único suspeito no caso. Peritos do FBI estavam menos certos, observando evidências de assassinos separados em pelo menos dois dos homicídios. Oficiais de Indiana se concentraram em Eyler, já que não tinha outras perspectivas. Ele passou vigiado durante o dia, fotografado enquanto viajava para o trabalho, seguido a vários bares depois de escurecer. Não foram cometidos assassinatos enquanto Eyler permaneceu sob vigilância, mas restos mortais de uma vítima XI - Este não identificado - foram encontrados em Ford County, Illinois em 2 de julho de 1983. Investigadores obedientemente acrescentaram o cadáver na lista.

Em 27 de agosto de polícia seguiu Eyler a um bar gay em Indianapolis, observando como ele deixou o espaço em um curto período de tempo, com outro homem. Eyler levou seu caso de uma noite para um motel Greencastle, onde alugaram um quarto. O movimento rompeu o padrão de Eyler, o que favoreceu o sexo ao ar livre na cama de sua caminhonete - com um colchão de plástico envolto - e os oficiais temiam que poderiam perder um homicídio em andamento, enquanto eles ficavam ociosos fora do motel. Finalmente, um deles subiu para o quarto e olhou pela janela, correndo de volta para relatar que não havia qualquer evidência de violência.

Perto da meia-noite em 30 de agosto 1983, Ralph Calise, 28 anos deixou o apartamento que dividia com a namorada no subúrbio de Chicago Oak Park, Illinois, perto de Uptown. Calise gostava de festa e muitas vezes desaparecia durante a noite, mas ele nunca mais voltou dessa vez. Uma equipe de lenhadores encontraram seu cadáver mutilado em 31 de agosto, em Lake Forest, perto dos locais onde foram encontrados Gustavo Herrera e Ervin Gibson em abril de 1983.

Ralph Calise

O assassinato de Calise parecia se encaixar no padrão do assassino da estrada. Encontrado nu da cintura para cima, com as calças para baixo, a vítima tinha sido esfaqueada dezessete vezes com uma faca de lâmina longa, praticamente estripado. Marcas nos pulsos sugeriram que ele foi algemado antes da morte. Marcas de pneus e pegadas na cena do crime ajudaram a polícia a encontrar os primeiros traços reais do assassino que confessaria pelo menos uma dúzia de assassinatos.

Uma Investigação a fundo sobre Calise revelou uma vida conturbada. Ele largou a faculdade em seu primeiro semestre, compilando um registro de prisões por posse de drogas, incêndio, e episódios de violência. A polícia havia recomendo tratamento psiquiátrico, mas Calise não tinha dinheiro para o aconselhamento e foi passar uma temporada com o Exército da Salvação que não conseguiu transformar sua vida. Conhecido por amigos e familiares como um alcoólatra e usuário de drogas, Calise estava vivendo no bem-estar quando se encontrou com o assassino em agosto.

Uma revisão dos casos de Illinois até agora disse à polícia que quatro vítimas do assassino Highway - Crockett, Johnson, Herrera e Calise - tinham vivido em ou perto do bairro Uptown antes que eles foram assassinados e jogados em bairros periféricos. Mais ao ponto, Herrera e Calise viveram apenas duas portas de distância, no Norte Kenmore Street. Em torno daquele tempo, estas revelações surgiram - em 03 de setembro de 1983 – detetives de Illinois também perceberam pela primeira vez na investigação em curso de Indiana que eram quatro casos semelhantes.


A conexão interestadual se tornou mais plausível quando os policiais de Chicago ouviram falar sobre Craig Townsend, tirado do bairro Uptown em 12 de outubro de 1982 por um homem que dirigia por toda a linha de estado, o drogou e espancou, em seguida, abandonou-o semi-consciente perto de Lowell, Indiana . Transportado para Crown Point para o tratamento, Townsend fugiu do hospital sem descrever o agressor à polícia. Ele estava desaparecido em setembro de 1983, mas as autoridades tiveram acesso a arquivos de quando ele teve uma detenção por posse de drogas.

Em 8 de setembro de 1983, investigadores da Waukegan e Indianapolis convergiram em Crown Point, Indiana, para uma conferência sobre os assassinatos. Agentes do FBI foram convidados a participar da reunião, proporcionando um perfil psicológico do assassino da Unidade de Ciência Comportamental do FBI em Quantico, Virginia. Esse perfil descreveu o assassino como um "homem do tipo MACHÃO" que goste de traje militar e frequentador de bares "caipiras" em uma tentativa de negar sua própria sexualidade. Assassinato após o sexo era uma negação absoluta de sua sexualidade, alguns cadáveres cobertos com folhas ou terra solta para esconder o ato.

Detetives de Indiana concordaram que o perfil parecia se encaixar com o de Larry Eyler em todos os aspectos, bonés com estampas do Corpo de Fuzileiros Navais e camisetas, as bebidas e como ele saia de noite em alta velocidade na sua pickup. Informado de suas suspeitas em Eyler para Chicago, as polícias de Illinois Indiana deram suas fotografias de marcas de pneus e pegadas da cena do crime Calise, para comparação futura contra a retirada e botas de Eyler. Eles também concordaram em manter a vigilância em Eyler se ele aparecesse em Chicago.

Em frente a loja de licor que ele trabalhava - 1983

Antes de o mês terminar, a polícia do estado de Indiana teria a chance de parar o assassino Highway - mas a oportunidade iria encontrá-los grosseiramente despreparados.

Prisão
Em 30 de setembro de 1983, a polícia de Chicago observou Larry Eyler passeando em um bairro favorecido por prostitutos. A vigilância estabelecida, os policiais assistiram de seus carros como Eyler pegou um jovem, então o deixou a alguns quarteirões dali. Detetives questionaram o rapaz sobre a reunião, ele explicou que ele havia rejeitado a oferta de dinheiro de Eyler para o sexo, porque ele simplesmente "queria se divertir."

Foto de Eyler tirada pela policia em um posto de gasolina


A vigilância continuou, Eyler dirigiu ao redor Uptown, finalmente parando para Arkansas parando Darl Hayward. Na pickup, Eyler Hayward ofereceu R $ 100 para o sexo, especificando escravidão como sua preferência. Hayward resistiu brevemente, mas acabou concordando. Ainda desconhecendo que os detetives o estavam seguindo, Eyler deu um perdido neles dirigindo para o sul na Interstate 90, deixando Chicago, atravessando em Lake County, Indiana. Apesar de suas suspeitas de um possível assassinato em andamento, ninguém da equipe de vigilância alertou oficiais de Indiana que Eyler estava indo para lá com uma vítima em potencial.


Newton County, Indiana, 4 corpos encontrados em 19 de outubro de 1983

No Leste de Lowell, Eyler estacionou ao longo da estrada e convenceu Hayward a retirar sua camisa. Feito isso, Eyler convenceu seu encontro a deixar o carro e caminhar em um campo próximo, e a ter relações sexuais em um celeiro abandonado. Eles estavam voltando para a picape quando o policial do estado Kenneth Buehrle passou; alguns minutos antes das 07h00, e viu o caminhão estacionado ilegalmente, e dois homens saindo das matas. Ele parou para questioná-los, com a intenção - assim disse ele mais tarde - de emitir uma advertência por estacionamento ilegal ao lado de uma rodovia interestadual.

Tudo isso mudou num piscar de olhos, quando Buehrle teve a carteira de motorista do Eyler e pelo rádio avisou seu despachante para verificar se havia mandados pendentes. Membros da força-tarefa trabalhando no turno da noite ouviram o nome de Eyler no ar e correram para o local. Eles questionaram os dois homens, então Eyler foi algemado e levado para o quartel da polícia estadual em Lowell, seu caminhão foi rebocado.

Na delegacia Lowell, Hayward finalmente admitiu que Eyler havia lhe oferecido dinheiro por sexo. Mas não chegou a ter o dinheiro em mãos até a hora que a polícia chegou, porém, Eyler  tinha o dinheiro no bolso. As 13:30 antes de detetives questionarem Eyler, exames de suas botas revelaram que as solas pareciam modelos de gesso da cena do crime de assassinato de  Calise, Eyler havia entregado as botas sem protesto. Ele também concordou com a busca de seu caminhão, acreditando que a polícia "iria fazê-lo de qualquer maneira" ele concordando ou não. Uma faca manchada de sangue foi retirada da pickup e os detetives de Illinois foram convocados para Lowell, mas ainda não tinham chegado quando Eyler foi liberado - sem as botas, um telefonema, ou assessoria de seus direitos legais - as 19:00.

Na manhã seguinte, pouco depois das 4h00, o tenente-Jerry Campbell levou uma equipe de policiais até a casa pequena de Robert Terre Haute. Desta vez, eles tinham um mandado de busca. Entre os itens apreendidos foram algemas e recibos de cartão de crédito no quarto de Eyler, além de registros telefônicos encontrados na cozinha. Eyler não foi preso e sua caminhonete não foi apreendida, a polícia retirou-se para estudar o curso de evidências em potencial.

Os registros telefônicos surpreenderam, revelando um padrão de chamadas de longa distância para o número da casa de Little, muitas vezes na calada da noite. Três chamadas de Illinois especialmente intrigaram as autoridades. Um tinha sido feito de Cook County Hospital em 08 abril de 1983, poucas horas antes de o corpo de Gustavo Herrera ter sido encontrado. A segunda foi  rastreada para a casa de John Dobrovolskis, em Mid-North Side de Chicago. A terceira chamada foi feita a partir de um número mais tarde desligado, deixando oficiais para especular em vão sobre a sua origem.

John Dobrovolskis com sua família - Ele era amante de Eyler.



A policia de Lake County visitou a casa de Dobrovolskis em 03 de outubro e encontrou Eyler lá, sua caminhonete estava estacionada do lado de fora. Num impulso, eles apreenderam a caminhonete e levaram Eyler para interrogatório, assegurando-lhe que ele não estava preso e não precisa de um advogado. Até o momento em que Eyler finalmente pediu um advogado, as 4h00 em 4 de outubro, ele já havia confessado ter um caso de longo prazo com John Dobrovolskis - um homem casado e com filhos. Liberado as 04:40 sem o seu caminhão, Eyler pegou o trem de manhã de volta para Chicago e para a casa de Dobrovolskis.

Pouco depois de seu lançamento, dois caçadores de cogumelos encontraram um torso desmembrado de um homem em um saco de lixo plástico descartado perto da Highway 31 em Petrified Springs Park, no Condado de Kenosha, Wisconsin. Uma autópsia revelou que a cabeça, braços e pernas haviam sido cortados com uma serra de dentes finos, e que o tronco tinha sido drenado de sangue. Embora as partes cortadas nunca tivessem sido encontrados, exames identificaram a vítima como Eric Hansen, 18 anos, um traficante de rua de St. Francis, Wisconsin, visto pela última vez em Milwaukee, em 27 de setembro.

E as descobertas sombrias continuaram. Em 15 de outubro, o arado de um fazendeiro virou restos do esqueleto de um "John Doe" (vítima cuja identidade não é descoberta é chamada assim lá) vítima de Jasper County, Indiana, a sudoeste de Rensseler. Os ossos estavam entalhados por facadas, indicando morte por esfaqueamento. Quatro dias depois, os caçadores de cogumelos tropeçaram no cemitério privado do assassino da estrada. Em uma fazenda há muito abandonada fora de Lake Village, Indiana, mais quatro vítimas foram descobertas em diferentes estados de decomposição. Três eram homens brancos, enterrados juntos, enquanto a vítima negra tinha sido "separada" dos outros, do outro lado de uma árvore. Dentro de um galpão nas proximidades, os detetives encontraram um pentagrama e uma cruz invertida - considerados sinais de satanismo - pintada em uma viga. Duas das vítimas permanecem para sempre sem nome, os outros foram identificados como Michael Bauer, 22 anos John Bartlett, 19 anos.

Michael Bauer

John Bartlett

A notícia da descoberta trouxe duas vítimas sobreviventes a tona. Ed Healy escreveu a polícia de West Virginia, recordando a noite de 01 de junho de 1980, quando Larry Eyler o algemou para o sexo, então bateu nele por uma hora e o ameaçou com uma espingarda. Jim Griffin, de Chicago, identificou Eyler como o homem que ele tinha levado para casa para o sexo em 30 de novembro de 1981. Na casa de Griffin, Eyler ficou violento, bateu nele e o ameaçou com duas facas e um picador de gelo. A polícia também localizou Craig Townsend, em 26 de outubro de 1983, registrando seu testemunho sobre um ataque de Eyler 12 meses antes.

Ao mesmo tempo, um laço de evidência científica foi apertando Larry Eyler. Técnicos de laboratório do FBI encontraram sangue humano, do tipo A positivo, na faca removida da caminhonete de Eyler, e marcas distintas nas solas de suas botas foram pareadas com moldes de gesso de pegadas encontradas na cena do assassinato de Calise. Quando eles cortaram as botas dele em 26 de outubro, os técnicos encontraram mais sangue - de novo A-positivo, tipo de Calise - dentro, embebido através do revestimento interior. Algemas apreendidas da casa de Robert Little foram consideradas "compatíveis" com as marcas deixadas nos pulsos de Calise. Os pneus da caminhonete de Eyler, igualmente, foram pareados com os moldes de faixas da cena do crime Calise.

Uma audiência preliminar foi convocada em Waukegan, com o juiz Paul Plunkett, em 28 de outubro de 1983. Diversas testemunhas descreveram as evidências ligando Eyler ao assassinato de Calise e ele foi detido para julgamento, preso, a fiança para sua soltura era de US $ 500.000. Investigadores de quatro estados soltaram um suspiro coletivo de alívio.

Mas eles foram precipitados.

O advogado David Schippers sabia reconhecer uma má investigação, quando via uma. Uma vez que foi um promotor em Chicago, ele trouxe seu conhecimento dos métodos da polícia com ele, quando ele entrou em um consultório particular. Agora, como o advogado de Larry Eyler, ele estava instantaneamente alerta para problemas com as provas e declarações recolhidas por investigadores que trabalham no caso do “assassino da estrada”. Em 13 de dezembro de 1983, Schippers apresentou uma moção para eliminar todas as evidências coletadas no caso, incluindo declarações de Eyler à polícia em 30 de setembro e 3-4 de outubro, além de itens apreendidos em várias pesquisas de seu caminhão e na casa de Robert Little, realizada em 30 de setembro , 01 de outubro, 01 de novembro e 22 de Novembro de 1983.

Algumas evidências.

Uma audiência foi convocada em Lake County, perante o juiz William Block, em 23 de janeiro de 1984. Os depoimentos duraram quatro dias, com as testemunhas, incluindo sete policiais, John Dobrovolskis, sua esposa Sally, e o próprio Larry Eyler. Em cada caso, Schippers tentou mostrar um padrão de comportamento negligente e ilegal por parte dos policiais, sugerindo que as provas apreendidas e declarações que foram gravadas deveriam ser inadmissíveis no julgamento.

O promotor Peter Trobe, abriu as gravações e declarações de Eyler de 24 de janeiro em 30 de setembro de 1983. O sargento da Força-tarefa, Frank Love descreveu sua entrevista com Eyler, admitindo que a força-tarefa não tinha provas para indiciar Eyler com um crime, quando ele foi preso. Love também admitiu que estava "bastante preocupado" com o confinamento de 12 horas de Eyler, na ausência de causa provável para prisão. Outro membro da força-tarefa, Sam McPherson, disse que as botas de Eyler estavam "perto o suficiente" das da cena do crime de Calise a mereciam investigação - e não podia entender porque Eyler foi liberado, se a prova de o incriminava. Eyler testemunhou em 24 de janeiro, admitindo que deu o consentimento para oficiais para revistar sua caminhonete, alegando que ele temia ser mantido na prisão até que ele concordasse. Confuso e assustado, Eyler disse que tinha concordado em tudo o que seus captores pediram, em uma tentativa de ser liberado.

CULPADO:

Às 06:00 em 21 de agosto de 1984, o zelador de um prédio de apartamentos na West Sherman Street, em Chicago, começou a retirar os lixos da lixeira do seu prédio da manhã. No processo, um saco escorregou de suas mãos e caiu no chão, expelindo uma perna humana decepada.

A polícia foi chamada e descobriu que os outros sacos de lixo também continham restos desmembrados de um jovem homem branco, seu corpo foi cortado em oito pedaços. Testemunhas contaram ter visto um inquilino da casa de depósito ao lado das lixeiras ao redor das 15:30 em 20 de agosto. Uma identificou o homem como Larry Eyler, um inquilino em 1618 Ocidente Sherman. Eyler parecia estranho no dia anterior, com um olhar "vidrado". Perguntado por que ele estava despejar lixo no lixo de um vizinho, ele respondeu: "Eu vou me livrar de algumas merdas."

A polícia invadiu o apartamento de Eyler às 07:00 e pegou-o na cama com John Dobrovolskis. Ele foi preso para interrogatório, enquanto os restos mortais encontrados no lixo foram enviadas para o laboratório criminal do Departamento de Polícia de Chicago, lá foi identificado como Danny Bridges 16 anos de idade. Digitais encontradas nos sacos de lixo correspondiam com as de Eyler, e ele foi formalmente acusado de homicídio em primeiro grau as 08:00 Evidências encontradas em seu apartamento incluíam inúmeras manchas de sangue, uma caixa de sacos de lixo correspondente aos que continham o corpo, uma serra e uma camiseta que pertencia a Danny Bridges.

Danny Bridges

Eyler não se declarou culpado da acusação de assassinato em 13 de setembro, e manobras legais adiaram seu julgamento por quase dois anos. Finalmente, o processo foi aberto em Cook County Court Criminal em 1 de Julho de 1986, perante o juiz Joseph Urso. Os jurados condenaram Eyler de todas as acusações em 9 de julho, mas o seu destino seria decidido em fase de grande penalidade do julgamento, com início em 30 de setembro - três anos, para o dia desde que ele foi parado pelo policial Kenneth Buehrle em Lake County, Indiana. Em 3 de outubro de 1986, o Juiz Urso condenou Eyler a morrer por ter matado Pontes; Eyler também foi condenado a 15 anos de prisão por sequestro agravado e de cinco anos para que a tentativa de esconder a morte de sua vítima. (A justiça tardou, mas não falhou)

Havia ainda apelos, mas todos em vão. Três anos depois que ele foi condenado - em 25 de outubro de 1989 - a Suprema Corte de Illinois afirmou a condenação de Eyler e a sentença de capital, fixando sua data de execução para 14 de março de 1990.

A Apelação prosseguiu em nome de Eyler, com a expectativa de que ele pudesse passar anos – e até mesmo décadas - no corredor da morte. A primeira nova surpresa no caso veio à tona em outubro de 1990, quando o promotor de Vermillion County, Larry Thomas, anunciou que estava reabrindo o caso do assassinato de Agan. Um mês depois, Eyler concordou em cooperar com Thomas e nomeou um suposto cúmplice nesse assassinato. Eyler fez sua declaração formal à polícia no dia 4 de dezembro de 1990, incluindo o seguinte comentário: "Peço a Deus que me perdoe, porque eu nunca posso me perdoar."

Quatro dias mais tarde, os detetives serviram mandados de busca em Terre Haute na casa do professor Robert Little, e no escritório de Little que fica no campus da Universidade Estadual de Indiana. Os itens apreendidos incluíram inúmeras fitas de vídeo e cerca de 300 fotografias estáticas, incluindo fotos de Larry Eyler posando de cueca e botas, segurando um chicote. Detido na Câmara Municipal, Little respondeu às perguntas preliminares, em seguida, exigiu um advogado quando o assunto mudou para o assassinato. Seu advogado foi convocado, mas nunca chegou, e Little logo foi libertado sem acusações.

Em 13 de dezembro, Eyler foi escoltado até Clinton, Indiana pelo xerife Perry Hollowell de Vermillion County. Na chegada, ele se declarou culpado do assassinato de Agan e concordou em testemunhar contra Little no julgamento. A declaração de Eyler para o Juiz Don Darnell incluída a alegação de que em 19 de agosto de 1982, "[Little] me perguntou se eu queria atuar uma cena" - supostamente seu código para um ato homossexual encenado, culminou com o assassinato. Eles pegaram Agan juntos, segundo Eyler, e levou-o a um prédio de fazenda abandonada fora da rota 63, onde ele estava preso, amarrado a uma viga, e esfaqueado até a morte. De acordo com Eyler, Little fotografou o assassinato em andamento e manteve a camiseta de Agan como um souvenir (troféu).

Em 18 de dezembro, Eyler voltou a Clinton para um teste de polígrafo. Ele passou no teste. Little se rendeu no mesmo dia, em Terre Haute, e se declarou não culpado de assassinato em primeiro grau. Ficou detido sem direito a fiança, e suspenso do pagamento do seu cargo universitário. Em 28 de dezembro - oito anos depois do corpo de Steve Agan ter sido encontrado - Eyler recebeu uma pena de 60 anos para o crime.

De repente, Larry Eyler era uma “propriedade quente” em Indiana. Promotores de mais cinco municípios contataram os advogados dele, oferecendo prisão de 60 anos se Eyler confessasse assassinatos não resolvidos em suas jurisdições. Ele concordou, oferecendo confessar a vinte homicídios em troca da comutação da sua sentença de morte, mas os promotores do Condado de Cook rejeitaram o acordo em 8 de janeiro de 1991.

Será mesmo que a justiça foi feita? Vamos ver:

Robert David Little se tornou um suspeito improvável. Aos cinquenta e três, um ex-presidente e profissional respeitado da Indiana Civil Liberties Union em Terre Haute, foi considerado pelos colegas como "inócuo" (inofensivo). Seu pior erro, a maioria deles disse, estava em abrir sua casa para Larry Eyler entre 1975 e 1984 - um erro que agora ameaçava sua própria vida.

A seleção do júri para o julgamento de Little começou em Newport, Indiana, no dia 9 de abril de 1991. O promotor Mark Greenwell contra os advogados de defesa Dennis Zahn e James Voyles. Os discursos de abertura foram feitos em 11 de abril por Greenwell dizendo aos jurados que Little havia concebido um plano de assassinato, na noite de 19 de dezembro de 1982, depois de assistir ao filme violento pornô Calígula junto com Eyler. A cópia do filme em fita de vídeo havia sido apreendida quando a polícia revistou sua casa em dezembro de 1990, mas nada foi encontrado para sustentar a acusação de homicídio. Ele descansou inteiramente, quando Greenwell admitiu: "Sem o testemunho de Eyler, não temos um caso".

Eyler foi a primeira testemunha do Estado em 11 de abril, repetindo seu conto de assassinato inspirado e dirigido por Little. Eyler afirmou que Little participou no esfaqueamento de Agan, em seguida, se masturbou enquanto Eyler terminava o trabalho. Quando terminou, Eyler disse, Little havia baixado a câmera e queixou-se que "foi muito rápido". Uma complicação nova foi adicionada com a afirmação de Eyler de que Little - não Eyler - havia assassinado Danny Bridges em Chicago.

Mais duas testemunhas de acusação - Mark Miller e Keith Hegelmeyer - testemunharam em 11 de abril que tinham posado nus enquanto Little batia fotografias, mas não lembraram de qualquer comportamento violento e seu testemunho não acrescentou nada que pudesse condená-lo.

Assassinato terrível de Agan foi retratado para os jurados em 12 de abril, Greenwel  mostrou fotografias e o criminologista Michael Goldman descreveu como o "corpo foi cortado e seus intestinos estavam para fora" O patologista John Pless confirmou que o assassinato de Agan era "o pior caso que já tinha vi, sem o corpo ter sido cortado em pedaços." Ainda assim, nada provava que Robert havia praticado o crime.

O caso de defesa era simples, alegando que Eyler era um mentiroso e apresentaram um álibi que colocou Little centenas de quilômetros do local do crime. Sua mãe declarou que Little "nunca perdeu" uma visita de Natal em Tampa entre 1958 e 1990, acrescentando que ele tinha chegado na Flórida antes de 19 de dezembro, 1982. Um vizinho confirmou a presença dele em Tampa, mas pensou que ele poderia ter chegado mais tarde em 22 ou 23 de dezembro. Greenwell apresentou documentos provando que o carro de Little tinha sido reparado em uma oficina em Clinton, Indiana, em 21 de dezembro de 1982 - com a conta paga em dinheiro - mas nenhuma das suas testemunhas da oficina conseguiu lembrar quem levou o carro. O dinheiro também foi retirado do caixa automático do banco de Little, pouco depois da meia-noite no dia 22 de dezembro de 1982, mas novamente não houve testemunhas da transação.

Little se recusou a depor, colocando sua confiança no júri, e sua fé foi recompensada com a absolvição em 17 de abril de 1991. Mark Greenwell declarou-se "um pouco decepcionado, mas não surpreso" com o veredicto, livremente admitiu que a testemunha chave, Eyler, teve problemas graves de credibilidade.

O único assassino condenado pelo caso morreu em 6 de março de 1994. Acometido de complicações relacionadas à AIDS, Eyler morreu na enfermaria em Pontiac Correctional Center. Antes de sua morte, ele confessou ter cometido vinte e um assassinatos, alegando que ele foi acompanhado em quatro dos crimes por um cúmplice. O advogado de Eyler anunciou sua intenção de ajudar as famílias dessas vítimas a processar o suposto cúmplice por homicídio culposo, mas tal processo não foi apresentado até o momento.

Sem comentários: