quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010

John Joubert


John Joseph Joubert


(2 de julho de 1963 - 17 de julho de 1996) foi um serial killer executado em Nebraska. Ele havia sido condenado pelo assassinato de três rapazes em Maine e Nebraska.

Infância:

Os pais de Joubert se divorciaram quando ele tinha seis anos, e ele foi morar com sua mãe em Lawrence, Massachusetts. Ele não tinha permissão para visitar seu pai e passou a odiar sua mãe controladora. Em 1974, ela levou a família para Portland, Maine.

Quando ele tinha 13 anos, ele espetou com força uma jovem com um lápis e sentiu-se estimulado sexualmente quando ela gritou de dor. No dia seguinte, ele pegou uma navalha e cortou uma outra menina que passava perto dele. Ele nunca foi punido por qualquer desses ataques. Em outro incidente, ele bateu e quase estrangulou um menino. Ele saboreou o poder de intimidação, e começou a cortar com facas ou bater em outros.

Assassinatos:

Na cidade de Portland, Maine, 22 de agosto de 1982, Richard "Ricky" Stetson, 11 anos, tinha ido fazer jogging. Quando perceberam que ele não havia retornado, seus pais chamaram a polícia. No dia seguinte, um motorista viu o corpo do rapaz ao lado da I-295. O atacante parece ter tentado tirar a roupa dele, e, em seguida, o esfaqueou e o estrangulou. Um suspeito foi preso pelo assassinato, mas seus dentes não correspondiam ccom uma marca de mordida no corpo de Stetson, e assim ele foi solto após um ano e meio em prisão preventiva. Nenhuma novidade apresentou-se no caso até janeiro de 1984.

Danny Joe Eberle desapareceu enquanto entregava o jornal World-Herald Omaha no domingo, 18 de setembro de 1983, em Bellevue, Nebraska. Seu irmão, que também entregava jornal, não o tinha visto, mas ele se lembrava de ter sido seguido por um homem branco em um carro no dia anterior. Verificou-se que Eberle só tinha entregue três dos jornais de setenta em sua rota. Na sua quarta entrega, sua bicicleta foi descoberta junto com o resto dos jornais. Não parecia haver qualquer sinal de luta. Joubert viria a descrever como ele se aproximou de Eberle, tirou uma faca, e cobriu a boca do menino com a mão. Ele instruiu Eberle para segui-lo até o caminhão e o levou a uma estrada de terra fora da cidade.

Danny Joe Eberle

Após três dias de buscas, o corpo de Eberle foi encontrado cerca de 6 quilômetros de sua bicicleta. Ele tinha sido despojado de sua roupa de baixo, os pés e as mãos estavam atadas, e sua boca foi lacrada com fita cirúrgica. Joubert o tinha esfaqueado nove vezes. O crime ficou sob a jurisdição do governo federal dos Estados Unidos, como um sequestro, o FBI foi chamado.

O inquérito seguiu interrogando vários, inclusive um rapaz que foi preso por molestar dois meninos uma semana após o crime. Ele falhou no teste do polígrafo e tinha um álibi falso, mas não se encaixava no perfil que o FBI tinha criado para o assassino. Ele foi libertado por falta de provas. Outros pedófilos conhecidos na área também foram questionados, mas o caso foi devagar devido à escassez de provas.

Em 2 de dezembro, Christopher Walden desapareceu em Omaha, Nebraska, cerca de três milhas (cinco quilômetros) de onde o corpo de Eberle foi encontrado. Testemunhas disseram que mais uma vez viram um homem branco em um carro. Joubert disse que ele tinha conduzido Walden a andar com ele, mostrou-lhe a faca e ordenou que ele entrasse no carro. Depois de dirigir por algumas linhas férreas fora da cidade, ele ordenou a Walden que tirasse a cueca. Mas então Walden recusou-se a deitar. Após uma breve luta, Joubert venceu e depois o esfaqueou. Joubert cortou a garganta de Walden, um corte tão profundo que quase o decapitou. O corpo de Walden foi encontrado dois dias depois, cinco milhas (oito quilômetros) da cidade. Embora os crimes fossem semelhantes, verificaram diferenças. Walden não tinha sido estuprado, tinha sido escondido melhor, e foi pensado ter sido morto logo depois de ser sequestrado.


Detenção:

Em 11 de janeiro de 1984, um professor pré-escolar na zona da mata chamou a polícia para dizer que tinha visto um jovem dirigindo na área. Quando o motorista viu o professor anotar sua placa, ele parou e ameaçou-o antes de fugir. O carro não era um Sedan Tan igual aos que disseram que o homem visto perto das vítimas, mas foi seguido e descobriram que era alugado por John Joubert, um técnico de instalação de radar da Base Offutt Air Force. Descobriu-se que o seu próprio carro, um Sedan Tan, estava a ser reparado.

Um mandado de busca foi emitido, e coerente com a corda usada para amarrar as mãos de Danny Joe Eberle foi encontrada em seu dormitório. O FBI descobriu que a corda anormal havia sido feita para os militares dos Estados Unidos na Coréia do Sul. Sob interrogatório, Joubert admitiu ter recebido-o do chefe de escoteiros na tropa em que ele foi um assistente.



Robert K. Ressler, cabeça do FBI na época, tinha tido acesso imediato às informações vindas de Nebraska e trabalhado em uma descrição hipotética que combinava com Joubert em todos os aspectos. Ao apresentar o caso dos dois meninos de Nebraska para uma classe de treinamento na academia do FBI em Quantico, um oficial da polícia de Portland, Maine notou as semelhanças com um caso em sua jurisdição, que teve lugar enquanto Joubert viveu lá, antes de entrar para a Força Aérea. As comparações provaram que Joubert foi responsável pela morte em Maine além daqueles em Nebraska. Ressler e os investigadores de Maine passaram a acreditar que Joubert se juntou ao militarismo para escapar de Maine, após o assassinato do menino Stetson.

Outras investigações em Maine revelaram dois crimes entre o lápis que ele enfiou na menina de nove anos de idade em 1979 e o assassinato de Stetson, em 1982. Em 1980, a investigação revelou que Joubert tinha cortado um menino de nove anos de idade e uma professora em seus vinte e poucos anos e que ambos "tinham sido esfaqueados gravemente, e tiveram a sorte de estar vivos."

Julgamentos e apelações:

Joubert, em seguida, confessou ter matado os dois meninos, e em 12 de janeiro, ele foi acusado de assassinatos. Depois de inicialmente não declarando-se culpado, ele mudou seu fundamento a culpa. Ele passou por várias avaliações psiquiátricas realizadas em Joubert. Uma caracteriza-o como tendo transtorno obsessivo-compulsivo e tendências sádicas, e que sofre de transtorno de personalidade esquizóide. Ele foi considerado não psicótico no momento dos crimes. Um painel de três juízes condenou-o à morte para ambos os casos. Joubert também foi condenado à prisão perpétua em Maine (que não têm a pena de morte) em 1990 pelo assassinato de Ricky Stetson após os dentes de Joubert coincidiram com a marca de mordida.

Em 1995, Joubert pediu um habeas corpus para os tribunais federeais dos Estados Unidos sobre as sentenças de morte. Seus advogados argumentaram que o agravante de "depravações excepcionais" foi inconstitucionalmente vaga, e o tribunal concordou. O estado de Nebraska recorreu para o Tribunal Distrital dos Estados Unidos para o Distrito de Nebraska, que derrubou o recurso, dizendo que ele havia demonstrado comportamento sádico torturando Eberle e Walden.

Joubert foi executado em 17 de julho de 1996 pelo estado de Nebraska, através da cadeira elétrica.

Durante sua execução foram formadas quatro bolhas no cérebro no topo de sua cabeça e bolhas nos dois lados de sua cabeça acima das orelhas.

Mais fotos no muderpedia.





Sem comentários: