quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010

Graham Young - O envenenador.


Graham Frederick Young


(7 de setembro de 1947 - 22 de agosto de 1990) foi um assassino Inglês;notável por sua obsessão com o uso de veneno, e por ter sido preso por homicídio na adolescência, só para matar novamente após a sua libertação.

Início da vida e os crimes:

Young nasceu em Neasden, norte de Londres em 7 de setembro de 1947. Ele era fascinado desde a tenra idade por venenos e seus efeitos.  Enquanto outros adolescentes faziam experiências com sexo, bebidas e drogas, seu vício era venenos. Em 1961, aos 14, ele começou a testar os venenos em sua família, o suficiente para torná-los violentamente doentes. Gastando o pouco dinheiro que tinha ele acumulou uma grande quantidade de antimônio e digitalis por várias vezes fez a compra de pequenas quantidades, mentindo sobre sua idade e afirmando que eles eram para experiências científicas na escola. Sua família adoecia constantemente.

Graham Young quando jovem.

Em 21 de abril 1962, a jovem madrasta Molly morreu de veneno. Ele também envenenou seu pai, irmã e um amigo de escola. A tia do jovem, Winnie, que sabia de sua fascinação com a química e venenos, suspeitou dele. Ele poderia ter escapado da suspeita já que ele sofreu da mesma náusea e doenças que a sua família, porque às vezes se esquecia de quais dos alimentos ele tinha atado veneno. Ele foi levado a um psiquiatra, que recomendou chamar a polícia. O jovem foi detido em 23 de maio de 1962. Ele confessou as tentativas de assassinato de seu pai, irmã e amiga. Os restos mortais de sua madrasta não podiam ser analisados, porque ela tinha sido cremada.


Tia Winnie e irmã mais velha de Young


Graham Young saindo do tribunal quando jovem.

O jovem foi condenado a 15 anos no Broadmoor Hospital, uma instituição para criminosos mentalmente instáveis. Ele foi libertado depois de nove anos, considerado "totalmente recuperado". No hospital, o jovem estudou textos médicos, melhorou o seu conhecimento sobre venenos, e continuou suas experiências usando os presos e funcionários. Ele foi libertado em 4 de fevereiro de 1971. Ele disse a uma enfermeira: "Quando eu sair, vou matar uma pessoa para cada ano que passei neste lugar"

Graham Young


Últimos crimes:

Após a alta hospitalar, em 1971, ele começou a trabalhar como lojista no John Hadland Laboratories, que fabrica o brometo de tálio-iodeto de lentes infravermelhas usadas em equipamentos militares, em Bovingdon, Hertfordshire, perto da casa de sua irmã em Hemel Hempstead. Seus empregadores receberam referências de Broadmoor, mas não foram informados sobre o seu passado como um envenenador condenado, como parte da reabilitação de Young. Logo depois que ele começou a trabalhar, seu capataz, Bob Egle, ficou doente e morreu. Young tinha sido encarregado de fazer o chá e adicionou ingredientes extras, antimônio e tálio, à mistura. A doença propagou pelo seu trabalho e, confundido com um vírus, foi apelidado de "vírus Bovingdon". Estes casos de náuseas e doenças, que algumas vezes eram graves o suficiente para exigir a hospitalização, foram mais tarde atribuídos a Young e seu chá.



Young envenou cerca de 70 pessoas durante os próximos meses, nenhuma fatal. O sucessor de Egle adoeceu pouco tempo depois de começar a trabalhar lá, mas decidiu parar. Poucos meses depois da morte de Egle, outro colega de trabalho de Young, Fred Biggs, 60 anos, ficou doente e foi internado no Hospital Nacional de Londres para Doenças do Nervo (agora parte do Hospital Nacional de Neurologia e Neurocirurgia). Era tarde demais e depois de sofrer agonia durante várias semanas, tornou-se a terceira e última vítima fatal de Young.

Neste ponto, era evidente que um inquérito seria necessário. Young perguntou ao médico da empresa, se os investigadores examinaram envenenamento por tálio. Ele também disse a um colega que seu hobby era o estudo de produtos químicos tóxicos. O colega de Young foi à polícia e descobriu o registo criminal de Young.


Young foi preso em Sheerness, Kent, 21 de novembro de 1971. A polícia encontrou no bolso dele tálio e antimônio, e tálio e aconitina em seu apartamento. Eles também descobriram um diário detalhado que ele tinha mantido, observando as doses e administrando seus efeitos, e se ele iria permitir a cada pessoa viver ou morrer.


Em seu julgamento em St Albans Crown Court, que começou em 19 de junho de 1972 e durou 10 dias, Young alegou inocência, e explicou o diário como uma fantasia de um romance. Young foi condenado a prisão perpétua. Ele foi apelidado de Poisoner Teacup. "Envenenador de chás"

Enquanto estava na prisão, ele fez amizade com o serial killer Ian Brady, com quem compartilhou o fascínio com a Alemanha nazista. Em seu livro de 2001, The Gates of Janus publicado por Feral House, Brady escreveu que "Era difícil não simpatizar com Graham Young". Em sua autobiografia, Pretty Boy, o lutador não licenciado Roy Shaw fala de sua amizade com Young.

Young morreu em sua cela na prisão Parkhurst, em 1990, na idade de 42. A causa da morte foi listada como infarto do miocárdio, mas há conjecturas de que prisioneiros foram os culpados.

Na cultura popular:

Um filme chamado The Young Poisoner's Handbook (1995) é baseado na vida de Young.


A banda de Murder Metal "Macabre", escreveu uma canção intitulada "Poison" sobre ele e seus crimes, que aparece no álbum Metal Murder.

Young ficou emocionado quando uma estátua de cera de si mesmo foi adicionada à Câmara do Madame Tussaud's 'dos Horrores', ao lado de seu herói de infância, "Dr. Crippen".

A estátua de cera.

Em um 16 de novembro de 2005 uma menina japonesa de 16 anos foi presa pelo envenenamento de sua mãe com tálio. Ela disse ser fascinada por Young, tendo visto o filme de 1995, e manteve um blog on-line, semelhante ao diário de Young, com a gravação de dosagens e reações.

Graham para colocar seu conhecimento de venenos ao teste, fez sua primeira vítima. O estudante de ciência, Christopher Williams, que sofreu um longo período de vômitos, cãibras e dores de cabeça, devido à administração criteriosa, por Young, de um coquetel de venenos que deixou médicos especialistas perplexos. Williams teve a sorte de sobreviver, provavelmente porque Young não tinha ainda o conhecimento necessário para administrar as doses.

Fred Young foi internado no hospital, onde foi diagnosticado com intoxicação por antimônio. Ele teve sorte de ter sobrevivido à experimentação de seu filho, mas não podia tolerar colocar a responsabilidade sob seu filho: então colocou no professor de química do menino, que entrou em contato com a polícia quando descobriu venenos, bem como materiais abundantes sobre envenenadores, na mesa de Young.


Jehtro Batt, vítima sobrevivente.

John Tilson foi testemunha de acusação, ele era um colega de Young e uma de suas supostas vítimas. O julgamento terminou em uma sentença de prisão perpétua para Young depois de sua condenação em todas as acusações.



Bob Egle, 59 anos, chefe de Young, morreu em agonia em 7 de julho de 1971.

Com dor excruciante, Fred Biggs morreu aos 60 anos em 19 de novembro de 1971. 





Fonte de pesquisa: murderpedia e livro 501 Crimes notórios.

The Young Poisoner's Handbook Trailer



Sem comentários: