segunda-feira, 8 de fevereiro de 2010

Nannie Doss - The Jolly Black Widow


Nannie Doss


(4 de novembro de 1905 - 2 de junho de 1965) foi uma serial killer responsável pela morte de onze pessoas entre 1920 e 1954. Ela finalmente confessou, em outubro de 1954, quando seu quinto marido tinha morrido em um pequeno hospital em Tulsa, Oklahoma. Ao todo, foi revelado que Nannie matou quatro maridos, dois filhos, suas duas irmãs, sua mãe, um neto e um sobrinho. Ela ganhou os apelidos "The Giggling Nanny", "A avó Feliz" e "The Black Widow Jolly" "A viuva negra alegre".




Vida



Doss nasceu em Blue Mountain, Alabama como Nancy Hazle, filha de James e Hazle Lou. Nannie foi uma de cinco filhos, ela tinha um irmão e três irmãs. Ambas, Nannie e sua mãe, detestavam James, que era muito rigoroso e controlador. Há evidências de que Doss foi concebida de forma ilegítima, como James e Lou casaram-se depois de 1905, dados do censo mostram também que em 1905, ela e sua mãe estavam vivendo sozinhas.

Nannie a caminho de sua cela em 01 de novembro de 1954.


Nannie era uma pobre estudante que nunca aprendeu a ler bem, sua educação foi irregular porque o pai forçou seus filhos a trabalhar na fazenda da família ao invés de ir à escola. Quando tinha cerca de sete anos, a família ia tomar um trem para visitar parentes no sul de Alabama, quando o trem parou de repente, Nannie bateu com a cabeça sobre a barra de metal no banco da frente. Durante anos, ela sofreu fortes dores de cabeça, desmaios e depressão, e culpou esse acidente por sua instabilidade mental. Durante a infância, seu passatempo favorito era ler revistas de romance que pegava de sua mãe e sonhar com seu próprio futuro romântico. Mais tarde, seu passa tempo favorito era ler a coluna de corações solitários. As irmãs adolescentes eram restringidas por seu pai, ele as proibiu de usar maquiagem e roupas atraentes. Ele estava tentando impedi-las de serem molestadas por homens, o que aconteceu,  de qualquer forma, em várias ocasiões. Ele também as proibiu de ir a bailes e outros eventos sociais.

Nannie Doss, 49, riu enquanto era entrevistada pelo capitão Harry Stege, na delegacia em 29 de novembro de 1945, depois de supostamente ter confessado o envenenamento de quatro de seus cinco maridos. Ela foi indiciada. Embora tivesse rido confessando aos quatro assassinatos por arsênico, ela disse ter ficado triste, quando questionada sobre a morte de sete outros parentes.


Primeiro casamento:

Doss se casou aos dezesseis anos, com Charlie Braggs. Eles se conheceram na fábrica de linho onde ambos trabalhavam, e com a aprovação de seu pai, se casaram depois de um namoro de apenas quatro meses. Ele era filho único, de mãe solteira, que insistiu para que fossem morar com ela. Doss escreveu mais tarde:

"Eu me casei, como meu pai desejava, em 1921, com um menino que eu só conhecia por cerca de quatro ou cinco mese,s que não tinham família, apenas uma mãe, que era solteira e que tinha tomado conta da minha vida completamente quando nos casamos. Nunca vi nada de errado com o que ele fez, mas ela fazia feitiços. Ela não deixava minha própria mãe ficar a noite toda..."


A mãe de Braggs chamou muito a sua atenção, e ela muitas vezes a impedia de fazer as coisas que queria fazer. Do casamento nasceram quatro filhas ao longo de um período de quatro anos (1923-1927). Sob muito estresse, Doss começou a beber e seu hábito de fumar casual tornou-se um vício pesado. O casamento foi infeliz para os dois. Braggs muitas vezes desaparecia durante dias a fio. No início de 1927, eles perderam suas duas filhas, meio a suspeitas de intoxicação alimentar. Suspeitando que ela as havia matado, ele fugiu, levando a filha mais velha, Melvina, mas deixando para trás Florine, recém-nascida. A mãe dele também morreu por volta dessa época. Doss conseguiu um emprego numa fábrica de algodão para sustentar Florine.

Braggs, retornou no verão de 1928. Com ele e Melvina estava outra mulher, uma divorciada com seu próprio filho. Doss e Braggs logo se divorciaram, e ela voltou para a casa de sua mãe, tendo suas duas filhas com ela. Ele sempre afirmou que a deixou porque tinha medo dela.

Nannie Doss é questionada nas intoxicações por arsênico em  01 de novembro de 1954.



Segundo casamento:

Enquanto vivia e trabalhava em Anniston, Doss acalmou sua solidão lendo romances. Ela também voltou a ler a e a escrever  à procura  de homens,  na coluna de corações solitários. Um anúncio especial, que lhe interessou foi o de Robert (Frank) Harrelson, um operário de Jacksonville, de 23 anos. Ele  a enviou uma poesia romântica de própria autoria, e ela enviou-lhe um bolo. Eles se conheceram e se casaram em 1929, quando ela estava com 24 anos, 2 anos depois de seu divórcio com Bragg. Eles viveram juntos em Jacksonville, com as duas filhas de Doss. Depois de alguns meses, ela descobriu que ele era alcoólatra e tinha antecedentes criminais por assalto. Apesar disso, o casamento durou dezesseis anos.

Netos:

Melvina, filha mais velha de Doss, casada com Mosie, deu a luz a Robert Lee Haynes, em 1943. Em fevereiro de 1945, encontrou-a prestes a ver o fim de uma gravidez difícil, ela estava apenas de sete meses quando entrou em trabalho de parto. Doss veio para ajudar, e após uma hora, dolorosa, uma menina nasceu, mas morreu logo depois. Melvina, exausta do trabalho de parto e grogue de éter, disse a  Mosie e Florine, ter "alucinado"  e visto Doss furar a cabeça do bebê com um alfinete. Mosie e Florine disseram que Nannie tinha, simplesmente, dito que o bebê estava morto, mas notaram que ela estava segurando um alfinete. No entanto, os médicos não puderam chegar a uma explicação para a morte. Depois disso, Melvina e Mosie se afastaram. Doss ficou muito brava, e enquanto Melvina estava visitando o pai, após uma luta particularmente desagradável com Doss, seu filho Robert, morreu misteriosamente sob os cuidados de Doss, em 7 de julho de 1945. A causa da morte foi diagnosticada como asfixia por causas desconhecidas, e dois meses depois, ela recolheu o seguro de vida de $500 de Robert.

Morte de Frank:

Em 1945, o Japão se rendeu às forças aliadas no final da II Guerra Mundial, e Harrelson, 2º marido de Doss, foi uma das muitas pessoas que comemoraram com bastante alegria. Depois de uma noite de bebedeira, ele estuprou Doss. No dia seguinte, quando ela estava cuidando de seu jardim de rosas, descobriu a garrafa de uísque de milho de Harrelson enterrada no chão. O estupro havia sido a gota d'água para ela, então ela pegou a jarra e colocou veneno de rato. (Nesse caso, eu acho é pouco). Harrelson teve uma morte dolorosa á noite.

Nannie Doss, 49, entra no escritório do advogado do município com o investigador Ross Billingsley em 27 de novembro de 1954.
(Oklahoman Arquivos foto)



Terceiro casamento:

Doss conheceu seu terceiro marido enquanto fazia uma viagem, em Lexington, Carolina do Norte. Seu novo marido seria Arlie Lanning e ela se casou com ele dentro de três dias depois de encontrá-lo através de outra coluna de corações solitários. Lanning se parecia muito com  o seu antecessor, Harrelson: ele era alcoólatra e mulherengo. No entanto, neste casamento, era Doss, que muitas vezes desaparecia por meses a fio. Quando ela estava em casa, no entanto, ela interpretava uma dona de casa coruja, e quando o marido morreu do que foi dito ser insuficiência cardíaca, a cidade inteira virou-se para o funeral em apoio a ela. Posteriormente, a casa em que o casal viveu foi queimada até o chão. Ele havia deixado a casa para a irmã de Lanning, e se a casa tivesse sobrevivido, teria ficado com ela. Como isso aconteceu, o dinheiro do seguro foi para Doss, e ela rapidamente colocou as mãos nele. Ela logo deixou Carolina do Norte, mas só depois que a mãe idosa de Lanning tinha morrido durante o sono. Ela acabou indo para a casa da irmã, Dovie. Dovie estava de cama e logo após a chegada de Doss, morreu.

Nannie Doss, 49, exibe o orgulho de avó em um corredor do tribunal durante uma audiência para decidir seu destino após a morte de seu quinto companheiro, Samuel Doss. Ela está com Janice Dianne Haynes,  4 anos, nos braços; na sua frente está Peggy Lou Haynes, 8 anos. Elas são filhas de Melvina Hedrick, que está de branco, filha de Doss. (Oklahoman Arquivos foto)


Quarto casamento:




Doss aderiu ao Diamond Circle Club, à procura de outro marido. Ela conheceu Richard L. Morton de Emporia, no Kansas. Ele não tinha problemas com bebida, mas era um mulherengo. Antes que ela pudesse envenená-lo, acabou por envenenar a própria mãe, Louisa, em janeiro de 1953, quando ela veio morar com eles. Morton encontrou-se com a morte três meses depois.

Quinto casamento:




Doss conheceu e casou com Samuel Doss, de Tulsa, Oklahoma, em junho de 1953. Samuel era um homem religioso, ele desaprovava os romances que Nannie adorava  ler. Em setembro, Samuel foi internado no hospital com sintomas gripais. O hospital diagnosticou uma infecção grave do aparelho digestivo. Ele foi tratado e liberado em 5 de outubro. Nannie o matou naquela noite em sua pressa para recolher as duas políticas de seguros da vida que tinha tirado dele. O médico, que suspeitou da morte súbita, ordenou uma autópsia. A autópsia revelou uma enorme quantidade de arsênico em seu sistema. Nannie foi imediatamente presa.

Confissão e condenação:

Nannie confessou ter matado quatro de seus maridos, sua mãe, sua irmã Dovie, o neto Robert e a sogra, Arlie Lanning. O estado de Oklahoma estava centrado apenas no caso de Samuel. A promotoria a considerou mentalmente apta para julgamento. Nannie se declarou culpada em 17 de maio de 1955. Ela foi condenada à prisão perpétua. O Estado não exerceu a pena de morte devido ao seu gênero. Doss nunca foi acusada de outras mortes. Ela morreu de leucemia na enfermaria do hospital da Penitenciária do Estado de Oklahoma em 1965.



Fontes de pesquisa: Wikipedia e murderpedia.

6 comentários:

Anónimo disse...

"A Avó Feliz" Mas que apelido lindo em!?
tensíssimas essas histórias sobre serial killer, mas parabéns pelo blog.

Nelson disse...

A "viuva negra" brasileira é uma cópia de Nannie Doss com Velma Barfield. só que em doses leves. O curioso é tanto Nannie como Velma usaram arsenico para seus crimes.
Hoje matar uma pessoa parece algo comum, no começa desse ano no Canada, uma familia de afegãos matou suas 3 filhas por causa que elas voltaram de carro de uma festa. Acreditem?...Este é o nosso mundo, cheio de flores e de assassinos..Lastimavel!

Anónimo disse...

Fica difícil ler o artigo com tantos erros de português e concordância.Não posso acreditar que um jornalista o tenha escrito. Será?????

Macabéa disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Macabéa disse...

Olá, fique à vontade pra corrigir, me envie nos comentários as correções, se quiser.

Não, não sou jornalista, traduzo a maioria dos textos, com pressa. Por isso muitas vezes, tenho que revisá-los, mas tente encontrar outro blog ou site com as mesmas histórias, escritas de forma mais correta. ;)

madie oliveira disse...

quem lê com tanto interesse e curiosidade km eu,nem dá oara reparar em erros lol, acho k alguem anda a ler este blog só para passar tempo...