sexta-feira, 22 de janeiro de 2010

Douglas Clark & Carol Bundy os "Sunset Strip Killers"



Douglas Daniel Clark (1948) é um serial killer Americano.


Clark e sua cúmplice Carol M. Bundy são conhecidos como os "Sunset Strip Killers".
Eles foram acusados e, posteriormente, condenados por uma série de homicídios em Los Angeles. A maioria das vítimas eram jovens prostitutas ou fugitivas.



Clark, um operador de caldeira em uma fábrica de sabão Jergens, trabalhou em uma usina de San Fernando, mas foi despedido devido a uma alta taxa de ausências e de violência e ameaças que fez contra seus colegas de trabalho. Depois de seu casamento fracassado, ele conheceu Bundy em 1980 e começou a viver com ela. a relação de Clark para com Bundy se tornou abusiva, e ele começou a dar menos atenção a ela, causando-lhe a tornar-se desesperada por sua atenção. Ele começou a compartilhar suas fantasias violentas com Bundy, e em junho de 1980, o casal cometeu seu primeiro assassinato.





A maioria das vítimas da dupla eram prostitutas que Clark matava durante o coito. Alegadamente, Clark estava se esforçando para cumprir sua fantasia de matar uma mulher durante a relação sexual e sentir suas contrações vaginais durante os espasmos de morte. Clark e Bundy tipicamente induziam a mulher a entrar em seu carro e ter relações sexuais com Clark. Bundy, então, colocava uma arma na mão aberta de Clark, e ele iria atirar na cabeça da vítima no banco de trás.

a arma que eles usavam


Clark disse a Bundy que se um deles fosse detido, ele levaria a culpa na esperança de que Bundy fosse autorizada a sair em liberdade.
Em uma ocasião, guardou a cabeça de uma vítima e armazenou em um freezer para utilizar como um brinquedo sexual.
Após sua prisão em agosto de 1980, Clark agiu em sua própria defesa, insistindo em que ele foi incriminado pela acusação pelos assassinatos. Condenado à morte em 1983, ele se encontra no corredor da morte na Califórnia.



Carol M. Bundy (26 de agosto de 1942 - 9 de Dezembro de 2003)



Bundy e Clark



O caso parecia estar resolvido após Bundy, uma divorciada com duas crianças que vivia em San Fernando Valley, foi à polícia alegando que o seu amante, Clark, havia lhe dito que tinha matado várias mulheres jovens. Que tinha as baleado com uma arma que ela tinha comprado.
Bundy alegou inicialmente que ela não sabia nada sobre os assassinatos:
"apenas sei o que (Clark) me disse".

Em 5 de agosto de 1980, pouco antes de ir à polícia, Bundy, que trabalhava como enfermeira, matou a tiros, esfaqueou e decapitou outro amante, Jack Murray.


                                             Jack Murray.

Bundy acabou confessando ao assassinato, mas alegou que havia sido auto-defesa. Mais tarde, Bundy também admitiu que esteve presente durante um dos assassinatos pelos quais Clark foi acusado. Que o assassinato ocorreu em um carro estacionado atrás de um posto de gasolina no leste de Hollywood.
Bundy afirmou que Clark atirou numa prostituta na cabeça, enquanto ainda estava no ato de felação (sexo oral).
Bundy tinha contratado a moça para o aniversário de Clark.
Clark insistiu que Bundy desse o tiro. Ambos concordaram que tinham que eliminar o corpo juntos.
Clark sempre alegou que Bundy e Murray cometeram os assassinatos e ele estava apenas de bode expiatório de Bundy.



Julgamento

Foto de Clark tirada em 2007


O Julgamento de Clark foi um retrato negro do submundo de San Fernando Valley da década de 1970, um mundo em que Bundy e Clark saíram em intermináveis aventuras sexuais. Clark tinha se envolvido em um longo relacionamento sexual com uma menina de 13 anos, que tomava conta das crianças de Bundy.

No entanto, o destaque do julgamento foi Bundy contando como Clark tinha cortado a cabeça de uma de suas vítimas, fez sexo oral com ela no chuveiro e guardou em sua caixa de gelo.O Testemunho de Bundy era crítico, todos os outros elementos de provas apresentados contra o Clark foram circunstanciais. Além disso, nenhum exame forense foi feito, comparando o corpo da menina que havia sido decapitada com o corpo de Murray.

A prova incluiu um pedaço de massa encefálica e sangue encontrado no teto da van de Murray. Esta prova foi mencionada, mas não introduzida no julgamento de Clark. O advogado de Bundy negociou e, em troca de seu testemunho, recebeu uma sentença moderada.

Morte

Bundy morreu na prisão de insuficiência cardíaca em 2003.

Em 11 de junho, 1980, meias-irmãs Gina Narano, 15, (à esquerda) e Cynthia Chandler, 16 anos, desapareceram de Huntington (Praia), a caminho de uma reunião com os amigos. Elas foram encontradas na manhã seguinte, ao lado da Ventura Freeway perto de Griffith Park, em Los Angeles, cada um tinha levado um tiro na lateral da cabeça com uma pistola de pequeno calibre.


Na madrugada de 24 de junho de 1980, Karen Jones, uma garota de programa de 24 anos de idade, foi encontrada atrás de uma churrascaria em Burbank, assassinada por um único tiro na cabeça.


Mais tarde naquela manhã, 24 de junho de 1980, a polícia foi convocada para Studio City, onde outra mulher – mas com o corpo sem cabeça - havia sido encontrada por pedestres horrorizados. Apesar da cabeça ausente, ela foi identificada como Exxie Wilson, 20, outra garota de programa.


Em 30 de junho de 1980, um grupo de caçadores de cobras perto de Sylmar, em San Fernando Valley, virou-se para o cadáver mumificado de uma mulher, identificada como uma fugitiva de Sacramento  Marnette Comer. Vista pela última vez viva em 1 º de junho, a garota de programa de 17 anos tinha sido morta pelo menos três semanas, quando foi encontrada. Assim como outras vítimas da série, ela era conhecida por trabalhar no the Sunset Strip.

Quer ver fotos extremamente fortes? CLIQUE AQUI.

Curiosidade: Bundy também é o sobrenome de um dos serial killers mais notórios de todos os tempos: Ted Bundy

Sem comentários: