sexta-feira, 22 de janeiro de 2010

Albert DeSalvo - o "Estrangulador de Boston"



Henry Albert DeSalvo



(3 de setembro de 1931 - 25 de novembro de 1973) foi um criminoso em Boston, Massachusetts, que confessou ser o "Estrangulador de Boston", o assassino de 13 mulheres. Ele é um dos mais famosos assassinos da América - e também é um mistério. Sua confissão foi contestada, e o debate continua a respeito dos crimes que DeSalvo efetivamente cometeu.
 
Início da vida:

 DeSalvo (esquerda)



DeSalvo nasceu em Chelsea, Massachusetts seus pais eram Frank e Charlotte DeSalvo. Seu pai era um alcoólatra violento que chegou ao ponto de bater em sua esposa, quebrar todos os seus dentes e dobrar os dedos dela para trás, até quebrá-los. Albert em um de seus depoimentos disse que o pai também havia quebrados todos os seus dedos, na frente de sua mãe. Ele também forçava seus filhos a vê-lo fazer sexo com prostitutas, que ele levava para casa. Seu pai abandonou sua mãe mais tarde, e a mesma se casaria novamente.



DeSalvo começou a torturar animais quando criança e começou a furtar no início da adolescência.

Quando jovem, ele foi vendido como escravo com sua irmã a um agricultor em Maine por cerca de nove dólares. As crianças fugiram e voltaram para casa, onde Frank DeSalvo começou a ensinar e incentivar Albert a roubar. Em novembro de 1943, com 12 anos, DeSalvo foi preso pela primeira vez por roubo. Em dezembro do mesmo ano ele foi enviado para a Lyman School para meninos. Em outubro de 1944, ele estava em liberdade condicional e começou a trabalhar como entregador.

Desalvo e sua esposa.


Albert cresceu como um delinquente sexualmente perturbado, culpado de uma infinidade de pequenos crimes. Ele passou oito anos no exército, servindo na Alemanha, onde conheceu sua esposa, Irmgard Beck. Irmgard e Albert tiveram dois filhos, ele era conhecido como um bom pai de família, bem como um trabalhador dedicado. Logo após a dispensa honrosa do serviço militar, Albert voltou para a América.

Assassinatos :



Entre 14 de junho de 1962 e 4 de janeiro de 1964, 13 mulheres solteiras com idade entre 19 e 85 anos, foram assassinadas na região de Boston, esses assassinatos acabaram por ser vinculados ao Estrangulador de Boston. A maioria das mulheres foram vítimas de violência sexual em seus apartamentos, estranguladas com artigos de vestuário. Sem qualquer sinal de entrada forçada em suas residências, foi concluído que as mulheres conheciam o seu assassino, ou voluntariamente, permitiram-lhe que entrasse em suas casas.



Vítimas: (Da esquerda superior para a direita inferior): Rachel Lázaro, Helen E. Blake, Ida Irga, a Sra. J. Delaney, Patricia Bissette, Daniela M. Saunders, Mary A. Sullivan, Sra. Israel Goldberg.

Margaret Cadigan, Sophie Clark, Anna E. Slessers, Jane Sullivan, and Cheryl Laird.

 A primeira morte foi de Anna E. Slessers, divorciada, 55 anos, em 14 de junho de 1962 na Gainsborough Street, Boston. Ela foi estrangulada com o cordão de seu vestido azul e sexualmente violentada.
Duas semanas mais tarde a vítima mais velha, Mary Mullen, 85 anos, morreu de ataque cardíaco ao ser atacada por ele.
Em 30 de junho houve mais duas mortes: Nina Nicols, 68 anos, e Helen Blake 65, ambas foram sexualmente violentadas e estranguladas com suas próprias meias de náilon.
Em 19 de agosto Ida Irga, 75 anos, tornou-se a quinta vítima, e no dia seguinte foi a vez de Jane Sullivan, 67 anos, encontrada caída na banheira. Em 5 de dezembro Sophie Clark, 19 anos, foi a primeira vítima negra, estrangulada com as próprias meias e atacada sexualmente.

Na véspera de ano novo Patrícia Bissette, 23 anos, foi a vítima número oito. Diferentemente das outras, ela não foi deixada nua, mas deitada sobre sua cama com um cobertor sobre o corpo até o queixo. Em 9 de março de 1963 Mary Brown, 69 anos, foi esfaqueada e espancada até a morte. Em 6 de maio Beverly Samans, 23 anos, estudava música lírica, muitos disseram que ela tinha a voz de um anjo, foi esfaqueada 22 vezes.

Beverly Samans.

Em 8 de setembro Evelyn Corbin, 58 anos, foi estuprada e estrangulada com as meias de naílon.


Evelyn Corbin

A penúltima vítima foi Joann Graff, 23 anos, assassinada por estrangulamento em 23 de novembro.

Joann Graff

A última vítima e mais jovem delas foi Mary Sullivan, 19 anos, morta em 4 de janeiro de 1964. Quando seu corpo foi encontrado, havia um cabo de vassoura em sua vagina e um cartão de Ano-Novo entre os dedos de seu pé esquerdo.

Mary Sullivan

Em 27 de outubro outra mulher foi atacada, e isso levou à identificação de Albert DeSalvo, estuprador, 33 anos. Porém, a polícia não considerava DeSalvo Suspeito

A polícia não estava convencida de que todos esses crimes eram obra de um único indivíduo, especialmente por causa da grande diferença de idade das vítimas; no entanto grande parte da população acreditava que os crimes tivessem sido cometidos por uma só pessoa..



Em 27 de outubro de 1964, um desconhecido entrou na casa de uma mulher jovem posando como um detetive. Ele amarrou a vítima em sua cama, começou a agressão sexual, e de repente a deixou, dizendo: "Sinto muito", enquanto saia. A descrição da mulher levou a polícia a identificar o agressor como DeSalvo e quando sua foto foi publicada, muitas mulheres o identificaram como sendo o homem que as havia agredido.


Anteriormente, em 27 de outubro, DeSalvo tinha se passado por um motorista com problemas com o carro e tentado entrar numa casa em Bridgewater, Massachusetts. O proprietário, o futuro chefe de polícia Richard Sproles Brockton, viu e eventualmente disparou tiros de espingarda em direção a DeSalvo.

DeSalvo sendo escoltado até a corte superior de Cambridge



Somente depois de ter sido acusado de estupro que ele deu uma confissão detalhada de suas atividades como o "Estrangulador de Boston" sob hipnose induzida por William Joseph Bryan. Inicialmente, ele confessou ao companheiro preso Jorge Nassar. Ele então contou tudo ao seu advogado Lee Bailey. Embora houvesse algumas inconsistências, DeSalvo foi capaz de citar detalhes que não foram divulgados para o público. No entanto, não havia nenhuma evidência física para fundamentar a sua confissão. Como tal, ele foi julgado pelos crimes de roubo independentes e delitos sexuais anteriores. Bailey levantou a confissão dos assassinatos como parte da história do seu cliente durante o julgamento, a fim de auxiliar na obtenção de um veredito de "inocente por razões de insanidade" para os delitos sexuais, mas foi considerado como inadmissível pelo juiz.



Prisão e morte :



DeSalvo foi condenado a prisão perpétua em 1967. Em fevereiro daquele ano, ele fugiu com dois companheiros de Bridgewater State Hospital, desencadeando uma caçada em grande escala. Uma nota foi encontrada em seu beliche dirigida ao superintendente. Nela, DeSalvo afirmou que tinha fugido para chamar a atenção para as condições do hospital e sua própria situação. Um dia após a fuga, ele foi pego próximo a Lynn, Massachusetts. Após a fuga, ele foi transferido para o presídio de segurança máxima conhecido na época como Walpole, onde assassinado seis anos mais tarde na enfermaria. Seu assassino ou assassinos nunca foram identificados.



DeSalvo nunca foi acusado pelos crimes do "Estrangulador de Boston", julgado por eles, ou condenado por eles.
 
Controvérsia :


DeSalvo rezando na capela da cadeia em 1970.

Há dúvidas remanescentes quanto ao fato de que DeSalvo foi de fato o Estrangulador de Boston. Na época, ele confessou, mas as pessoas que o conheceram pessoalmente não acreditavam que ele fosse capaz de crimes. Também foi observado que as mulheres mortas pelo "Estrangulador" eram de diferentes idades e grupos étnicos, e haviam diferentes modus operandi.( Maneira de matar )
Susan Kelly, uma autora que teve acesso aos arquivos da Commonwealth of Massachusetts sobre o "Estrangulador de Bureau", argumenta que os assassinatos foram o trabalho de vários assassinos em vez de um único indivíduo. Um outro autor, o ex-agente do FBI Robert Ressler, disse: "Estão unindo tantos padrões diferentes sobre os assassinatos do Estrangulador de Boston, que é inconcebível que todos estes comportamentos poderiam caber a uma só pessoa."

Cama onde DeSalvo morreu.



DeSalvo na ficção :



DeSalvo foi o tema do filme de Hollywood O Estrangulador de Boston, 1968, estrelado por Tony Curtis como DeSalvo, e Henry Fonda e George Kennedy como os detetives de homicídios que o prenderam. O filme foi altamente ficcional: É passado que DeSalvo era culpado, (não que ele não possa ter sido) e o retratou como sofrendo de distúrbio de personalidade múltipla ao cometer os assassinatos, enquanto em um estado psicótico. DeSalvo nunca foi diagnosticado com, ou mesmo suspeita de ter, o transtorno.

DeSalvo foi um dos assassinos em série cujas mortes foram recriadas pelo assassino no filme Copycat.

O espírito de DeSalvo é convocado pelo xerife Lucas Buck para destruir o fantasma da irmã de Caleb no episódio Strangler no American Gothic.

O nome DeSalvo foi usado para o personagem Andrew DeSalvo, um personagem fictício em Silent Hill 4: The Room. O personagem funciona como um guarda para a prisão onde as crianças são enviadas para a punição, mas é morto por um outro personagem chamado Walter Sullivan.






            Agradecemos pelas doações, para que possamos continuar postando e mantendo o blog.

Fontes de pesquisa: Wikipedia, Murderpedia e 501 Crimes mais notórios

Sem comentários: