terça-feira, 2 de março de 2010

Martha Beck e Raymond Fernandez - "The Lonely Hearts Killers"


Raymond Fernandez e Martha Beck 

Ficaram conhecidos como "The Lonely Hearts Killers" após a sua detenção e julgamento por assassinatos em série, em 1949. Entre 1947 e 1949 acredita-se terem matado cerca de 20 mulheres. O filme de 1969 The Honeymoon Killers, o filme de 1996 Deep Crimson, e também o filme de 2006, Lonely Hearts (Os fugitivos), e um episódio da série de televisão Cold Case foram todos baseados neste caso.

Antes dos assassinatos:

Raymond Martinez Fernandez


Fernandez nasceu em 17 de dezembro de 1914, no Havaí seus pais eram da Espanha. Pouco depois, mudou-se para Connecticut. Já adulto, mudou-se para a Espanha, era casado e tinha quatro filhos, todos de quem ele abandonaria mais tarde.
Após servir na Inteligência Britânica durante a II Guerra Mundial, Fernandez decidiu procurar trabalho. Pouco depois de embarcar num navio com destino à América, uma portinhola de aço caiu em cima dele, fraturando seu crânio, e ferindo seu lóbulo frontal. Os danos deixados por essa lesão podem ter afetado o seu comportamento social e sexual. Após sua libertação de um hospital, Fernandez roubou algumas roupas, e foi preso por um ano, período em que seu companheiro de cela lhe ensinou vodu e magia negra. Ele alegou mais tarde que a magia negra deu-lhe poder e charme irresistível sobre as mulheres. (Aff) 

Depois de ter cumprido sua pena, Fernandez se mudou para Nova York e começou a responder a anúncios pessoais de mulheres solitárias. Ele serviria o vinho e o jantar, em seguida, roubava o dinheiro e posses das pobres mulheres. 
A maioria estava muito envergonhada para relatar os crimes.
Em um caso, ele viajou com a mulher para a Espanha, onde visitou sua esposa e apresentou as duas mulheres. Sua companheira de viagem, em seguida, morreu em circunstâncias suspeitas. Ele, então, tomou posse de sua propriedade com um testamento forjado.
Em 1947, ele respondeu a um anúncio pessoal colocado por Martha Beck.

Martha Beck 

Nasceu Martha Jule Seabrook em 6 de maio de 1920, em Milton, na Flórida. Devido a um problema glandular, ela estava com excesso de peso e atravessou a puberdade prematura. Em seu julgamento, ela alegou ter sido violentada por seu irmão. Quando ela contou à mãe sobre o que aconteceu, a mãe batia nela dizendo que ela era responsável. (Putz tem cada mãe!!!)
Depois que ela terminou a escola, ela estudou enfermagem, mas teve dificuldade em encontrar um emprego devido ao seu peso. Ela tornou-se inicialmente uma assistente funerária e preparava o corpos femininos para o enterro. Deixou o emprego e se mudou para a Califórnia, onde trabalhou em um hospital do exército como enfermeira. Ela tinha um comportamento sexual promíscuo e, ficou grávida. Ela tentou convencer o pai da criança a se casar com ela, mas ele recusou. Solteira e grávida, ela retornou para a Flórida. 

Ela elaborou uma mentira; ela afirmava que o pai da criança que ela carregava era um soldado que se casou com ela, mais tarde, alegando que ele havia sido morto na Campanha do Pacífico. A cidade chorou sua perda e a história foi publicada no jornal local. (Rsrs ve se pode!) Pouco depois que sua filha nasceu, ela engravidou novamente de um motorista de ônibus chamado Alfred Beck. Casaram-se rapidamente e se divorciaram em seis meses, ela deu à luz um filho. 
Desempregada e mãe solteira de dois filhos agora, Beck escapou para um mundo de fantasia, comprando revistas de romance e novelas, e vendo filmes românticos. Em 1946, ela encontrou um emprego no Hospital para Crianças de Pensacola. Colocou um anúncio Lonely Hearts, (corações solitários) em 1947, que Raymond Fernandez, em seguida, respondeu. 

Assassinatos:

Fernandez visitou Beck e permaneceu por um curto período de tempo, e ela disse a todos que estavam para se casar. Ele voltou para Nova York, enquanto ela fez os preparativos em Milton, Flórida, onde ela morava. De repente, ela foi demitida do emprego, provavelmente por causa de rumores sobre ela e Fernandez. Ela então chegou a casa de Fernandez, em Nova York. Fernandez apreciou a forma como ela servia aos seus caprichos, e ele confessou seus empreendimentos criminosos. Beck rapidamente se tornou uma participante voluntária, e enviou seus filhos para o Exército da Salvação. Ela posou como a irmã de Fernandez, dando-lhe um ar de respeitabilidade. Suas vítimas, muitas vezes ficavam com eles, ou eles ficavam com elas. Ela era extremamente ciumenta e não media esforços para se certificar de que ele e sua "vítima" nunca consumassem a relação. Quando ele fez sexo com uma mulher, ambos foram submetidos ao temperamento violento de Beck. 

Em 1949, a dupla cometeu três assassinatos de que viriam a ser condenados. Janet Fay, 66, ficou noiva de Fernandez e foi para a estadia em seu apartamento em Long Island. Quando Beck viu ela e Fernandez na cama juntos, ela bateu na cabeça de Fay com um martelo em uma fúria assassina, e depois Fernandez a estrangulou. A família de Fay começou a suspeitar, mas o casal foi atrás de uma nova vítima. 

Janet Fay


Eles viajaram para Byron Center Road, em Wyoming, Condado, um subúrbio de Grand Rapids, Michigan, para atender Delphine Downing, uma jovem viúva com uma filha de dois anos de idade. Enquanto ele conversava com Downing, Beck tornou-se agitada, e Fernandez deu seus comprimidos para dormir a ela. Enfurecida pelo choro da filha de Downing, Beck a estrangulou, embora não a tenha matado. Fernandez pensou que Downing ficaria desconfiada se ela visse a filha machucada, então ele deixou a mulher inconsciente. O casal, então, ficou por vários dias na casa de Downing. Mais uma vez enfurecida com a menina chorando, Beck afogou a menina em uma bacia de água. Eles enterraram o corpo no porão, mas os vizinhos suspeitaram e relataram o seu desaparecimento e a polícia chegou em sua porta em 28 de fevereiro de 1949.

Downing e sua filhinha

Julgamento e execução:

Fernandez rapidamente confessou, com a condição de que não fosse extraditado para Nova York; em Michigan não tinha pena de morte, mas em Nova York sim. Mesmo assim eles foram extraditados, e Nova York o fez. Eles negaram os 17 assassinatos que foram atribuídos a eles, e Fernandez tentou retratar sua confissão, dizendo que ele só fez isso para proteger Beck.
O julgamento foi sensacionalista, com contos escabrosos de perversidade sexual. Beck ficou tão chateada com comentários da mídia sobre sua aparência que ela escreveu cartas ao editor protestando. (Nuss se ela soubesse que um dia seria interpretada pela maravilhosa Salma Hayek!!! rs)
Fernandez e Beck foram condenados por três assassinatos e sentenciados à morte. Em 8 de março de 1951, ambos foram executados por cadeira elétrica.
Apesar de seus argumentos e problemas de relacionamentos tumultuados, muitas vezes professaram seu amor um pelo outro, como demonstrado por suas oficiais últimas palavras:
"Eu quero gritar bem alto, Eu Amo Martha! O que o público sabe sobre o amor?" - Raymond Fernandez.
"Minha história é uma história de amor. Mas apenas os torturados por amor podem saber o que eu quero dizer [...] Prisão e a pena de morte só reforçaram o meu sentimento por Raymond ...." - Martha Beck.





Lonely Hearts - Os fugitivos - Trailer






5 comentários:

Anónimo disse...

OLÁ, ANNE, JÁ VISITEI O BLOG: ESCRITO CON SANGRE, EM ESPANHOL, E GOSTEI MUITO É PARECIDO COM O TEU.
HASTA LA VISTA, BESOS, CHAO.

Anne disse...

Olá,

conheço o site e até posto alguns videos de la rs.

Valeu !

clamanat disse...

Acabei de ler a história dos dois numa revista brasileira legal e antiga: Detetive. A minha mãe a colecionava. A data é 1/12/1960, ela estava no seu oitavo ano de publicação, o seu número era 23 e custava Cr$ 20,00. Se alguém encontrá-la em algum "sebo", deve comprá-la. Os textos são saborosos, há fotos e matérias afins.

amsl

Ana Cláudia disse...

Conheço este caso graças a uma coleção da Abril dos anos 70, a "Enciclopédia do Crime", que dentre outros assuntos ligados a lei e desajustes, narrava de forma simples e objetiva a história de vários tipos ligados a vários crimes, assaltantes como Bonnie & Clyde, gângsteres como Al Capone, erros judiciários como o caso Sacco & Vanzetti e psicopatas como Landru, o "Barba Azul de Paris" e Peter Kurten, o "Vampiro de Dusseldorf".
A história daquele casal é exatamente como você contou. Muito bom mesmo o seu blog!

Bia_rubens disse...

adorei o blog, como curiosa sobre o assunto é sempre bom ver pessoas que compartilha dos mesmo gostos, mas só uma observação, não dá pra chamar as mulheres da decada de 40, 50 de burrinhas pelo fato de não denuciarem, os tempos e a sociedade eram bem diferentes... provavelmente zombariam delas e os casos continuariam sem solução