sexta-feira, 15 de março de 2013

Williamina "Minnie" Dean



Williamina "Minnie" Dean (02 de setembro de 1844 - 12 de agosto de 1895) era de Nova Zelância, foi considerado culpado de infanticídio e enforcada. Ela foi a única mulher a receber a pena de morte na Nova Zelândia.

início da vida

Minnie Dean (também conhecida como A Bruxa de Southland) nasceu em Greenock, no oeste da Escócia. Seu pai, John McCulloch, foi um engenheiro ferroviário. Sua mãe, Elizabeth Swan, morreu de câncer em 1857. Não se sabe quando ela chegou na Nova Zelândia, mas pelo início dos anos 1860, ela estava morando em Invercargill com duas crianças. Ela alegou que ela era a viúva de um médico da Tasmânia, embora nenhuma evidência de um casamento foi encontrada. Ela ainda estava usando seu nome de nascimento, McCulloch.

Em 1872, ela se casou com Charles Dean, dono de uma hospedaria. O lugar onde eles moravam, Etal Creek, Southland, fora no passado uma comunidade próspera, mas, na época do casamento, era um lugar deserto, e Charles Dean se dedicou à construção para sobreviver. Em 1884 ele faliu.

Quatro anos antes eles haviam adotado Margaret Cameron, de 5 anos de idade, e em 1887 a família mudou para The Larches uma casa grande em Winton, cerca de 1,5 quilômetros fora da cidade. A casa foi destruída por um incêndio, e o Sr. Dean construiu um chalé de dois cômodos com um alpendre. Minnie Dean, entretanto, começou a ganhar dinheiro, tendo em crianças indesejadas em troca de pagamento. Em uma época em que havia poucos métodos de contracepção, e quando parto fora do casamento era desaprovado, havia muitas mulheres que desejavam discretamente enviar seus filhos para adoção - como tal, Minnie Dean não estava com poucos clientes. Acredita-se que ela era responsável por até nove crianças em certo momento.

Ela recebia o pagamento semanal ou em parcela única. Ela anunciava em um jornal local: “ Mulher Casada Respeitável (confortável casa no campo) Quer adotar bebê – Endereço Fixo, sem filhos”. Para adotar um bebê ela aceitava qualquer coisa entre 10 e 30 libras.

Antes do julgamento de Dean e execução, outras três mulheres haviam sido julgadas e condenados à morte: Caroline Whitting (1872), Phoebe Veitch (1883: d.1891) e Sarah-Jane e Anna Flannagan (1891). Em cada caso, as sentenças foram comutadas para prisão perpétua. Em cada caso, o crime era assassínio de crianças (infanticídio). Trinta anos mais tarde, em 1926, Daniel Cooper também foi condenado por cultivar bebê e também executado pelo crime, apesar de Martha, sua segunda esposa ter sido absolvida.

Assassinatos e execução:

Logo bebês começaram a morrer em The Larches. Em 29 de outubro de 1889 May Irene, seis meses de idade, morreu  em decorrência de convulsões após uma enfermidade de três dias. Em março de 1891 Bertha Currie, de seis semanas de idade, morreu de inflamação das válvulas cardíacas e congestão pulmonar. O inquérito relatou que a casa estava superlotada e que Dean devia cuidar de menos crianças, mas atestou que a maioria dos bebes recebia cuidados adequados. Seis semanas depois, outro bebe morreu e Dean ficou preocupada, temendo ser relacionada publicamente aos criadores de bebes da Inglaterra e da Australia que haviam sido condenados por assassinarem crianças por dinheiro.

Outro menino morreu aos cuidados dela em 1894, e ela o enterrou no quintal dos fundos para evitar mais um inquérito. A policia a pôs sob vigilância e a impediu de adotar um bebe, com um detetive tendo escrito: “Creio que essa mulher teria matado ou abandonado essa criança”
Em 30 de abril de 1895 Jane Hornsby deu sua neta de um mês de idade, Eva, entregando-a a Dean na Clarendon Station. Em 2 de maio May (apelido) Dean embarcou em um trem com um bebe e uma caixa de chapéu, e quando saltou ela levava apenas a caixa.

Depois de roupas que pertenciam a Eva terem sido encontradas em The Larches, Dean foi presa e acusada de infanticídio. A policia vasculhou o jardim em The Larches e encontrou os corpos de dois bebês, Dorothy Edith Carter (que morrera de overdose de láudano) e Eva Hornsby (morta por asfixia), e o corpo de um menino de quatro anos. Não foi possível determinar como ele morreu. Um legista determinou que Minnie Dean era infanticida.

Onde aconteceu: Winto, Southland, Nova Zelândia.
Quando: Quarta-Feira, 2 de maio de 1895
Consequências: O julgamento pelo assassinato de Dorothy Carter começou em Invercargill em 18 de junho de 1895. O advogado de defesa A.C, Hanlon disse que a morte havia sido acidental, mas o juiz disse: "Acho que a verdadeira questão aqui é se a acusada é culpada de matar intencionalmente a filha ou se é inocente." Em 21 de junho Dean foi condenada por assassinato e sentenciada à morte. Ela foi enforcada na prisão de Invercangill em 12 de agosto de 1895 pelo oficial de execuções Tom Long.
Minnie Dean tornou-se, então, a única mulher a ser enforcada por assassinato na Nova Zelândia.

Curiosidade: Charles Dean também foi preso, mas solto sem ser indiciado. Ele morreu em um incêndio em casa em Wintom, em 1908,aos 73 anos.








                                           



Sem comentários: