domingo, 4 de agosto de 2013

O assassinato de Laurie Show


Laurie Show


O assassinato de Laurie Show ocorreu em 21 de dezembro de 1991. Show, 16 anos, foi uma estudante na Conestoga Valley High School. O corpo de Show foi descoberto em Lancaster, Pensilvânia, em sua casa, em 21 de dezembro de 1991 por sua mãe Hazel Show, com um corte na garganta.
Os colegas de sala dela, Lisa Michelle Lambert, Tabitha Buck, e Lawrence "Butch" Yunkin, foram acusados ​​de seu assassinato.

Perseguição e assassinato:


Lisa Lambert

Lambert começou inicialmente o assédio a Show, em 1991, depois de descobrir que ela teve um breve relacionamento com Yunkin durante o verão. Lambert e Yunkin tinham tido um relacionamento anterior um com o outro, mas não tinham alegadamente terminado durante o tempo em que Yunkin estava saindo com Show. Show e Yunkin tinha ido em alguns encontros, Show contou para sua mãe que tinha sido estuprada por Yunkin. Mas decidiu não prestar queixas com medo de irritar mais ainda a namorada dele, Lambert. Pouco depois de seu encontro final com Show, Yunkin retomou o namoro com Lambert, que estava grávida de seu filho. (Aliás, filha, a menina nasceu na cadeia e foi criada pelos pais de Lambert) Ela se tornou "obsessivamente ciumenta" e tinha ódio de Show, Lambert começou a assediar Show, em várias formas, como aparecendo no trabalho de Show e a agredindo verbalmente. Testemunhas relataram que Lambert havia manifestado a intenção de "assustar Laurie Show, então machucá-la, em seguida, cortar sua garganta ".

Lisa Michelle Lambert

Em 21 de dezembro de 1991, o corpo de Show foi descoberto em sua casa por sua mãe, com o corpo apresentando vários ferimentos. 



A polícia registrou mais tarde que Show tinha recebido "um corte de orelha a orelha na garganta, uma facada que perfurou um pulmão e outro que roçou sua espinha; vários ferimentos na cabeça, e uma série de feridas defensivas". Hazel Show não estava em casa, como ela tinha ido participar de uma reunião com um conselheiro da escola. 

Mãe de Laurie

Pai e Laurie


A mãe de Show relatou à polícia que sua filha mesmo gravemente ferida conseguiu dizer a ela "Foi a Michelle" antes de morrer.

Yunkin
A polícia prendeu Yunkin, Lambert e a amiga Tabitha Buck em uma pista de boliche local, mais tarde naquele dia, pelo assassinato de Show. Inicialmente os testemunhos dos três mostraram que Yunkin deixou Lambert e Buck na casa de Show, onde as duas meninas a mataram. Yunkin afirmou que ele não tinha participado no assassinato. Também afirmou que, ele estava sob a impressão de que Lambert e Buck estavam indo cortar o cabelo do Show com a faca como uma brincadeira, (superrrrr legal da parte dele né?) mas ele ajudou a fornecer um álibi e ajudou-as a se livrarem das provas. Este testemunho viria a mudar à medida que Lambert e Buck deram seus depoimentos iniciais, com Lambert afirmando que Yunkin era abusivo e tinha a encorajado a perseguir e atacar Show. 

Yunkin

Buck

Julgamentos de 1992:

Lambert, Buck, e Yunkin foram julgados pelo assassinato de Laurie Show. Yunkin concordou em testemunhar contra Lambert, afirmando que ela e Buck que cortaram a garganta de Show depois que elas haviam perfurado um dos pulmões dela. Um par de calças de moletom que Lambert tinha usado durante o crime foram apresentados, com os advogados afirmando que um pouco do sangue de Show estava presente neles; uma carta de Lambert para Yunkin também foi mostrada, nela Lambert declara: "Eu sei que não sou um anjo, mas [Lawrence S. Yunkin], eu nunca fiquei brava o suficiente para matar ". 

Lisa Lambert
Tabitha Buck

Vereditos:

Lambert foi condenado em 20 julho de 1992, para as acusações de assassinato em primeiro grau e conspiração criminosa na morte do Show. Buck também foi condenada por acusações semelhantes, ambas receberam a sentença de prisão perpétua sem liberdade condicional. Lambert foi inicialmente condenada à Cambridge Springs State Correctional Institution e Buck foi condenada à Muncy State Correctional Institution. 
Yunkin recebeu uma pena menor pelo seu depoimento e foi concedida a ele a liberdade condicional em 2003. 
Laurie Show

Buck, após o assassinato tinha um machucado (arranhão) na bochecha, indicando que Show tentou se defender. Quando a policia perguntou como aconteceu, Lambert disse que elas haviam entrado numa briga com alguns hispânicos.





Apelação de 1997:

Lambert recorreu da condenação de 1992 e em 1997, apareceu no tribunal para uma audiência dehabeas corpus federal. O Juiz Distrital dos EUA, Stewart Dalzell, presidiu o julgamento. 

Yunkin e Lambert

Os advogados de Lambert afirmaram que havia várias inconsistências com as provas e depoimento prestado no julgamento anterior e que Lambert era inocente. Lambert também alegou que ela havia sido enquadrado por policiais, a fim de impedi-la de avançar com as acusações de que eles a tinham estuprado. Evidências fornecidas no re-estudo incluíram o moletom mostrado na audição de 1992, bem como a correspondência entre Yunkin e Lambert. Dalzell anulou a condenação por homicídio, em 15 de abril de 1997, citando que "a conduta do Ministério Público" resultou em uma decisão incorreta. A decisão de Dalzell foi posteriormente anulada em janeiro 1998 por um painel de apelações federais que afirmaram que Lambert "ainda não havia esgotado seus recursos no tribunal estadual" e Lambert foi levada de volta para a prisão.

Lambert
Laurie Show



Apelação de 1998:

Após a decisão de Dalzell ter sido derrubada, o sistema de tribunal federal debateu sobre se deveria ou não manter Lambert na cadeia ou manter o veredicto de Dalzell. Lambert entrou com um recurso para uma audiência, mas foi negado. Em fevereiro de 1998, o Supremo Tribunal da Pensilvânia devolveu o caso ao sistema de Lancaster County Court, afirmando que Lambert "deve primeiro assumir suas reivindicações [lá]". O terceiro julgamento ocorreu em maio de 1998, com um apelo ao Tribunal Federal libertando temporariamente Lambert sob a crença de que ela iria ganhar o seu caso. O juiz Lawrence F. Stengel acompanhou o julgamento. Várias testemunhas foram chamadas a depor contra Lambert, incluindo o detetive que tinha supervisionado o caso do assassinato de 1991, bem como os cúmplices Buck e Yunkin. O detetive testemunhou contra as alegações de que as provas tinham sido adulteradas.

Yunkin
Lambert dessa vez testemunhou que Yunkin tinha participado nos assassinatos, sufocando Show. Ela também afirmou que ela tentou ajudar a vítima, a defender ela contra os outros dois cúmplices, e que ela tentou puxar a vítima para fora do apartamento. (aham, senta lá Michelle) 

Yunkin

Evidências de do julgamento de 1997  foram apresentadas novamente. A defesa argumentou que Lambert não tinha participado no ato, que Yunkin era o assassino, e que Lambert havia obedecido tudo Yunkin havia ordenado dela devido à sua gravidez. Um namorado anterior de Lambert confirmou que ele havia testemunhado Yunkin "puxando [Lambert] em uma sala", e que Yunkin começou a gritar com ela. Ele também testemunhou que ele tinha visto um policial correspondente a uma das descrições que Lambert deu de seus supostos estupradores ameaçando-a em um festival local. Advogados também forneceram correspondências entre Lambert e Yunkin que, segundo eles, provavam que Lambert não havia sido envolvida no assassinato e que Yunkin lhe pediu para mentir para ele. Eles também questionaram se ou não Show teria sido capaz de falar com sua mãe antes de sua morte, pois sua garganta tinha sido cortada, e alegaram que Show realmente tinha falado as iniciais de seus assassinos, Buck e Yunkin. 


Yunkin

Buck

Lambert

Buck negou estas alegações, atestando que Lambert tinha participado ativamente no assassinato e que ela tinha dito a Buck para "usar o cabelo amarrado e não usar maquiagem ou unha pintada". Yunkin mais tarde foi acusado de ser o dono das calças de moletom que tinham sido re-introduzidas no julgamento de 1997. Yunkin foi obrigado a segurar as calças de moletom contra o seu corpo, que se mostraram muito curtas para serem dele.Outra evidência e testemunho foi movido contra Lambert, um parente de Yunkin proporcionou um poema que Lambert havia escrito na prisão, que descreveu o assassinato. Especialistas da cena do crime também testemunharam que evidências de que Show escreveu todas as iniciais de quem a atacou em seu sangue foram encontradas e que outras evidências descobertas na cena do crime não corroboravam com a história de Lambert.

Laurie Show


Lisa M. Lambert
Tabitha Buck
Lawrence Yunkin

Em agosto de 1998 o juiz Stengel anunciou seu veredito, afirmando que ele iria defender o veredito original contra Lambert e que "mesmo se ele acreditasse na versão dela da história ... ela ainda seria culpada de assassinato em primeiro grau como cúmplice". A juiza federal Anita Brody mais tarde confirmou este veredito. Lambert tentou recorrer da decisão de 1998 em 2003 e para levar o caso à Suprema Corte dos Estados Unidos, mas foi rejeitada duas vezes. 


No primeiro julgamento, todos achavam que ela deveria pegar pena de morte, mas o Juiz não deu essa pena por ela ser jovem, não ter antecedentes criminais e porque de dentro da cadeia ela poderia contribuir para a vida da sua filhinha.

O filme "The Stalking of Laurie Show" também de título "Rivals" de 2000 é baseado na história, não consegui encontrar esse filme ainda. Gostaria de assistir. 



O documentário abaixo é muito, mas muito bom mesmo, só que não está legendado. 






Uma curiosidade: 

Eles (Lawrence e Lisa) foram colegas de trabalho de Charles Carl Roberts IV, o Atirador que matou crianças da comunidade Amish, vide post:

Página do blog no FACEBOOK


10 comentários:

[LM]Rened disse...

Seu blog é o melhor que eu conheço!

Mel disse...

Encontrei o teu blogue enquanto pesquisava sobre histórias de vários serial-killers e fiquei fã :3 reparei que não postas há algum tempo e espero que não tenha desistido :c li todas as suas publicações de uma ponta à outra e decidi comentar para parabenizar o teu trabalho. Interessei-me sobre o assunto quando comecei a questionar sobre as razões que levam algumas pessoas a matar. Eu vejo a violência como um acto anti-natural da nossa parte e não compreendo como é que alguém pode ceifar a vida ao seu semelhante. Cheguei a conhecer um indivíduo que assassinou a mulher e fiquei vazia quando foi noticiado. Não consegui aceitar a vingança como uma justificação para a sua atitude porque nada justifica tirar a vida seja a quem for.

Cumprimentos de Portugal (que por acaso, também tem algumas histórias de homicidas e serial-killers. Se tiveres interesse em alguma diz-me qualquer coisa :3).

Beijo*

Macabéa disse...

Ola, muito obrigada pelos elogios, e claro q tenho interesse, não desisti do blog, é q estou ocupada com outros projetos no momento, mas logo voltarei. Siga a página no face.https://www.facebook.com/pasdemasque Psicopatas notórios.

;) lá posto notícias e coisas legais tb, bjuss

Mel disse...

Olá,

o teu blogue foi um dos recursos de pesquisa que utilizei para um texto que publiquei. Convido-te para a sua leitura aqui:

http://grito-silenciado.blogspot.pt/2013/12/nao-e-cliche-afirmar-que-um-individuo.html

Beijo*

Mel disse...

Obrigada pela divulgação no facebook :3 apesar do blogue ser especificamente sobre ética e libertação animal, estou a considerar fazer mais publicações futuras sobre homicidas e serial-killers que maltratavam e/ou matavam animais: considero essencial alertar para a violência gratuita que arrisca-se a estender contra nós.

Beijo*

Macabéa disse...

Muito legal essa ideia.

Faça sim; e me avise pra eu divulgar.

Bjus

Mel disse...

Olá mais uma vez (sou tão chata u.u): publiquei um texto sobre o paralelismo do zoosadismo à psicopatia, e como pediste para eu avisar-te das vezes em que postasse assuntos relacionados com criminologia, decidi passar por aqui.

Está no blogue Quebra do silêncio. Espero que gostes :)

Beijo*

Macabéa disse...

olhaaa só q maraaa, obrigada linda, depois eu posto no face. ^^ valeu mesmo. bjus

super mas disse...

Amo seu blog (nova leitora) By Gabrielly

Thalisson Silva disse...

Amo seu blog!!!!!!!