sábado, 23 de julho de 2011

John Paul Knowles – O assassino de Casanova


 John Paul Knowles (17 de abril de 1946 - 18 de dezembro de 1974), também conhecido como The Casanova Killer , foi um serial killer ligado à morte de 18 pessoas em 1974, apesar de ele ter alegado ter tirado 35 vidas.

Primeiros anos de vida:

Nascido em Orlando, Florida, seu pai o mandou para lares adotivos e reformatórios depois que ele foi condenado por um crime insignificante. Knowles foi encarcerado na idade de 19, e nos anos seguintes ele passou mais tempo na prisão. No início de 1974, Knowles estava cumprindo pena na Prisão Raiford na Flórida (agora conhecida como  Prisão Estadual de Flórida), quando ele começou a se corresponder com uma mulher divorciada, em San Francisco, chamada Angela Covic, que fez uma viagem para a prisão para visitar Knowles. (Juro que não entendo essas mulheres que ficam atrás de homens na cadeia!! Só podem estar no nível HARD do desespero). Após a sua chegada, Knowles propôs casamento a Covic. Depois que ela aceitou a sua proposta, ela se tornou obcecada pela obtenção da libertade de Knowles, pagando por seu advogado. Após a sua libertação, Knowles voou diretamente para a Califórnia para ficar com ela. Depois que uma vidente a "avisou" da entrada de um homem novo e perigoso em sua vida, Covic terminou o relacionamento e cancelou o casamento.

Embora isso nunca tenha sido verificado, Knowles alegou ter assassinado três pessoas nas ruas de San Francisco na noite em que Covic rompeu seu relacionamento. Devastado pela rejeição, Knowles voltou a Jacksonville, Florida. Ele logo foi preso depois de esfaquear um bartender durante uma luta, mas ele conseguiu escapar de sua cela e fugiu em 26 de julho de 1974.



Assassinatos:

Após a sua fuga da prisão, Knowles fez uma farra assassina em todo o país, a partir de Jacksonville na mesma noite de sua fuga. Knowles invadiu a casa de Alice Curtis, de 65 anos de idade. Ele a amarrou e amordaçou, em seguida, procurou por dinheiro e outros bens que ele poderia usar ou vender. Curtis depois a estrangulou até a morte com a própria dentadura dela. Knowles também roubou seu Dodge Dart (carro), mas decidiu despejá-lo menos de uma semana mais tarde, ao perceber que a polícia havia ligado ele ao crime e anunciado-o como um fugitivo procurado. Na rua onde ele pretendia abandonar o carro, viu duas meninas Lillian e Mylette Anderson. Lillian tinha onze anos e sua irmã Mylette tinha apenas sete anos. Com medo de que elas fossem identificá-lo como o homem que jogou o carro, ele sequestrou as duas, estrangulou-las, e enterrou os corpos em um pântano nas proximidades. Seus corpos não foram recuperados até cinco meses depois, em janeiro, depois que Knowles havia confessado o crime.

No dia seguinte, 2 de agosto de 1974, Knowles encontrou Marjorie Howie, 49, em Atlantic Beach, Florida. Ela o levou até seu apartamento, (até hoje não se sabe se foi a força ou se ela o convidou) onde ele a estrangulou com uma meia de nylon. Alega-se que ele roubou-lhe o aparelho de televisão, que mais tarde deu a uma ex-namorada.

Logo após isso, Knowles alegou ter pego uma adolescente que estava pedindo carona e matou-a só por esporte, mas sua identidade permanece desconhecida.
Perto do final de agosto, Knowles apareceu em Musella, Georgia, e invadiu a casa de Kathie Sue Pierce, que estava lá com seu filho de três anos de idade. Knowles usou um fio de telefone cortado para estrangulá-la em seu banheiro, mas deixou seu filho fisicamente ileso.

Em 3 de setembro de 1974, Knowles entrou no Inn Scott, um pub na estrada perto de Lima, Ohioe, conheceu William Bates, um executivo de contas de 32 anos de idade para Ohio Power Company. O barman, que conhecia Bates, lembrou que Bates e um jovem ruivo tinham tomado várias bebidas à noite e foram embora juntos. A esposa de Bates depois informou seu desaparecimento, a polícia percebeu que seu carro estava em falta também. Perto do bar, a polícia encontrou um Dodge Dart abandonado que foi posteriormente descoberto pertencer a Alice Curtis. Em outubro, o corpo nu de Bates foi encontrado. Ele tinha sido estrangulado e jogado na floresta.

Agora dirigindo o carro de Bates, ele se mudou para um acampamento em Ely, Nevada, onde em 18 de setembro de 1974 ele  atirou em dois campistas idosos, Emmett e Lois Johnson. Ele usou seus cartões de crédito por um curto período para pagar suas despesas.

Em 21 de setembro de 1974, a matança de Bates , continuou, desta vez em Seguin, Texas. Lá, ele se deparou com a motociclista Charlynn Hicks, a quem ele sequestrou e estuprou antes de estrangulá-la com sua meia-calça e arrastar seu corpo através de uma cerca de arame farpado. Seu corpo foi encontrado quatro dias depois.

Viajando depois para Birmingham, Alabama, Knowles conheceu a esteticista Ann Dawson em 23 de setembro de 1974. Não está claro se ou não ele a raptou ou se ela viajou com ele por vontade própria, mas ela pagou as contas, enquanto eles viajaram juntos até que ele a matou em 29 de setembro de 1974. Knowles afirma ter despejado o seu corpo no rio Mississippi, mas nunca foi recuperado.

Knowles chegou em Marlborough, Connecticut, em meados de outubro de 1974, onde continuou sua matança viciosa. Ele entrou na casa de Karen Wine e sua filha Dawn de 16 anos de idade em 16 de outubro, onde ele amarrou-as e estuprou-as, antes de matá-las com uma meia de nylon. A única coisa roubada de sua casa foi um gravador.

Em 19 de outubro, Knowles foi para Woodford, Virginia, onde ele invadiu a casa de Doris Hovey, 53 anos, e atirou nela até a morte com a espingarda do marido, então enxugou impressões da arma e colocou-a ao  lado do corpo. 

Ainda dirigindo o carro roubado William Bates, Knowles deu carona para duas em Key West, Florida, com a intenção de matar as duas, mas seu plano deu errado quando um policial o deteve por uma infração de trânsito. Sem saber com quem ele estava lidando, o oficial deixou Knowles ir com um aviso. Abalado pela experiência, Knowles teve misericórdia de suas vítimas e as deixou em Miami, Florida e contatou seu advogado pouco depois. Ele rejeitou a sugestão de seu advogado de rendição, mas marcou um encontro com ele que durou apenas o tempo suficiente para entregar uma confissão gravada. Ele saiu para fora da cidade antes que a polícia fosse informada de sua presença.

Em 6 de novembro, em Macon, Geórgia, Knowles fez amizade com Carswell Carr e foi convidado a ir para a casa de Carr para passar a noite. Depois de beber, ele esfaqueou Carr até a morte e depois estrangulou filha de 15 anos. Depois de assassinar a menina, Knowles tentou envolver-se em necrofilia com o cadáver dela, mas suas tentativas foram infrutíferas. No caminho de sua fuga para Macon, Knowles também foi suspeito no assassinato de 02 de novembro do caroneiro Edward Hilliard, encontrado em um bosque nas proximidades, e sua companheira Debbie Griffin, cujo corpo nunca foi recuperado.

Em Atlanta em 08 de novembro, Knowles conheceu a jornalista britânica Sandy Fawkes, impressionando-a com seu "bom visual" Eles passaram 6 dias juntos, mas, de acordo com Fawkes, ele foi repetidamente incapaz de executar o ato sexual, (sugerindo impotência possível com um companheiro disposto). Eles se separaram em 10 de novembro, mas Knowles no dia seguinte pegou uma conhecida de Fawkes, Susan MacKenzie, e exigiu sexo dela com uma arma. Ela escapou e notificou a polícia, mas quando patrulheiros tentaram detê-lo, Knowles tinha uma escopeta e conseguiu escapar.

Dias mais tarde, em West Palm Beach, Flórida, ele invadiu a casa da senhora Beverly Mabee, inválida, onde raptou sua irmã e roubou também seu carro. De lá, viajou a Fort Pierce, Flórida, chegando na noite seguinte. Por razões desconhecidas, deixou sua refém escapar, sem danos ou incidentes.

Na manhã de 17 de novembro, na Flórida Rodovia Trooper Patrol, Charles Eugene Campbell reconheceu o carro roubado perto de Perry, Florida e tentou fazer uma prisão, mas depois que ele ficou mais perto, Knowles foi capaz de arrancar a pistola do policial. Knowles o fez de refém e foi embora em seu carro patrulha, mais tarde, usando a sirene para parar o motorista James Meyer, a fim de livrar-se do veículo da patrulha na estrada e continuar em um automóvel menos evidente. Agora sobrecarregado com dois prisioneiros, Knowles levou os dois homens em uma área remota, arborizada, na Pulaski County, Georgiae algemando-os a uma árvore antes de atirar em cada um deles na cabeça a curta distância. Pouco tempo depois, Knowles sofreu um acidente através de uma barreira policial, ele perdeu o controle do veículo e bateu em uma árvore. Ele escapou do veículo a pé e disparou contra os agentes perseguidores. A maratona caótica se seguiu com Knowles perseguido por cães e helicópteros. Ele foi finalmente encurralado por um civil armado com uma espingarda, que acompanhou Knowles até uma residência próxima, onde uma chamada para a polícia foi feita. A onda de crimes do maníaco Knowles tinha chegado ao fim.
Quando a polícia o capturou ele disse ser "O único membro bem-sucedido da família".
Uma vez na prisão, Knowles disse ser responsável por 35 assassinatos, mas apenas 18 foram confirmados.

Morte

Em 18 de dezembro de 1974, Earl Sheriff Lee e G.B.I. e o agente Ronnie Angel estavam levando ele para outra prisão, ele estava algemado no banco de trás. Seu destino era Henry County, Georgia, Não havia tela de segurança no carro, e Knowles tinha um clipe de papel escondido, ele usou para abrir suas algemas. (E a gente acha que isso só acontece em filmes, rs) Uma vez livre, Knowles pegou a arma de Lee, descarregando-a através do coldre no processo. Enquanto Lee estava lutando com Knowles e tentando manter o controle do veículo, Angel disparou três tiros no peito de Knowles, matando-o instantaneamente. Ronnie Angel se recusou a falar publicamente sobre o incidente.



                                    

Sem comentários: