quinta-feira, 22 de janeiro de 2009

William George Heirens ( o assassino do batom ) SERÁ?!!!!!



William George Heirens

Nascido em 15 de Novembro de 1928 em Evanston, Illinois.

É um Serial Killer Americano que confessou a 3 assassinatos em 1946.
Heirens era chamado de 'O assassino do batom'  devido a mensagens escritas com batom nas cenas dos crimes.
Ele se encontra preso na Dixon Correctional Center, Cadeia de mínima segurança !
Ele mudou a confissão, disse que foi vitima de um interrogatório violento.

Infância.

Heirens cresceu em Lincolnwood, um subúrbio em Chicago.
Diz ter testemunhado um casal fazendo amor quando tinha apenas 11 anos.
Ele contou para sua mãe, ela então disse a ele que todo tipo de sexo era sujo, e o levaria a terríveis doenças.
Enquanto beijava uma namorada William caiu em lágrimas em seguida vomitou ainda na presença da garota.

Aos 13 anos de idade, Heirens foi preso por portar uma arma carregada.

A policia encontrou mais armas no refrigerador da casa de William.
Ele admitiu ter cometido alguns atos de rebeldia, invadir uma casa e roubar. Foi então encaminhado ao reformatório Gibault School por vários meses permaneceu la.
Ele disse só ter roubado por diversão , para aliviar as tensões ( chega a ser engraçado ) rsrsr.

Não muito tempo depois de ser solto, Heirens foi preso de novo por roubo. Desta vez foi sentenciado a 3 anos na Escola ( reformatório ) St. Bede Academy, operada por Monges.

Durante seu tempo na escola, Heirens foi um aluno excepcional.
Foi solto aos 16. Suas boas notas o levaram a Universidade de Chicago.
Porém durante os estudos de engenharia eletrica ele continuou a roubar.

Assassinatos

Josephine Ross
Em 5 de Junho de 1945, Josephine Ross 43 anos, foi encontrada morta em seu apartamento.
Ela foi repetidamente esfaqueada, sua cabeça foi embrulhada em um vestido. Presumiram que ela surpreendeu um intruso que a matou. Cabelos pretos foram encontrados nas mãos de Ross, o que indica q ela lutou com o agressor antes de morrer. Nada de valor foi levado do apartamento.
O noivo de Ross tinha um álibi, assim como seus ex-maridos e namorados também tinham.
A policia não tinha outros suspeitos.

Frances Brown

Em 11 de Dezembro de 1945. Frances Brown uma ex-Wave "Mulheres que na segunda guerra foram voluntárias de serviços de emergência a maioria da marinha"
Foi encontrada morta a facadas em seu apartamento depois que uma mulher da limpeza ouviu o radio bem alto e notou a porta do apartamento de Brown parcialmente aberta.
Brown também foi esfaqueada de forma selvagem, e mais uma vez a policia pensou em um ladrão que foi interrompido por ela.
Mais uma vez nada de valor foi levado MAS DESTA VEZ havia uma mensagem escrita com um batom na parede do apartamento de Brown:


For heavens
sake catch me
before I kill more
I cannot control myself.

Pelo Amor De Deus
Me encontre
Antes que eu mate de novo.
Não consigo me controlar.


A Policia encontrou uma impressão digital em sangue na maçaneta da porta. Também ouve uma testemunha que o viu saindo, John Derick o porteiro do prédio, ele disse que um homem nervoso de 35-40 anos pesando mais ou menos 70kl saiu do elevador muito rápido em direção a rua. E George Weinberg que ouviu os tiros as 4 a.m.

Suzanne Degnan

Em 7 de Janeiro de 1946 Suzanne Degnan 6 anos desapareceu de seu quarto. Depois de vasculhar a casa e não encontra-la a família de Suzanne chamou a policia.

Seu desaparecimento ganhou significante publicidade, a policia estava a procura do responsável. Eles encontraram uma carta do lado de fora da janela do quarto da menina. também descobriram um "ransom" ( bilhete de resgate ) que Dizia:

Arrume $20,000 e espere meu contato. Não notifique o FBI ou policia. Notas em $5's e $10's

No verso estava escrito:

Queime isso pelo bem dela.

A policia interrogou os vizinhos da Família Degnan, mas ninguém viu nada diferente. Alguém ligou anonimamente para a policia sugerindo que olhassem nos esgotos e lugares perto da casa da família.
A Policia o fez, e descobriu a cabeça da menina em uma bacia num beco.
Pesquisadores descobriram um apartamento que tinha uma banheira com vestígios de sangue, foi onde o assassino desmembrou a menina.
No mesmo beco descobriram a perna direita na menina em outra bacia, o busto , a perna esquerda foram encontrados em outro Beco.
Os braços foram encontrados em um esgoto um mês depois por trabalhadores. A policia interrogou centenas de pessoas, aplicou o teste do polígrafo em mais ou menos 170, em varias ocasiões a Policia disse ter pego o assassino, mas eventualmente descobriam que não.

A prisão de Hector Verburgh.

Hector Verburgh 65 anos, zelador do prédio onde Degan vivia, foi preso e apontado como suspeito.
A Policia disse 'este é o homem', Apesar de discrepâncias no profile dele com os do assassino, incluindo ter conhecimento cirúrgico ou pelos menos ter sido um açougueiro.
Mas como ele frequentava o chamado 'Murder Room' (Quarto do assassinato )e no bilhete do resgate havia evidencia de que foi feito por uma mão suja tais como as de Hector eles o prenderam.
Tentaram persuadir a esposa dele a implicar seu marido como o assassino.

Eles o seguraram por 48 hrs de interrogatório e espancamento que o feriu severamente.
Incluindo um ombro deslocado. Mas ele continuou negando envolvimento com o crime.
O advogado de Verburgh por habeas corpus. Ele disse da experiência:
"Oh, eles me enforcaram, me vendaram ...não consigo levantar meus braços de tão doloridos.

"Eles me algemaram por horas. Me jogaram na cela de olhos vendados. algemaram minhas mãos para traz e me bateram até que meus dedos tocavam o chão,
Eu não comi, vou para o hospital. Oh, estou tão machucado, mais um pouco e eu teria confessado qualquer coisa."
Ele ficou 10 dias no hospital, Ele era analfabeto , não poderia ter escrito nenhum bilhete. Processou o departamento de policia de Chicago e ganhou USD$20,000 aproximadamente 211,000 Dollars destes 57,740 foram dados a sua esposa.

Mais sobre o rumo do caso:
Em Fevereiro , os braços de suzanne foram encontrados no esgoto por trabalhadores, o resto de Suzanne já estavam enterrados. Em Abril 370 suspeitos foram interrogados mas soltos.
Nisso a Imprensa já estava questionando a forma como a policia estava cuidando do caso.

Prisão e interrogatório de Heirens.

Em 26 de Junho de 1946, Heirens foi preso por tentativa de roubo quando alguém o viu tentar invadir um apartamento. O zelador bloqueou seu caminho porém ele apontou a arma e o ameaçou. Ele então entrou em outro prédio para se esconder mas também o viram e chamaram a policia.
Dois oficiais o cercaram, quando se deu conta de que estava cercado apontou a arma para um dos oficiais,
alguns dizem que ele realmente apertou o gatilho mas a arma falhou.
Ele tentou correr mas outro policial jogou um vaso de flor na cabeça dele, ele ficou inconsciente, assim eles o prenderam.

No interrogatório de 6 dias consecutivos , os policiais o ameaçavam constantemente, em uma ocasião chutaram as bolas dele , o que fez com que ele quase vomita-se.
Eles o queimaram com éter. E diziam : Nós sabemos que foi você, diga que foi você!!!
Ele disse ter ficado os 6 dias sem comer ou beber nada. Não pode ver os pais por 4 dias.
Durante os 6 dias não pode falar com advogados.
Dois psiquiatras Doutor Haines e Roy Grinker deram a ele Sodium Pentathol ( o soro da verdade ) sem seu consentimento ou o dos pais de Heirens.
Durante o interrogatório de 3 hrs com o efeito da droga, Autoridades disseram que Heirens falou em uma personalidade alternativa chamada George Murman,
Que realmente cometeu os assassinatos.
Heirens diz que foi induzido pela droga neste interrogatório e não se lembra de ter dito isso.
Na verdade como o transcrito original desapareceu não é possível saber o que ele realmente disse.

No quinto dia sob custodia Heirens sofreu de uma ruptura lombar sem anestesia.
Momentos depois foi levado para o teste do polígrafo. As autoridades tentaram administrar o teste , mas foi remarcado assim que viram q ele estava sofrendo muita dor para cooperar.
Quando o teste foi feito, autoridades disseram que os resultados eram inconclusos.
Em 2 de Julho de 1946 ele foi transferido para Cook Couty Jail, Aonde ficou na enfermaria da cadeia para se recuperar.

Heirens chegou a falar com o Capitão Michael Ahern. Com o advogado do Estado William Tuohy, Heirens ofereceu uma confissão indireta,
Que confirmaria as suas palavras sob efeito de sodium pentathol que o seu alter-ego "George Murman" pode ter sido o responsável pelo crime. O "George" (Que por curiosidade é o nome do meio do pai dele e dele mesmo) deu a ele autorização para se esconder em seu dormitório.
A Polícia procurou em todos os lugares por esse "George" perguntando a amigos e família de Heirens.
Mas por fim perceberam que era realmente uma segunda personalidade dele.
Heirens confundiu a policia por dizer que estava sob influencia do "George" que ele conheceu quando tinha 13 anos.
Que foi o "George" Que mandou ele sair a noite pra roubar, e que o "George" dizia: mate por prazer " Mate como se fosse uma cobra", ( ele falava como se o George fosse real ). " E talvez até seja "
Ele alegou que sempre levava a culpa por "George" Primeiro pelos roubos, Depois assaltos e agora assassinatos.
Psicólogos explicam que quando Heirens criou essa personalidade assim como crianças criam amigos imaginários para manter seus sentimentos anti-sociais e ações separados da pessoa que poderia ser o " Filho e estudante perfeito, Namorar meninas legais e ir a Igreja,...."
Autoridades diziam que ele fazia isso para alegar insanidade.

Provas

Especialistas em escrita diziam que a letra dele não batia com a escrita por Batom, A Policia alegou que a impressão digital encontrada na cena do assassinato de Frances Brown batia com as dele. Depois outra impressão digital do dedinho esquerdo foi parcialmente conectada com a de Heirens, retirada do bilhete de resgate, Com 9 pontos de combinação.
Mas os defensores de Heirens disseram que no Handbook do FBI que fala de identificação de digitais diz ter que marcar ao menos 12 pontos para se ter uma identificação positiva.

O Saque.

Algumas buscas policias ( Sem Mandato ) na residência e dormitório da escola encontraram itens que mereceram publicidade. Um livro de anotações contendo fotos de oficiais Nazistas, pertencia a um veterano da guerra, Harry Gold, que foi levado quando Heirens alugava o quarto que pertencia ao veterano na noite em que Suzanne foi morta, Gold vivia na vizinhança e isso colocou Heirens no circulo de fortes suspeitas.
A policia também encontrou na posse dele uma cópia roubada de Psychopathia Sexualis.
Eles também encontraram um kit medico roubado, Mas anunciaram que isto não podia ser linkado aos assassinatos.
Não havia traços de material biológico tais como Sangue, Pele e cabelo no kit.
E também nada biológico foi encontrado das Vitimas no Heirens ou em uma de suas roupas.
Fora que o Kit nao tinha nada que pudesse ser usado para fazer tal mal como desmembrar alguém.
Uma arma foi encontrada em sua posse que foi linkada com um tiroteio.
Uma Colt ( arma ) que foi roubada da policia no apartamento de Guy Rodrick em 3 de Dezembro de 1945.
Duas noites após o roubo, uma bala atravessou a janela do oitavo andar, Apartamento de Marion Caldwell, que foi ferida.
Heirens tinha esta arma, de acordo com o Dp de policia de Chicago, a bala que feriu Caldwell estava linkada por exames de balísticas a esta arma.

Influencia da Imprensa.
Em 18 de Julho de 1946, a equipe de repórteres de Chicago Tribune trabalhou.
George Wright escreveu uma matéria entítulada:
A história de Heirens ! Como ele matou Suzanne Degnan e 2 mulheres.
Wright citou "Fonte anônima" diz que Heirens confessou e deu detalhes. O Tribune colocou 38 colunas para a história.

Começa assim:

"Esta é a História de como William George Heirens, 17, sequestrou, estrangulou e desmembrou Suzanne Degnan, 6 , Janeiro passado.
E distribuiu as partes de seu corpo em esgotos abertos perto de sua casa.
É a história de como William George Heirens escalou a janela do apartamento da senhorita Frances Brown...
Atirou e esfaqueou ela até a morte, deixou uma mensagem na parede escrita a batom implorando para a policia o encontrar...
e é a história de William George Heirens invadindo o apartamento da senhora Josephine Ross...
e como ele a esfaqueou até a morte ao desperta-la do sono.

Outros 4 Jornais da concorrência publicaram a mesma noticia. O Tribune mais tarde escreveu :
A confiança publica do Tribuno é tão boa, que outros Jornais republicaram solenemente a nossa matéria.
Por um tempo Heirens manteu a inocência. Mas o mundo todo acreditava em sua culpa. Por que o Tribuno disse que ele era culpado"
Heiren teve alguns defensores na imprensa. O London Sunday Pictorial lançou um artigo chamado: " Condenado antes do Julgamento, America chama isto de Justiça"
" Enquanto toda America espera pela acusação do Homem Suspeito em um dos casos mais complexos de assassinato da História, um jovem foi acusado nas paginas dos jornais de Chigago.
E considerado culpado"

Testemunha:

George E. Subgrunski, Um Soldado ainda em serviço, Deu um depoimento no dia após o assassinato de Suzanne, disse ter visto um homem andando em direção da casa da Família Degnan com uma mala. Ele deu as medidas de Heirens, altura peso e idade aproximada, também disse a roupa q ele vestia incluindo um sobretudo preto." Mas disse nao poder descrever o rosto já q estava escuro na hora. Quando a policia mostrou uma foto de Heirens em 11 de Julho, Ele nao o identificou como sendo o homem.

Já em 16 de Julho, Durante uma audiência ele apontou Heirens " Este é o Homem q eu Vi!" Quando ele foi intimado a depor na corte ele fez a identificação em pessoa. A imprensa disse q isto já era o suficiente contra Heirens. O testemunho de Subgurnski ajudou a defesa por sua discredibilidade.

A segunda confissão:

A radio Newscast anunciou que Heirens ouviu em sua cela "a confissão" que o Chigago Tribune deixou Vazar. Ele estava descrédulo, declarou:
"Eu não confessei nada a ninguém, Honestamente! Meu Deus! Do que mais eles irão me culpar?"
Os advogados de Heirens o pressionaram a aceitar a barganha de Touhy.
Touhy propos que se ele confessasse ele pegaria "apenas" prisão perpétua.
Os advogados começaram a ajudar Heirens a fazer a confissão.
Heirens e seus pais assinaram a confissão.

Em 30 de Julho a defesa foi ao escritório de Tuohy, onde vários repórteres fizeram perguntas a Heirens e onde Tuohy fez um discurso.
Heirens pareceu desconsertado e deu respostas de sem comentários aos repórteres. Anos depois ele culpou Tuohy por isso:
For o próprio Touhy quw depois de reunir todos os oficiais, incluindo advogados e policiais, começou a justificativa sobre quanto tempo todos esperaram por uma confissão minha, mas, por fim, a verdade ia ser dita.
Ele continuou a enfatizar a palavra 'verdade' e eu perguntei se ele realmente queria a verdade. Ele garantiu que sim...E ele fez todo um escarcéu sobre ouvir a verdade. Agora, Eu estava sendo forçado a mentir para me salvar. Isto me deixou muito bravo. Ai eu disse a 'verdade' e todos ficaram muito bravos.
Tuohy retirou o acordo de sentença de uma prisão perpetua. Mudou para 3 prisões perpetuas, e ameaçou Heirens com pena de morte se ele fosse a julgamento. Eles ameaçaram acusado da morte de Estelle Carey mesmo Heirens estando na Gibault School para meninos em Terre Heute, Indiana, na data do crime. Os próprios Advogados dele estavam bravos por ter negado o acordo proposto.

Touhy anunciou que tentaria de tudo para condenado pelas mortes de Suzanne Degnan e Frances Brown.
Heirens concordou com um novo acordo oferecido por Touhy. O publico e imprensa se alocaram novamente no escritório de Toughy.
Desta Vez, Heirens falou e respondeu as perguntas, até mesmo reencenou os assassinatos que confessou.
Ahern mudou sua opinião e acreditou quee ele era culpado quando ouviu como ele era familiarizado com os apartamentos das vitimas.
Heirens mais tarde disse: "Eu confessei para salvar minha vida"

A Faca:

Em sua confissão, Heirens disse ter se livrado de faca de caça que ele usou para cortar Suzanne no metro perto da cena do crime. A Policia nunca procurou nos trilhos, no entanto aprendeu com isso.
Os repórteres perguntaram para os funcionários do metro se eles encontraram uma faca.
Eles encontraram e guardaram no Grabville station storage room. Os repórteres descobriram que a faca pertencia a Guy Rodrick, a mesma pessoa que tinha a Colt Policial calibre 22 encontrada na posse de Heirens.
Em 31 de Julho, ele identificou a faca como sendo dele. Heirens disse ter jogado a faca la de um trem, alegando que ele não queria que sua mãe visse.

Alegação de Culpa.

Heirens se responsabilizou totalmente pelos 3 assassinatos em 7 de Agosto de 1946. A promotoria fez com que ele reencenasse o crime de Degnan em publico e em frente a imprensa.


Em 4 de Setembro, com os pais de Heirens,a família das vitimas e o Chefe da justiça Harold G Ward presentes, Heirens admitiu ser culpado das acusações. Naquela noite, Heirens tentou se enforcar na cela, mas coincidiu com a hr de troca de turno dos guardas. Ele foi encontrado antes a tempo.

Ele mais tarde disse que o desespero o levou a tentar o suicídio:

Todos acreditavam na minha culpa...se eu não estivesse vivo na hr do veredíto,
Talvez não seria considerado culpado pela lei, talvez assim ganhasse alguma vitória.
Mas nem nisso fui bem sucedido...Antes de entrar no tribunal meu advogado disse para apenas entrar me alegar culpado e ficar quieto.
Eu nem tive um julgamento...

Em 5 de Setembro, após outras evidencias terem sido registradas e a promotoria e defesa fizeram seus discursos de fechamento, Ward formalmente sentenciou Heirens a 3 penas de prisão perpétua.


Enquanto Heirens esperava a transferencia para a Prisão Stateville da Prisão Cook County, O sherrif Michael Mulcahy perguntou a ele se Suzanne sofreu quando estava morrendo.
Heirens respondeu:
Não sei te dizer se ela sofreu, Sheriff Mulcahy. Eu não matei ela, Diga ao Sr. Degnan para por favor tomar conta de sua outra filha, por que quem quer que a tenha matado ainda está la fora.

Após prisão.

Logo após Heirens ser preso, seus pais mudaram o sobrenome para "Hill". Eles se divorciaram após sua prisão.

Heirens ficou primeiro na Prisão Stateville em Joliet, Illinois. Lá ele aprendeu várias profissões, tais como reparos de tv e radio, certo ponto teve sua própria loja de reparos.
Se tornou o primeiro prisioneiro na história de Illinois a ganhar o diploma de 4 anos de faculdade em 6 de Fevereiro de 1972, recebeu diploma Bachelor of Arts (BA) degree. Ele entrou em outros programas educacionais ajudando prisioneiros a ter os diplomas de educação fundamental.
Se tornou o "Jailhouse Lawyer" (advogado da cadeia) ajudando os prisioneiros em suas apelações.

Em 1975 ele foi tranferido para o Vienna Correctiona Center em Vienna, Illinois ( segurança mínima ) e depois em 1998 sob seu pedido, para Dixon Correctional Center ( cadeia de segurança mínima ) em Dixon, Illinois. Ele reside no Hospital Ward. Sofre de diabetes, que consumiu suas pernas e limitou sua visão, ele se encontra confinado a cadeira de rodas. Continua com seus esforços para ganhar clemencia.

Declarando inocência:

Após dias de sua confissão em corte aberta, Heirens negou qualquer responsabilidade pelos assassinatos. Mary Jane Blanchard, Filha da vitima Josephine Ross, foi uma das primeiras a acreditar em sua inocência em 1946 dizendo:

" Eu nao posso acreditar que o jovem Heirens assassinou minha mãe. Ele não se encaixa no cenário da morte dela... Eu olhei nas coisas que ele roubava e não tinha nada que pertencesse a ela entre elas"

O interrogatório do Sodium Pentathol ( o soro da verdade )

Heirens foi submetido a um interrogatório sob influencia de sodim pentathol, popularmente conhecido como o soro da verdade ( Esta Droga foi administrada por psiquiatras Haines e Roy Grinker)
Sob seu efeito ele supostamente alegou que uma segunda pessoa chamada George Murman cometeu os assassinatos.
Esta forma de interrogatório, Que FOI SEM MANDATO ou consentimento de Heirens ou seus pais, para a maioria dos cientistas é de credibilidade duvidosa hoje em dia.
De fato, nos anos 50 o chamado soro da verdade foi grandemente duvidoso.
Porem quando Heirens foi preso em 1946, o soro ainda tinha credibilidade em tribunais e departamentos de policia.
Já que nos anos 50 o consenso do soro da verdade foi dito como sem valor cientifico algum induzindo a qualquer verdade em interrogatorio ou qualquer coisa. Médicos modernos apontaram um alto numero de pessoas que sucederam bem sob influencia do soro da verdade. ( VAI SABER AGORA QUEM TA CERTO ).

Durante a petição pós convicção de Heirens em 1952, Tuohy admitiu sob juramento que não só sabia sob o procedimento do sodium pentathol, ele autorizou e pagou Grinkel USD$1,000.

No mesmo ano, Grinkel revelou que Heiren NUNCA disse algo que o envolvesse nos assassinatos.

O teste do polígrafo :

Em 1946, após passar por dois testes do polígrafo, Tuohy declarou os resultados inconclusos.
No entanto, Hohn E. Reid e Fred E. Inbau publicaram o teste encontrado em seus arquivos em 1953.
O apontam como INOCENTE.

" Assassino William Heirens foi questionado sob o desmembramento da menina Suzanne Degnan...Com base na teoria convencional do teste suas respostas claramente o apontaram como uma pessoa inocente"

As Evidencias escritas também foram desacreditadas. Especialistas disseram que a letra dele não era a mesma do bilhete e da parede.

Não eram inteiras as digitais encontradas, ouve suspeita de que plantaram as evidencias.

Chegaram a declarar :

Vinte e nove discrepâncias foram encontradas em suas confiçoes. Claramente isto indica que suas confiçoes foram falsas.

Quando ele disse ter jogado a faca no metro, a policia nem sequer fez testes para provar que foi usada no desmembramento.

Um suspeito alternativo:

Após o assassinato de Degnan, Mas antes de Heirens se tornar suspeito, A policia interrogou Richard Russel Thomas, 42,ele estava passando pela cidade de Chicago no dia do assassinato de Degnan, eles notaram similaridade na letra dele com as do bilhete. ( Ele era canhoto ).


Durante interrogatório, Thomas confessou ao crime, mas foi solto após Heirens ter se tornado o principal suspeito. Thomas era um forte suspeito pelo seguinte:

* Thomas já tinha sido condenado por extorsão que ameaçava sequestrar uma menininha.


* Experts em escritas a mão na época declararam q a escrita do bilhete anterior batia com a do bilhete de Degnan. Eram similares na escrita e na forma do bilhete.

* Thomas estava em Chicago no dia do assassinato.

* Na época ele confessou ao crime de Degnan, e estava esperando uma sentença por ter molestado a própria filha.

* Thomas tinha um histórico de violência, incluindo abusar da esposa.

* Thomas era um enfermeiro conhecido por se mascarar de cirurgião. ( ou seja : tinha conhecimento cirúrgico ) Ele frequentemente se gabava para os amigos dizendo ser medico e roubava instrumentos cirúrgicos. A Policia de Chicago anteriormente desenvolveu um profile do assassino de Degnan como tendo conhecimentos cirúrgicos ou ao menos tenha sido açougueiro

* Ele frequentava uma agência de carros perto da residência de Degnan. Partes do corpo de Suzanne foi encontrado em um esgoto do outro lado da rua desta agência.

* Ironicamente, como Heirens, ele era conhecido como Ladrão.

* Ele confessou livremente ao assassinato de Degnan, mas logo retirou o que disse.

Os Detetives de Chicago dispensaram Thomas após Heirens ter se tornado um suspeito. (!!!!)


Thomas morreu em meados 1940 na cadeia de Arizona. Seus arquivos da cadeia e a maioria das evidencias do interrogatório sobre os assassinatos de Chicago foram perdidos ou destruídos.

Petição por clemencia.

Em 2002, Lawrence C. Marshall, preencheu uma petição sobre a busca de Heirens por clemencia. Eles citaram nao só duvidas sobre a culpa de Heirens, mas também seu comportamento na prisão. A apelação eventualmente foi negada.

A audiência mais recente por liberdade condicional foi em 26 de Julho de 2007.

O quadro da condicional estava ilustrado da seguinte forma:

" Deus vai te perdoar, mas o Estado NÃO", disse Thomas Johnson, membro da revisão do quadro dos prisioneiros de Illinois, o voto foi de 14-0 contra a condicional, no entanto foi decidido que seu pedido será revisionado uma vez por ano de agora em diante.

Heirens se encontra em um hospital, perdeu ambas as pernas para a diabetes e perdeu também sua visão parcialmente.

2 comentários:

Ana disse...

O caso da "Dália negra" bate com o assassinato da pequena Suzanne Degnan, o suposto assassino da Dália Negra esteve em Chicago na mesma época que a Suzanne foi morta. Os crimes tem padrões, nos dois casos o assassino se comunicou por mensagens. A forma pela qual foram mortas, tbm bate. As duas moças foram esquartejadas, mas não foi só isso. O corte foi preciso, foi feito por um conhecedor da medicina. GEORGE HODEL era médico e matou Elizabeth Short (vitima do caso Dália negra)do msm jeito que a pequena Suzanne foi encontrada, os mesmos cortes e do mesmo estilo. Nós dois crimes tiveram formas de comunicações, Na Suzanne teve o batom e no da Elizabeth teve palavras recortadas de jornais e revistas. As duas foram esquartejadas entre duas vértebras exatas, para que não atingisse nenhum órgão e é claro que não é qualquer um que consegue fazer isso. Uma curiosidade é que o Corpo de Suzanne foi encontrado no cruzamento de duas ruas e uma delas se chamava "Degnan Boulevard" as informações passadas pela Discovery Channel, disseram que o assassino pode ter se enganado com as ruas. O assassino praticamente desafiou a policia na época a ponto de quase dizer "quero ver se vcs são msm inteligentes o suficiente para descobrir esse detalhe" William George Heirens pode ter passado 66 anos numa prisão podendo ser inocente de um caso absurdo. Todos sabemos que na época, os jornais caíram em cima da policia para descobrir quem era o assassino, até pq, na época, crianças de 7 anos sendo mortas não era comum, então, o jovem Heirens vai tentar roubar uma casa próxima a casa da pequena Degnan e a policia o pega, faz tortura e mts outras coisas. Um menino de 17 anos, inconsequente, com problemas familiares e que sempre dps de roubar algo, devolvia ao mesmo lugar, foi acusado por um crime bárbaro. Heirens diz: os policias disseram que precisavam de uma confissão para não ir á cadeira elétrica e assim eu fiz, pq morto eu não posso provar minha inocência". Talvez, Heirens nunca tenha cometido o crime, até pq o que faria um Serial Killer a cometer outro crime mt, mas mt próximo mesmo do antecessor ao mesmo? seria burrice e seriais Killers não comentem esse tipo de erro. George Hodel nunca foi preso, pois, morreu antes que descobrissem tudo. As semelhanças e possíveis coincidências foram analisadas e propostas pela Discovery Channel, em um documentário, que, no momento não sei lhe informar. Estou lhe escrevendo isso, apenas para vc se informar sobre isso tudo que vc leu acima. Faça sua própria conclusão do caso, gostei mt do blog e obg pela atenção. Nesse outro blog vc pode ver mais sobre o caso da Elizabeth e fotos tbm, verá que o corte do corpo dela bate com a descrição dos cortes da pequena Suzanna. http://histatual.blogspot.com.br/2011/07/dalia-negra.html

Anónimo disse...

O psiquiatra forense, Dr. Michael Stone, entrevistou William Heirens, e ele próprio tem dúvidas quanto à culpa de Heirens.
Putz... se esse Heirens realmente não é o assassino (que é o que parece), é triste demais. Pois, passou 65 anos na penitenciária. Não dá nem prá tentar imaginar alguém ficar tanto tempo preso sendo inocente. E o pior é o verdadeiro assassino (ao que tudo indica, George Hodel), ter vivido uma vida inteira completamente impune. Terrível!!!