terça-feira, 18 de maio de 2010

Juana Barraza






Juana Barraza (nasceu em1957) é uma serial killer mexicana apelidada de La Mataviejitas ou ("The Old Lady Killer"), condenada a 759 anos de prisão pelo assassinato de 11 mulheres idosas. O primeiro assassinato atribuído a "Mataviejitas" foi datado ao final dos anos 1990, um assassinato específico, em 17 de Novembro de 2003. As autoridades e a imprensa têm dado várias estimativas quanto ao número total de vítimas, com os totais estimados variando de 24 a 49 mortes.

Perfil

Todos foram vítimas mulheres adultas com 60 anos ou mais, a maioria das quais vivia sozinha. Os homicídios foram por concussão ou estrangulamento , e o assassino sempre roubava das vítimas. Em alguns casos, segundo a polícia, indícios de abuso sexual também foram encontrados.
Bernardo Batiz , o procurador-chefe na Cidade do México, descreveu La Mataviejitas como tendo "uma mente brilhante, muito inteligente e cuidadosa", e, provavelmente, após um período passou a ganhar a confiança de suas vítimas. Detetives investigaram o modus operandi da suspeita que Mataviejitas fingia ser uma funcionária do governo que oferecia a oportunidade de se inscreverem para os programas de bem-estar.

A busca por La Mataviejitas foi complicada por evidências conflitantes. Em um ponto a polícia chegou a hipótese de que dois assassinos podiam estar envolvidos, a atenção também foi atraída para a estranha coincidência de que pelo menos três vítimas eram proprietárias de uma cópia de uma pintura do século 18, Boy in Red Colete, do artista francês Jean- Baptiste Greuze.

Investigação:

As autoridades foram bastante criticadas pela mídia para indeferir provas de que um serial killer estava na Cidade do México apenas como "sensacionalismo da mídia" em 2005. 

Em Novembro de 2005, as autoridades mexicanas estavam relatando as declarações das testemunhas no sentido de que o assassino usou a roupa das mulheres para ter acesso ao apartamento da vítima. Em um caso, uma grande mulher com uma blusa vermelha, foi vista deixando a casa de uma mulher assassinada. Dois meses depois, a polícia começou a verificação das impressões digitais dos corpos na crença de que Mataviejitas poderia ter cometido suicídio.

Um avanço importante no caso ocorreu em 25 de Janeiro de 2006, quando um suspeito foi preso fugindo da casa da vítima mais recente vítima do serial, Ana María de los Reyes Alfaro, que viveu no Venustiano Carranza bairro da Cidade do México. Alfaro, 82 anos, tinha sido estrangulada com um estetoscópio.

Para a surpresa de muitos mexicanos, que supunham ser o assassino do sexo masculino, o suspeito foi detido Juana Barraza, 48, uma lutadora do sexo feminino conhecida profissionalmente como The Lady Silent (A Dama silenciosa). Testemunhas em cenas de assassinato, haviam descrito uma mulher de aparência masculina e a polícia já havia procurado travestis. Barraza se assemelhava ao modelo do assassino La Mataviejitas, e estava carregando um estetoscópio, as formas de pensão e uma placa identificando-a como uma assistente social, quando ela foi detida.

Cidade do México, os procuradores disseram que a evidência de impressões digitais de Barraza ligadas a pelo menos 10 assassinatos dos cerca de 40 homicídios atribuídos a assassina. A lutadora confessou ter assassinado Alfaro e três outras mulheres, mas negou participação em todas as outras mortes. Ela disse aos repórteres que tinha visitado a casa de Alfaro em busca de trabalho de lavanderia.

Julgamento e veredicto:

Barraza foi julgada na primavera de 2008, o Ministério Público alegou que ela havia sido responsável por cerca de 40 mortes. Ela admitiu um assassinato, o de Alfaro, e disse à polícia que seu motivo era persistente ressentimento em relação ao tratamento de sua própria mãe. Em 31 de Março foi considerada culpada em 16 acusações de homicídio e roubo agravado, incluindo 11 acusações separadas de assassinato. Ela foi sentenciada a 759 anos de prisão. Desde penas impostas pelos tribunais mexicanos são geralmente servidas ao mesmo tempo, no entanto, é provável que ela tenha que servir a um máximo de 50 anos atrás das grades. Ela será elegível para liberdade condicional, se ela sobreviver até os 100 anos de idade.

Controvérsias

Ainda há dúvidas em círculos mexicano se Barraza é realmente La Mataviejitas. 



Apelará la sentencia de 759 años de prisión



Juana Barraza, La Mataviejitas






Sem comentários: